Home Economia e Política Cartão de crédito: 12 parcelas sem juros no cartão de crédito

Cartão de crédito: 12 parcelas sem juros no cartão de crédito

O Banco Central colocou em negociação com o setor privado proposta para limitar a 12 o número de parcelas sem juros em compras no cartão de crédito

por Reuters
0 comentário

O Banco Central colocou em negociação com o setor privado proposta para limitar a 12 o número de parcelas sem juros em compras no cartão de crédito e estabelecer um teto para a tarifa cobrada no uso das “maquininhas”, em uma tentativa de baixar os juros do crédito rotativo, disse à Reuters o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci.

A ideia foi apresentada pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em reunião nesta segunda-feira com entidades representantes de instituições financeiras e do comércio, em busca de um acordo entre os setores, segundo Solmucci, que participou do encontro. Procurado, o BC não comentou.

Também foi mencionada a possibilidade de criação de uma tarifa sobre o parcelamento sem juros no cartão de crédito como forma de desincentivar o uso indiscriminado da modalidade. Essa ideia já havia sido citada anteriormente por Campos Neto em evento público.

O Congresso aprovou neste mês uma lei que estabeleceu 90 dias para que o Conselho Monetário Nacional (CMN) defina um limite para os juros do rotativo do cartão. A taxa média cobrada na modalidade está em 445,7% ao ano.

Caso não seja encontrada uma solução no prazo, a lei define que taxa do rotativo não poderá exceder o valor original da dívida, o que representa juros totais de 100%.

Cartão de Crédito
(Imagem: Pixabay)

Os debates sobre o tema têm gerado atrito entre setores, com bancos alegando que os juros são altos porque o risco de crédito é elevado, enquanto os parcelamentos sem juros oferecidos pelo comércio empurram para as instituições financeiras o ônus da inadimplência.

Lojistas, por sua vez, dizem que o parcelado sem juros não é a causa do problema e sustenta o comércio do país, temendo uma ruptura se o mecanismo for alterado.

Pela proposta apresentada por Campos Neto, uma limitação do parcelado sem juros a 12 meses com possível criação de uma tarifa adicional seria um caminho para reduzir o risco de inadimplência.

A medida poderia afetar setores como os de materiais de construção e eletrodomésticos, que oferecem parcelamentos mais longos sem incidência de juros.

Ao mesmo tempo, pela ideia apresentada, haveria redução de custo das operações com a imposição de um limite para a tarifa de intercâmbio paga aos emissores de cartões de crédito pelos comerciantes que alugam as “maquininhas”. Hoje, essa limitação só existe para cartões de débito e pré-pagos.

Com esse arranjo, haveria espaço para uma redução dos juros do rotativo. Segundo Solmucci, os cálculos e patamares propostos ainda serão fechados pelo BC e devem ser levados a uma nova rodada de negociação em duas semanas.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

Caso haja um acordo entre os participantes, a proposta será apresentada ao Ministério da Fazenda, antes de ser levada ao Conselho Monetário Nacional, colegiado que toma decisões a partir dos votos de Campos Neto e dos ministros da Fazenda, Fernando Haddad, e do Planejamento, Simone Tebet.

O presidente da Abrasel disse que o setor aceita conversar sobre o limite de 12 parcelas sem juros no cartão desde que não haja uma redução mais forte desse patamar à frente e sejam definidos critérios claros para avaliar o resultado da mudança.

“Precisamos conhecer os números, conhecer os parâmetros. Vamos nos sentar de novo com os números nas mãos, saber quanto reduziria a tarifa de intercâmbio, quanto seria possível baixar a taxa do rotativo, e se o limite de 12 parcelas sem juros reduziria o risco sistêmico”, disse.

“Se garantir que são 12 parcelas mesmo, acho que pode chegar a um acordo”, acrescentou.

Ao comentar o tema do parcelamento de compras sem juros em setembro, Campos Neto disse que “todo mundo” tem que ceder um pouco para o debate avançar.

No mês anterior, ele chegou a indicar que o rotativo poderia ser extinto e o parcelado sem juros alterado, mas depois passou a dizer que a solução para o problema passaria por debates com os diferentes setores e o governo.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.