Imagine que após correr 10km em um dia quente de verão, um atleta esteja desejando um copo de água. O primeiro copo, com certeza, trará uma grande satisfação, assim como o segundo e o terceiro. Entretanto, a partir do quarto e quinto copos, a pessoa já saciada não obtém o mesmo grau de satisfação.

O mesmo raciocínio pode ser aplicado à imagem ou credibilidade de alguém. Imagine que no seu bairro haja um adolescente que consome quantidades elevadas de álcool durante festas. Ao fim delas, o jovem costumar praticar atos inadequados, como sujar muros e jogar objetos nos telhados das casas. Após algum tempo, a imagem do adolescente perante os seus vizinhos se torna bem negativa.

Uma vez que a imagem negativa está sedimentada, a repetição dos atos pelo jovem problemático não adicionará nada à sua reputação: a opinião dos vizinhos continuará a mesma. O acréscimo marginal de um novo ato é quase irrelevante.

O mesmo raciocínio se aplica ao caso Petrobras. Os governantes temem pelas suas reputações em casos de escândalo de corrupção devido ao risco de perder as próximas eleições. Assim, a opinião dos eleitores em um primeiro momento tem importância. Porém, quando escândalos de corrupção se estendem por muito tempo é possível observar que os políticos envolvidos passam a dar menos importância. Veja por qual razão.

A Petrobras vem sendo maculada há meses pelas descobertas que agentes públicos e privados saquearam os seus cofres. A primeira notícia com certeza levou calafrios para o Palácio do Planalto, mas na medida em que uma enxurrada de notícias atinge a credibilidade da estatal e do governo, o desgaste marginal de uma nova denuncia se torna quase irrelevante. Parte da opinião pública já tem uma opinião consolidada sobre o assunto e, por conta disso, uma nova notícia não muda em nada a percepção do público.

Além do exposto, o governo já calculou as ranhuras em sua imagem mediante pesquisas de opinião pública e, no caso específico da Petrobras, a presidente Dilma, surpreendentemente, conta com a opinião positiva de 40% dos brasileiros. Nesse cenário, mais uma notícia sobre os escândalos tem um efeito marginal quase irrelevante.

Isso explica claramente por qual razão a presidente Dilma vem resistindo às pressões de mudança na presidência e diretoria da Petrobras. O efeito marginal de uma nova denuncia é quase irrelevante no sentido de mudar a percepção dos brasileiros quanto ao governo.

Dessa forma, a presidente da estatal, Graça Foster, deverá ficar no cargo até que uma nova descoberta mude a opinião de outros segmentos do eleitorado. Que descoberta seria capaz de mudar alguma coisa? Você arrisca algo ou também acredita que nada deve mudar?

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários