Como você costuma realizar suas compras? Comparar preços é algo que você faz constantemente ou apenas em ocasiões especiais? Neste artigo trago a questão da comparação como algo importante para quem quer cuidar melhor do dinheiro. Nem sempre comparamos preços por uma questão de comodidade, mas o fato é que este hábito pode gerar economia no bolso e negócios muito melhores.

Vamos a um exemplo do dia a dia: eu costumo ir de vez em quando tomar um bom café com leite e um pão com manteiga na chapa na padaria. Pois bem, resolvi começar a fazer as contas porque em uma determinada padaria, essa dupla custava cerca de R$ 10. Em outra, mais simples, custava R$ 7.

Pode parecer bobagem, mas se alguém costuma realizar este tipo de consumo diariamente, estará gastando cerca de R$ 300 reais na opção A, e R$ 210 na opção B. São R$ 90 por mês de diferença, e por ano R$ 1080. Muitas vezes, esta mesma pessoa diz que não tem dinheiro para fazer uma viagenzinha no final do ano. Mas veja que bastaria comparar preços e optar pela economia (sem deixar de consumir) para fazer a sua reserva destinada a uma viagem.

Dei este exemplo simples, mas o fato é que comparar preços serve para uma série de coisas que nem notamos no dia a dia. Também recentemente observei que meu pai estava gastando R$ 150 em sua conta mensal de celular. Pois bem, decidi negociar o valor e chegamos a R$ 100 com a operadora bastando ele mudar o número. Faça as contas: são R$ 50 mensais economizados por mês, R$ 600 no ano. O que você poderia comparar hoje para começar a economizar também, hein?

Ouça:  DinheiramaCast – Final de ano e planejamento para 2020

Novembro é mês de comparar preços

Além dos gastos habituais do dia a dia, é bom lembrar que no mês de novembro é ainda mais importante  comparar preços. Isso porque estamos falando em Black Friday e também da primeira parcela do 13º salário, que os trabalhadores registrados recebem.

Isso significa maior movimento na economia e uma enxurrada de propagandas querendo que você compre de qualquer jeito. Muito cuidado nessa hora!

Para ajudar, separei alguns dicas do Procon SP que você pode seguir especialmente nesta fase do ano para evitar as compras por impulso e fazer negócios que realmente tenham sentido para você. Vamos lá!

Leia também: Poupança turbinada Diin (Mais segura e rende mais que a poupança)

Dicas do Procon SP para fazer bons negócios

– O Procon recomenda que o consumidor faça uma lista do produto ou serviço que precisa ou deseja e estipule um limite de gasto, evitando gastar mais do que o previsto. É importante comparar preços por meio de aplicativos e sites de comparação.

– Observar o prazo de entrega e informar-se antecipadamente sobre a política de troca da empresa são atitudes que ajudam a evitar problemas.

-O consumidor deve evitar clicar em links e ofertas recebidas por e-mail ou redes sociais, fazendo sempre a consulta da página oficial da loja, de preferência digitando o endereço do site.

– Os produtos expostos nas vitrines devem apresentar o preço à vista e, se vendidos a prazo, o total a prazo, as taxas de juros mensal e anual, bem como o valor e número das parcelas.

– Qualquer produto, nacional ou importado, deve apresentar informações corretas, claras e em língua portuguesa sobre suas características, qualidade, quantidade, composição, preço, garantia, prazo de validade, origem, além dos riscos que possam apresentar à saúde e segurança dos consumidores.

– Nas compras feitas em sites, após escolher o produto ou serviço, o consumidor deve verificar se o preço será alterado no carrinho virtual ou se o valor do frete é muito mais alto que o habitual.

– De acordo com o Código de Defesa do Consumidor, em compras feitas fora do estabelecimento, o consumidor tem 7 (sete) dias para “se arrepender”, cancelar a compra, devolver o produto e pedir o dinheiro de volta (o prazo passa a contar da data da compra ou da entrega do produto).

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários