Talita comenta: “Navarro, você deve ter visto o boato de que o governo vai confiscar a poupança ou coisa parecida, certo? Devemos levar isso a sério? Creio que não. E como fica o pequeno poupador que tem na poupança um investimento fácil e relativamente seguro? Ele deve seguir investindo na caderneta? Obrigada”.

Arrisco-me a dizer que o Brasil convive com essa coisa de boatos desde que foi descoberto, e isso não exatamente um privilégio de nosso povo. De maneira geral, a política envolve muitas negociações diretas, francas, mas também atos e decisões desprezíveis do ponto de vista moral; espalhar boatos é um deles.

Não, o confisco não é coisa séria e não deve ser levado em consideração. O Ministério da Fazenda soltou uma Nota Oficial com comentários sobre isso, reiterando que o boato não tem fundamento e que toda comunicação neste sentido será sempre feita pelo Ministério, em caráter oficial, e com transparência (clique aqui para ler a nota). Um de nossos parceiros também já gravou um vídeo sobre o tema (clique e assista).

Dito isso, reforço o que muitos especialistas em finanças pessoais e investimentos têm dito: no momento, a caderneta de poupança não é uma boa alternativa de investimento. Nós certamente poderíamos discutir diversos aspectos associados a esta afirmação, mas isso não será necessário.

O motivo definitivo para abandonar a poupança em 2015

Se você quer saber logo o principal motivo para abandonar a poupança e investir em alternativas melhores, lá vai ele: ao colocar dinheiro na caderneta, seu dinheiro vai render menos que a inflação. Pouco menos, é verdade, mas menos. Traduzindo, você perderá poder de compra. Ok, na melhor das hipóteses você apenas protegerá sua grana da inflação.

O índice oficial de inflação do governo, o IPCA, já flerta com os 7% faz algum tempo, ainda que o governo insista ser capaz de trazer o valor para próximo do teto da meta, 6,5%. O mercado não acredita nisso e os consumidores já perceberam que a inflação sentida é maior que o valor apresentado pelas autoridades.

A caderneta de poupança, cabe relembrar, rende 0,5% ao mês mais a variação da Taxa Referencial (T.R.) No ano, isso hoje representa 7%, um empate técnico com a inflação oficial. Se um empate não parece tão ruim dada a facilidade do investimento, saiba que existem alternativas igualmente seguras e que rendem de 40% a 60% mais.

Letra Financeira do Tesouro (LFT), alternativa melhor que a caderneta de poupança

O apelo de liquidez e facilidade de uso é quase imbatível a favor da caderneta de poupança, mas a possibilidade de investir na Letra Financeira do Tesouro, ou simplesmente LFT (daqui a pouco o nome vai mudar para Tesouro Selic), é o melhor caminho para quem tem perfil conservador.

Como vantagens, a LFT oferece:

  • Garantia do Tesouro Nacional. Você está emprestando dinheiro para o governo, o que significa um risco bastante baixo de calote. Se isso vier a ocorrer, tudo o mais já terá “virado cinzas” antes;
  • Liquidez. O dinheiro pode ser resgatado toda semana, às quartas-feiras, através dos leilões de recompra realizados pelo Tesouro Nacional, e ele será rentabilizado mesmo que fique por apenas uma semana. A poupança precisa “fazer aniversário”, ou seja, seu dinheiro precisa ficar pelo menos 30 dias para que incidam os juros;
  • Rentabilidade atrelada à Selic garantida, sem chance de perda de patrimônio. A evolução da rentabilidade é diária, acompanhando a Selic, e não há risco de perda do valor investido se você optar por vender o título antes da hora (o pagamento na data será rentabilizado com a Selic até a data de venda);
  • Rentabilidade de 40% a 50% maior que a da poupança. Mesmo com cobrança de Imposto de Renda, a rentabilidade no curto prazo é maior que a da poupança. Lembre-se que a Selic está em 12,25% ao ano e com expectativa de alta (e a rentabilidade da LFT acompanha o movimento da Selic).

Como desvantagens, vale citar:

  • Necessidade de operação através de um agente de custódia. Não se trata exatamente de uma desvantagem, mas de uma questão operacional. Como a poupança é simples de operar, este aspecto acaba por desmotivar muitos investidores. No entanto, cabe frisar que o processo de abertura de conta e compra de títulos é bastante simples;
  • Cobrança de Imposto de Renda. O produto não é isento e segue a tabela padrão de IR da renda fixa: 22,5% para investimento de até 6 meses; 20% para o período de 6 a 12 meses; 17,5% de um a dois anos; e 15% acima de dois anos. Apesar da incidência, a rentabilidade é maior que a da poupança, portanto a desvantagem não se transforma em deficiência;
  • Aporte inicial maior para investimento único. Na poupança, é possível investir qualquer quantia. No caso da LFT, é preciso comprar ao menos 0,1 título (ou 10% do seu valor), o que hoje significa algo em torno de R$ 700,00 (o valor pode cair consideravelmente se o investidor optar pela compra programada – a fração mínima passa a ser 0,01% do preço do título);
  • Cobrança de taxas. Dependendo da escolha do agente de custódia para negociação dos títulos, haverá cobrança de uma taxa, geralmente bastante baixa (0,1% a 0,3% ao ano). Além disso, ha cobrança de taxa de custódia por parte da BM&F Bovespa (0,3% ao ano). Ainda com estas taxas e IR, a rentabilidade é maior que a da poupança.

Para saber mais sobre Tesouro Direto e LFT, sugiro a leitura de outros dois artigos já publicados aqui sobre o tema (existem muitos outros, mas estes são bem diretos). Se você quer saber quanto melhor que a poupança o Tesouro pode ser, leia o segundo artigo desta lista abaixo:

Eu poderia citar outras alternativas à caderneta de poupança, mas preferi falar apenas da LFT porque gosto bastante da proposta deste título e acredito que a tendência dos juros é de elevação – como a LFT é pós-fixada e atrelada à Selic, isso significa ver os retornos crescerem com a elevação dos juros.

Conclusão

A caderneta de poupança é popular, tem apelo e funciona como primeiro investimento para muitas famílias. Perfeito, a realidade é essa e não se trata de puni-la com palavras duras e piadas. A ideia é bem outra: oferecer um motivo definitivo para abandonar essa cultura e aproveitar produtos financeiros melhores, como a LFT.

Se você investe na poupança e não pretende mudar esse hábito, que tal compartilhar suas razões conosco? Se você já saiu da poupança, que produto escolheu em seu lugar? Use o espaço de comentários abaixo ou fale comigo pelo Twitter – sou o @Navarro por lá. Obrigado e até a próxima.

Foto “Coins and chess”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários