Anderson comenta: “Navarro, tenho acompanhado o Dinheirama e já entendi que os títulos públicos são muito melhores que a poupança. Já abri minha conta em uma corretora de valores e comecei a investir R$ 200,00 todos os meses no Tesouro Selic, mas observei um problema: o custo das transferências com DOC/TED têm me desestimulado. Há uma saída para isso? Obrigado”.

Ultimamente aumentou o número de questionamentos sobre o custo da transferência (DOC/TED) na hora de investir, e o tema é muito pertinente e importante. Quero aproveitar o momento para explicar que há, sim, uma saída para se livrar dessas taxas.

Antes, para todos entenderem os aspectos que envolvem o tema, uma explicação: quando você faz uma transferência de maior valor para a conta da corretora de valores, via aporte único, ainda que você pague a taxa do DOC/TED (que está em torno de R$ 8,50), esse valor se torna “insignificante”.

Com isso, quero dizer que o valor da tarifa representa um percentual muito pequeno do todo (lembre-se, falo de aportes grandes) e a diferença de lucro entre a poupança e o tesouro SELIC é muito maior que isso.

Por outro lado, para quem faz aportes mensais pequenos, essa taxa de transferência já representa um valor que atrapalha e “come” a rentabilidade do investimento, e muitos concluem que é melhor manter o dinheiro na poupança mesmo, ainda que o rendimento seja inferior ao da inflação.

Como há uma enorme quantidade de pessoas que fazem aportes pequenos e mensais, é importante que todos saibam que é possível resolver este problema através do uso das contas digitais.

Ebook gratuito recomendado: Invista sem medo em títulos públicos

A conta digital

As contas digitais já existem há alguns anos, mas pouca gente sabe disso, e menos ainda como elas funcionam e as vantagens (e desvantagens) de ter uma.

Tudo começou com a Resolução 3.919 do Banco Central do Brasil, de 25/11/2010 (clique aqui se quiser ler toda a resolução). Esta resolução garante, entre outras coisas, que as tarifas por transações que sejam realizadas exclusivamente por meios eletrônicos não devem ser cobradas.

Dessa forma, se você tem condições de utilizar o banco somente pela Internet, pelo aplicativo do celular/tablet e pelos caixas eletrônicos, você é um forte candidato a se dar muito bem com uma conta digital, e assim ficar isento de pagar as famosas (e desagradáveis) taxas mensais de uso da conta.

Vantagens e desvantagens da conta digital

A maior vantagem, sem dúvidas, é o não pagamento das taxas mensais. Quem já está bem ambientado com o mundo digital, não terá qualquer problema em gerenciar sua conta sem depender de uma pessoa do banco.

As desvantagens aparecem quando você depende de funcionários do banco para realizar suas atividades financeiras. Neste caso, você terá tarifas avulsas adicionais, que variam de banco para banco, mas que podem inviabilizar o uso da conta digital caso sejam utilizadas com frequência.

Portanto, a questão que mais pesa é quanto você está acostumado (ou disposto a aprender) a usar o banco apenas através da Internet e dos caixas eletrônicos.

Vídeo recomendado: Tudo que você precisa saber sobre a Caderneta de Poupança

Pacote de serviços essenciais ou conta digital?

A resolução 3.919 do Bacen que comentei explica tudo isso (e muito mais) em detalhes, mas aqui vai um resumo de alguns itens importantes, para facilitar, caso você opte pela conta normal (não digital), mas que tem isenção de tarifas. Atenção porque este pacote essencial não é tão divulgado, mas é seu direito conseguir contratá-lo. Ele oferece:

  • Fornecimento de cartão com função débito;
  • Fornecimento de segunda via do cartão de débito;
  • Realização de até quatro saques, por mês, em guichê de caixa;
  • Realização de até duas transferências de recursos entre contas na própria agência (guichê);
  • Fornecimento de até dois extratos por mês, contendo a movimentação dos últimos trinta dias, por meio de guichê de caixa e/ou de terminal de autoatendimento;
  • Realização de consultas mediante utilização da internet;
  • Compensação de cheques;
  • Fornecimento de até dez folhas de cheques por mês, desde que o correntista reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, de acordo com a regulamentação em vigor e as condições pactuadas;
  • Prestação de qualquer serviço por meios eletrônicos, no caso de contas cujos contratos prevejam utilizar exclusivamente meios eletrônicos.

A diferença para a conta eletrônica é que na conta digital não há oferta de talão de cheques e todas as consultas devem ser feitas de forma eletrônica, seja pelos terminais, smartphone ou app. Se você precisa fazer TED, algo que mencionamos no que diz respeito a investimentos, a conta digital é melhor porque não cobra por isso – no caso da conta padrão, algum pacote teria que ser contratado ou haveria cobrança por transferência.

Se você quiser dar uma espiada do pacote das contas digitais de alguns bancos, deixo como exemplo as páginas que tratam da conta digital dos bancos Itaú (clique aqui) e Bradesco (clique aqui). São apenas exemplos, não se trata de uma recomendação – busque aquele que achar melhor.

Conclusão

Agora que você já sabe que há alternativas para fazer transferências entre contas bancárias e contas de corretoras de valores, através de DOC/TED, sem pagar tarifas por isso, mãos à obra! Não importa o tamanho do aporte mensal, aproveite esta possibilidade e tire logo seu dinheiro da poupança.

Ah, caso você ainda tenha alguma dúvida sobre como abrir uma conta em uma corretora de valores, clique aqui. Um abraço e até a próxima!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários