Como criar o hábito de guardar dinheiro? Assim como funciona com qualquer outro tipo de hábito, com relação à organização financeira também é preciso começar dá forma que for possível e ir mantendo a frequência. Ninguém muda um hábito do dia pra noite, certo? Vale para cuidar do corpo, da mente, estimular a leitura, o aprendizado.

Neurocientistas costumam dizer, aliás, que é preciso 21 dias ao menos para que nosso cérebro se habitue a nossas rotinas. É por isso que sempre ressaltamos por aqui que mais que a quantidade de dinheiro a ser guardada, a frequência é o mais importante quando se trata de criar o hábito de guardar dinheiro.

No livro “100% presente”, o palestrante, ex-nadador e coach esportivo Joel Moraes trata da importância de criarmos uma meta por dia, que seja pequena mas tangível, e que dependa apenas de nós mesmos.

“É a somatória de mini-hábitos, nano-hábitos, micro-hábitos que fará a diferença. Não se trata de uma corrida de 100 metros, mas sim de uma maratona de 42 quilômetros.”, explica ele, que também diz: “Não precisa acelerar. Basta não parar.”

Como você tem lidado com a organização financeira?

Criar o hábito de guardar dinheiro tem a ver com organizar as finanças em geral, e isso precisa ser feito diariamente, a cada gasto inútil que você deixa de fazer, a cada real que você consegue economizar, a cada exemplo de inteligência financeira que você ensina a seus filhos. São estas pequenas ações que o ajudarão a criar hábitos muito importantes.

E, assim como acontece quando a gente dirige, no início é preciso prestar mais atenção, afinal a gente pode facilmente errar a marcha, mas depois vira algo automático.

Para que você comece a criar o hábito de guardar dinheiro desta forma “automática”, separei algumas dicas importantes. Veja quais delas fazem sentido para você e passe a inseri-las, mesmo que aos poucos, mas com frequência, no seu dia a dia!

Dicas para ajudá-lo a criar o hábito de guardar dinheiro

  • Comece com pouco

Que tal começar com pouco? 1 real por dia que seja. Comece a deixar de gastar aqui e ali e, no lugar de um gasto que seria feito, use o dinheiro para começar a formar esta reserva. Pode ajudar contar com um aplicativo como a Diin, que tem como objetivo exatamente estimular as pessoas a pouparem.

  • Faça economia

Para começar a guardar dinheiro é preciso começar a economizar também. Se mesmo ganhando bem e tenho uma receita maior, você não cuidar do dinheiro, este dinheiro em algum momento pode sumir. Lembre-se, portanto, que não desperdiçar é importante.

  • Registre os gastos

Sem entender para onde vai o dinheiro, guardar se torna algo complicado. É observando para onde vai o dim dim que poderia ser guardado que você começa a ver que dá para guardar mais do que o imaginado. Se for o caso, use aplicativos financeiros para ajudar a entender os gastos.

  • Cuidado com o emocional

Compras por impulso costumam ser grandes vilãs para quem quer criar o hábito de guardar dinheiro. Isso porque você começa bem e, quando vai ver, no lugar de guardar, acabou gastando o que não devia em algo sem importância. Se for o caso, deixe o cartão de crédito em casa e nem abra emails com ofertas “arrasadoras”.

  • Tenha planos e metas

Finalmente, ninguém guarda dinheiro sem ter um objetivo. É preciso que você tenha planos e metas definidos para começar a criar o hábito de guardar. Pense, por exemplo, em quanto dinheiro você gostaria de ter até o fim do ano para começar uma reserva financeira. Ou, ainda, quanto precisará ter para realizar aquele curso importante ou a viagem de férias. A partir daí fica mais fácil ter vontade de guardar. Boa sorte!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários