Viver de Renda
Home Mercados Dólar sobe no dia com Ptax e exterior, mas fecha novembro em baixa firme

Dólar sobe no dia com Ptax e exterior, mas fecha novembro em baixa firme

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9154 reais na venda, em alta de 0,59%

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@pvproductions)

O dólar (USDBLR) à vista fechou a quinta-feira em alta ante o real, em meio à disputa dos investidores para a formação da taxa Ptax no último dia de novembro e ao avanço da moeda norte-americana no exterior, apesar de novos dados sobre a economia dos Estados Unidos indicarem que o ciclo de alta de juros do Fed pode ter se encerrado.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9154 reais na venda, em alta de 0,59%. Em novembro, no entanto, a moeda acumulou baixa de 2,48%.

Na B3, às 17:37 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,70%, a 4,9355 reais.

Viver de Renda

Na primeira metade do dia a volatilidade foi maior no mercado de câmbio, em meio à disputa dos investidores pela formação da Ptax de fim de mês.

A Ptax é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central com base nas cotações do mercado à vista e que serve de referência para a liquidação de contratos futuros.

No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la a níveis mais convenientes às suas posições, sejam elas compradas (no sentido de alta das cotações) ou vendidas em dólar (no sentido de baixa).

Desde o início da sessão, ficou clara a pressão dos comprados para que as cotações avançassem, o que fez o dólar à vista, em um intervalo de dois minutos, passar da mínima de 4,9190 reais (+0,67%, às 9h02) para a máxima de 4,9520 reais (+1,34%, às 9h04).

Dólar
(Imagem: JESHOOTS-com/Pixabay)

No exterior, a moeda norte-americana também tinha ganhos firmes ante outras divisas, a despeito dos novos dados sobre a economia norte-americana.

A inflação medida pelo índice PCE ficou em zero em outubro, depois de ter subido 0,4% em setembro. Já o núcleo do PCE bastante observado pelo Fed subiu 0,2% em outubro, ante alta de 0,3% em setembro.

Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentaram 0,2% no mês passado, em linha com a expectativa de economias ouvidos pela Reuters, após um ganho não revisado de 0,7% em setembro, informou o Departamento de Comércio.

Além disso, os contratos de compra de casas usadas nos EUA caíram 1,5% em outubro, para 71,4, de um valor revisado de 72,5 no mês anterior, de acordo com o Índice de Vendas Pendentes de Moradias da Associação Nacional de Corretores de Imóveis.

Esse foi o valor mais baixo desde que a associação lançou o índice em 2001. Economistas esperavam por um declínio de 2,0%.

Os números reforçaram a percepção de que o Federal Reserve manterá sua taxa básica nos atuais níveis este ano, podendo iniciar o processo de cortes ainda no primeiro semestre de 2024.

Ainda assim, compras de dólares no fim de mês davam suporte às cotações no exterior.

À tarde, com a Ptax de fim de mês já definida, em 4,9355 reais na venda, o dólar à vista passou a oscilar sem a influência das disputas técnicas.

A moeda norte-americana acabou perdendo um pouco do fôlego, em paralelo à queda das taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) de curto prazo.

O movimento foi influenciado por declarações do diretor de Política Monetária do Banco Central, Gabriel Galípolo, durante evento do JP Morgan.

O diretor afirmou que uma possibilidade de retirada da orientação de que o BC manterá o ritmo de cortes na Selic nas “próximas reuniões”, no plural, teria significados diferentes a depender do momento.

Além disso, destacou que recentemente, diante do cenário mais benigno, vem sentindo maior pressão do mercado no sentido de que há espaço para o BC acelerar os cortes de juros.

(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)
(Imagem: Reprodução/Freepik/@jcomp)

Apesar de ter se afastando das cotações mais altas do dia, o dólar ainda terminou em alta ante o real, pela segunda sessão consecutiva.

No exterior, a moeda seguia no fim da tarde em alta ante as divisas fortes e em relação a praticamente todas as moedas de emergentes e exportadores de commodities.

Às 17:37 (de Brasília), o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas subia 0,73%, a 103,570.

Pela manhã, o BC vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de fevereiro.

Durante a tarde, o BC informou que o Brasil registrou fluxo cambial total negativo de 2,924 bilhões de dólares em novembro até o dia 24.

Pelo canal financeiro, houve saídas líquidas de 1,551 bilhão de dólares no período e, pela via comercial, saídas de 1,373 bilhão de dólares.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Faça parte da rede “O Melhor do Dinheirama” com as melhores análises e notícias

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.