Home Mercados Dólar supera os R$ 5,25 com briga pela taxa Ptax

Dólar supera os R$ 5,25 com briga pela taxa Ptax

O dólar à vista encerrou o dia cotado a 5,2510 reais na venda, em alta de 0,78%. Este é o maior valor de fechamento desde 16 de abril

por Reuters
0 comentário

A disputa pela taxa Ptax de fim de mês deu força ao dólar (USDBRL) até o início da tarde desta sexta-feira, com investidores com posições compradas impulsionando as cotações, o que abriu espaço para mais um dia de alta firme da moeda norte-americana ante o real, ainda que no exterior a divisa cedesse após a divulgação de dados de inflação acomodados nos EUA.

O dólar à vista encerrou o dia cotado a 5,2510 reais na venda, em alta de 0,78%. Este é o maior valor de fechamento desde 16 de abril, quando a moeda foi cotada a 5,2686 reais.

Na semana, a divisa dos EUA acumulou elevação de 1,60%. Em maio, o avanço acumulado foi de 1,12%.

Às 17h22, o contrato futuro do dólar para julho que nesta sexta-feira passou a ser o mais líquido no Brasil subia 0,78%, aos 5,2615 reais.

Como na quinta-feira o mercado brasileiro permaneceu fechado em função do feriado de Corpus Christi, nesta sexta-feira as cotações já abriram se ajustando às notícias da véspera nos EUA em especial, à revisão para baixo do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano no primeiro trimestre.

Este dado alimentou as expectativas de que o Federal Reserve poderá cortar juros ainda em 2024, o que pesou sobre o dólar.

Às 9h04 desta sexta-feira, pouco depois da abertura, a moeda norte-americana à vista marcou a cotação mínima de 5,1933 reais (-0,33%).

Os números divulgados logo depois também reforçaram a visão de que o Fed terá espaço para cortar juros. Bastante observado pelo banco central dos EUA, o índice de inflação PCE subiu 0,3% em abril, igualando o dado de março.

Na base anual, o indicador avançou 2,7%, mesmo percentual de março.

Os resultados tanto para o mês quanto para o ano vieram em linha com as projeções de economistas consultados pela Reuters.

Já o núcleo do PCE teve alta de 0,2% em abril, abaixo do 0,3% esperado pelos economistas.

Os números do PCE fizeram o dólar ampliar perdas ante diversas divisas no exterior, mas no Brasil a disputa pela formação da Ptax passou a dar o tom dos negócios.

(Imagem: Freepik/@jcomp)
(Imagem: Freepik/@jcomp)

Taxa de câmbio calculada pelo Banco Central com base nas cotações do mercado à vista, a Ptax serve de referência para a liquidação de contratos futuros.

No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la a níveis mais convenientes às suas posições, sejam elas compradas (no sentido de alta das cotações) ou vendidas em dólar (no sentido de baixa).

Assim, perto das 10h, das 11h e das 12h horários em que o BC realiza coletas para cálculo da Ptax o dólar à vista renovou máximas do dia, em um claro movimento de pressão dos comprados.

Às 12h, no pico da sessão, o dólar à vista foi cotado a 5,2592 reais (+0,94%), ainda que no exterior o viés para a moeda norte-americana fosse de baixa.

Para Matheus Massote, especialista em câmbio da One Investimentos, dados vindos da China contribuíram para a pressão exercida pelos comprados na formação da Ptax.

De forma inesperada, o Índice de Gerentes de Compras (PMI) oficial do setor industrial chinês caiu para 49,5 em maio, ante 50,4 em abril e abaixo da marca de 50 que separa o crescimento da contração. Analistas esperava por um PMI de 50,4.

Neste cenário, o minério de ferro para setembro voltou a ceder na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China, acumulando queda de 4,7% na semana.

“Os dados da China vieram bem mais fracos que o esperado, o que tem impacto grande em preço de commodities, com muito efeito no Brasil”, comentou Massote.

“Hoje (sexta-feira) o real está apanhando mais que o resto porque commodities são muito importantes para a nossa economia. No fim das contas, a Ptax trouxe volatilidade e a China deu a direção ao dólar”, avaliou.

Formada a Ptax no início da tarde (5,2416 reais para venda), o dólar passou a oscilar de forma mais livre no Brasil, mas como a sexta-feira foi de sessão espremida entre o feriado e o fim de semana, a liquidez também diminuiu.

No exterior, o dólar seguia em queda ante boa parte das demais divisas, na esteira do PCE.

Às 17h21, o índice do dólar que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas caía 0,15%, a 104,610.

Pela manhã o Banco Central vendeu todos os 12.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados para rolagem dos vencimentos de agosto.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.