Home Carreira O empreendedor resiliente também sabe desistir

O empreendedor resiliente também sabe desistir

por Cristina Pizarro
0 coment√°rio

Dizem que o empreendedor (sobretudo o pequeno) deve ser maduro, focado, persistente. Deve ser visionário, enxergar oportunidades, ser um bom líder, saber operar todos os processos de sua empresa, ser benevolente, contribuir para a sua comunidade, estar por dentro de tudo sem ser invasivo e por aí vai.

Uma lista intermin√°vel de ‚Äúqualidades‚ÄĚ que fazem com que tenhamos de ser quase super her√≥is da vida real. Sem esquecer da onipresente ‚Äúresili√™ncia‚ÄĚ. Acredito que, quando interpretada erroneamente, a tal resili√™ncia pode ser uma armadilha que nos impede de perceber quando um ciclo deve se encerrar dignamente.

Partir pra outra. Sim, o seu empreendimento n√£o √© um casamento do passado, uma pris√£o sem direito a div√≥rcio. Voc√™ pode, e por vezes deve, deix√°-lo pra tr√°s, fechar as portas e recome√ßar. N√£o do zero, porque todos os dias aprendemos algo. Chega dessa infantilidade de ‚Äúmeu sonho‚ÄĚ, caro empreendedor.

Leitura para empreender: ‚ÄúQuebre a Caixa, Fure a Bolha‚ÄĚ (clique)

Empreender não se faz dormindo, se faz acordado, e bem acordado. E a tal resiliência pode ser só teimosia disfarçada em uma palavra mais bonita.

Se há uma coisa que o empreendedor deve saber fazer é encerrar ciclos. Sei que é difícil. Cada pedacinho daquela loja tem um valor sentimental. Só nós sabemos o quanto foi difícil colocar o gesso naquele cantinho. Quanto custou aquele ar condicionado. O quanto fomos roubados, processados e mantivemos a cabeça erguida.

Cada vit√≥ria foi uma vit√≥ria pessoal. A cada derrota ‚Äď e foram muitas ‚Äď conseguimos for√ßas e empr√©stimos para recome√ßar. Ent√£o, quando sentimos que o neg√≥cio j√° se esgotou, temos muita resist√™ncia em abandonar o barco. Afinal, o capit√£o deve ficar no leme, n√©? Firme, ser exemplo e acreditar sempre. Balela de quem nunca empreendeu.

J√° contei em outras ocasi√Ķes que fui franqueada de uma grande rede por 15 anos. No in√≠cio, foi √≥timo. Depois bom, depois ruim, depois p√©ssimo, depois quase insuport√°vel. O neg√≥cio mudou? Sim, mudou bastante, mas quem mais mudou fomos n√≥s, os propriet√°rios.

Sempre soubemos que não seria um empreendimento para envelhecer operando. Muitas regras, pouca autonomia e margem apertada fazem com que o empreendedor maduro não queira mais se submeter. Mudou a rede, mas sobretudo mudamos nós. Hora de encerrar a parceria e deixar com que outro novo empreendedor seja feliz e aprenda.

√Č triste, √© um fracasso, foi um tempo desperdi√ßado? N√£o, de forma alguma. Essa √© uma mentalidade muito antiquada, de quando as pessoas desejavam entrar em uma empresa e ali ficar at√© a morte. O mundo n√£o √© mais assim, e as carreiras n√£o s√£o lineares. √Č bom que assim seja.

Leia também: Frédéric Bastiat e a falácia das janela quebrada

A pandemia que vivemos acelerou a reflexão e a tomada de atitudes de vários empreendedores. Vou te contar dois casos próximos.

Um √© meu vizinho de loja. Tem uma papelaria e loja de miudezas e doces h√° 19 anos no mesmo local, pr√≥ximo a uma escola. A escola j√° vinha com muitas greves, paralisa√ß√Ķes, dias sem aulas e, consequentemente, minguando a quantidade de alunos. A gurizada que antes lotava a loja comprando balas, l√°pis e cartolinas foi sumindo. Com a pandemia, desapareceu.

O Elias e sua esposa já tinham percebido, como empreendedores experientes que são, que não valia mais o esforço de trabalhar treze horas por dia. Longe da filha, almoçando marmita, pagando impostos e fornecedores. Depois de muita reflexão, chegou a hora de encerrar o ciclo. Derrota? Nem perto disso.

Transferiram o estoque para a outra papelaria que tinham em um c√īmodo de sua casa, se livraram do aluguel e abriram uma padaria ao lado de casa. Agora est√£o mais pr√≥ximos, mais felizes e com o √Ęnimo renovado para seguir empreendendo. Sem lamenta√ß√Ķes contra governo, contra pre√ßo de aluguel, nada. Simplesmente faz parte da vida do empreendedor a mudan√ßa.

Outra √© uma amiga que tem um est√ļdio de Pilates incr√≠vel aqui na cidade. √Č uma empreendedora muito inteligente e ousada. O est√ļdio √© enorme. Al√©m do neg√≥cio f√≠sico, √© uma influenciadora digital importante na √°rea.

Cen√°rio pandemia, tudo fechado. O que fazer? Chorar, reclamar, ficar nas redes sociais compartilhando centenas de posts? A resposta foi: refletir e antecipar o encerramento do ciclo. Entregar o ponto comercial n√£o com sentimento de derrota.

O cenário fez com que ela enxergasse que em sua casa havia um espaço enorme que poderia ser reformado e ficar até melhor que o anterior. E foi isso que fez. São exemplos simples, de pessoas simples, que vivem desafios diários que todo o empreendedor ou prestador de serviços vive. 

Leia também: Pandemia, consumo e trabalho: a realidade já mudou! E você?

Resili√™ncia √© ‚Äúa propriedade que alguns corpos apresentam de retornar √† forma original ap√≥s terem sido submetidos a uma deforma√ß√£o el√°stica‚ÄĚ. Como n√£o somos materiais, mas sim seres humanos em constante forma√ß√£o, n√£o precisamos ‚Äúvoltar √† forma original‚ÄĚ.

Devemos ser resilientes no sentido figurado. Na capacidade de se adaptar facilmente √†s circunst√Ęncias. S√≥ que se adaptar, √†s vezes, significa fechar as portas e partir para outra.¬†Caro empreendedor, voc√™ est√° pronto?

Foto: Pexels.

O Dinheirama √© o melhor portal de conte√ļdo para voc√™ que precisa aprender finan√ßas, mas nunca teve facilidade com os n√ļmeros.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informa√ß√£o e atesta a apura√ß√£o de todo o conte√ļdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que n√£o faz qualquer tipo de recomenda√ß√£o de investimento, n√£o se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.