Começar a guardar dinheiro: eis o que todo mundo em algum momento da vida passa a querer, mas nem todos conseguem. E não pense que é por conta da quantidade de dinheiro disponível não.

Quantos sortudos, com salários polpudos, se afundam em dívidas porque não conseguem perceber a necessidade real de economizar ao menos uma parte do que recebem? Quantos têm a sorte de receber de relance uma gorda quantia – seja por herança, sorte ou qualquer coisa do tipo – e acabam com tudo em poucos meses?

E, por outro lado, quantos conseguem poupar religiosamente ao menos um pouquinho do salário magro? Guardar dinheiro, lembremos disso, tem menos a ver com a quantidade de dinheiro e mais com a relação que temos com ele. Por isso, quando alguém pergunta como fazer para começar a guardar dinheiro, eu digo para irmos por partes. E chegou a hora de falarmos destas partes!

1. Guardar dinheiro: comece sabendo quanto tem

Para guardar dinheiro, a primeira coisa a fazer é saber exatamente quanto entra na sua conta todos os meses. Se você tiver um salário fixo acaba sendo mais fácil. Se for autônomo e a receita variar, é preciso anotar por alguns meses a média de entrada. Além disso, independente da situação, conhecer exatamente os gastos fixos e variáveis fará toda a diferença.

Não dá para guardar dinheiro sem saber quanto dinheiro sobra. E, se ao fazer as contas, você perceber que não está sobrando, será hora de partir para outras alternativas para começar a guardar. Entre elas: tentar fazer alguns freelas para ganhar um extra, pedir um aumento, cortar gastos inúteis, separar objetos, roupas, acessórios e eletrônicos que você pode trocar ou vender para ganhar um dinheirinho destinado a esta “poupança”.

2. Acabe com as dívidas ou troque as de juros maiores por menores

Não dá para guardar dinheiro estando endividado. Há quem esteja devendo e pagando juros, mas ao mesmo tempo se gaba de ter uma quantia guardada rendendo quase nada da poupança. Faça as contas e perceba que isso não tem sentido. É como estar pagando R$ 1000 em juros por ano e conseguindo guardar R$ 500.

Neste caso, o melhor a fazer é focar em liquidar as dívidas ou, ao menos, trocar as dívidas com juros maiores por alternativas com juros menores. Hoje em dia há uma série de fintechs no mercado oferecendo empréstimos online e já dando na hora os comparativos de juros. Vale a pena pegar um valor a juros menores e liquidar a dívida do cartão de crédito por exemplo.

3. Estabeleça objetivos

Estabelecer objetivos é fundamental para quem quer começar a guardar dinheiro. Se você não sabe o que vai fazer com o dinheiro a ser guardado, provavelmente vai desanimar nas primeiras tentativas de poupar, basta aparecer algo mais interessante no caminho para usar o dim dim. Portanto, faça uma listinha de coisas que ajudarão a animá-lo a seguir no propósito.

4. Pague-se antes

Guardar dinheiro assim que o dinheiro chega na conta é outra estratégia fundamental. Quem deixa para guardar só no fim do mês o que sobra, percebe que não sobra nunca, pois é difícil mesmo deixar o dinheiro lá na conta esperando para ser guardado.

Pague-se antes e faça um favor a si mesmo, assim, se você ganha R$ 3 mil e está guardando R$ 300, por exemplo, terá que aprender a viver com R$ 2.700 para conseguir atingir o que espera em termos financeiros.

5. Não desperdice e mude comportamentos

Não dá para guardar dinheiro sem mudar alguns comportamentos falhos com relação a eles. Este tipo de coisa a gente só aprende se observando muito, e até anotando se necessário. Muita gente vê o dinheiro voar ao longo do mês e nem sabe direito para onde ele foi.

Talvez aquelas coisas feitas na internet, aqueles cafés frequentes no shopping, ou aqueles almoços em restaurantes caros para compensar o estresse no trabalho estejam sendo os vilões desta história.

6. Atenção com detalhes: de grão em grão…

Para guardar dinheiro, comece mesmo que seja com pouco.  Quem consegue guardar R$ 50 por mês já terá no mínimo R$ 600 (sem considerar percentuais de remuneração por investimento feito) no final de um ano. O importante é criar o hábito.

Mesmo que você só consiga guardar moedas, faça então um cofrinho e coloque todas lá. Ao final do mês, abra e veja quanto sobrou. Pronto, pode ser o passo inicial para a sua poupança.

7. É preciso guardar dinheiro com frequência

Começar, mesmo que com pouco, é fundamental porque o mais importante é criar um hábito de guardar dinheiro. Fique atento, portanto, à frequência com que você guarda e investe dinheiro. É melhor colocar R$ 100 todos os meses do que colocar R$ 1000 uma vez só e depois esquecer de guardar.

Neste caso, os juros compostos podem fazer milagres para quem guarda e investe o dim dim.

8. É preciso fazer o dinheiro render

Finalmente, fique atento a onde aplicar o dinheiro. Guardar debaixo do colchão não fará nada por você a não ser aproximá-lo da figura do tio Patinhas. É preciso que o dinheiro guardado renda ou ao menos te ajude a escapar da inflação.

Para isso há muitas alternativas no mercado que vão além da conhecida poupança. E o melhor, muitas deles têm liquidez diária, ou seja, se você precisar do dinheiro, poderá tirar sem prejuízo. Vamos falar melhor sobre isso nos próximos textos!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários