Imposto de Renda: principais erros na hora de declarar

Imposto de Renda: principais erros na hora de declarar

Separamos e organizamos os principais erros de quem entrega a declaração de imposto de renda. Fique de olho e evite erros.

Os primeiros meses de todo ano são marcados pela ressaca financeira em relação à passagem de ano, mas também por mais despesas e impostos (IPVA, IPTU e etc.) e pela preocupação com a declaração do Imposto de Renda (IR).

Até abril, todo brasileiro que se enquadra nas regras da Receita Federal para declaração do IR precisa baixar o software da Receita, preencher seus dados financeiros relativos ao ano anterior e enviar tudo online.

 Ao realizar este processo, seja por inexperiência, desconhecimento ou falta de atenção, muitos brasileiros acabam errando na prestação de contas. Os principais erros na hora de declarar o Imposto de Renda foram aqui reunidos para ajudar você neste momento delicado do ano.

Porquinho Digital: Você guarda e seu dinheiro rende mais que a poupança (Conta Grátis)

Digitação incorreta

A digitação costuma ser um dos erros mais cometidos, geralmente por desatenção. Confira com calma os nomes e valores, pois pode ser que na hora de digitar um valor faltem os centavos ou a vírgula não esteja exatamente no número que deveria. Por exemplo, se você digitar R$ 3.325.53, usando o ponto em vez da vírgula, o sistema vai entender R$ 332.553,00.

Omitir (esquecer) rendimentos

Atenção para não se esquecer de nada, como por exemplo não declarar todos os rendimentos tributáveis recebidos: salários, pró-labore, proventos de aposentadoria, aluguéis, resgate de PGBL e por aí vai.

Outro erro aqui acontece quando você não declara o rendimento tributável recebido pelo outro cônjuge, quando a opção for pela declaração conjunta, ou de dependentes incluídos para efeitos de dedução na declaração.

Ainda neste item, você deve declarar o somatório do Imposto de Renda Retido na Fonte considerando também o 13º salário. Todo e qualquer pagamento com Imposto de Renda Retido na Fonte precisa estar somado também dos rendimentos tributáveis.

Ouça: DinheiramaCast: Controle financeiro: Planinha vs Apps

Não declarar renda de aluguel

O aluguel é um rendimento tributável e muitos brasileiros simplesmente não colocam esses ganhos em suas declarações, o que pode causar problemas se o inquilino fizer corretamente sua declaração – ele usa a ficha “Pagamentos Efetuados” para informar quanto paga de aluguel. Portanto, se você é proprietário de imóveis alugados, declare sempre o aluguel recebido.

Erro na declaração de dependentes

Se você tem dependentes com renda, mas não informa seus ganhos, isso pode gerar problemas com a Receita. Se o seu filho faz estágio ou seu pai recebe aposentadoria, por exemplo, seus rendimentos precisam ser informados.

Declarar despesas com planos de saúde de dependentes não relacionados na declaração do IR também é errado. Ah, atenção também para o erro de incluir dependentes fora da lista permitida pela Receita Federal.

Leia também: Valor Líquido x Valor Bruto: qual a diferença?

Preencher em lugar errado na Declaração

Confundir o lugar em que certas informações devem ser preenchidas é comum. Alguns erros frequentes são:

  • Declarar prêmios de loterias e de planos de capitalização na ficha “Rendimentos Tributáveis”, o que está errado. Eles devem ser declarados na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”;
  • Declarar planos de previdência complementar tipo VGBL como dedutíveis, quando a legislação só permite dedução de planos de previdência complementar tipo PGBL (limitadas a 12% do rendimento tributável);
  • Declarar Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva, como Rendimentos Tributáveis, como por exemplo o 13º salário.

Confusão na declaração de doações

Muitos brasileiros declaram doações a entidades assistenciais de diferentes naturezas, quando a legislação só permite doações efetuadas diretamente aos fundos controlados pelos Conselhos Municipais, Estaduais e Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. O limite é de até 6% do imposto devido – ou de 3% para quem opta pelo pagamento no próprio ano da dedução.

Leia também: Cheque especial: o dinheiro é do banco, a dívida é sua

Não informar a renda da aposentadoria

O aposentado que não declarar sua renda proveniente da Previdência Social pode cair na malha fina. O INSS informa para a Receita todas os detalhes de pagamento de seus beneficiários.

Não declarar ganhos ou perdas de capital

Se você vendeu bens e direitos e obteve lucro ou prejuízo, essas informações precisam ser informadas para a Receita Federal. Compra e venda de carro e imóveis, por exemplo, muitas vezes são ignoradas pelo contribuinte na hora do preenchimento. Caso a Receita entenda que houve uma mudança incompatível no seu patrimônio, ela pode chamá-lo para explicações.

Porquinho Digital: Você guarda e seu dinheiro rende mais que a poupança (Conta Grátis)

Não declarar movimentação na bolsa de valores

Segundo as regras vigentes da Receita Federal, todo brasileiro que comprar e vender ações e outros tipos de ativos mobiliários deve obrigatoriamente declarar tais negociações e informá-las à Receita Federal.

Outro erro aqui é pagar imposto não devido ou calcular errado o imposto a ser pago. A venda de até R$ 20 mil em um mês é isenta de Imposto de Renda, mas valores a partir disso devem ter seu imposto recolhido no mês subsequente ao da operação, via DARF específico. Prejuízos podem ser compensados, portanto é fundamental manter todo o registro de suas operações.

Despesas médicas

O principal erro neste item é o preenchimento de despesas médicas sem comprovação. Caso a Receita entenda que você está exagerando ou as informações cruzadas mostrem que você “abusou” nas despesas médicas, ela poderá chamá-lo para mostrar os comprovantes, recibos e etc.

Assim, você deve guardar todos os recibos e comprovantes por até cinco anos a partir da entrega da declaração. Lembre-se também que vacinas e remédios não podem ser deduzidos. Se você recebeu reembolso por alguma despesa médica, o jeito certo de apontar isso é através da ficha “Parcela não dedutível/valor reembolsado”.

Leia também: Dizer não e priorizar a si mesmo pode gerar mais ganhos do que você pensa

O que fazer se você errou?

Se você errou, o procedimento certo é e realizar uma declaração retificadora o quanto antes, especialmente se você percebeu o erro logo depois de enviar a declaração principal. Assim, você evita cair na malha fina. A retificadora pode ser feita em até 5 anos.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Vídeos gratuitos sobre educação financeira TV Dinheirama

Aprenda de forma simples e interativa, alguns assuntos que irão fazer toda a diferença no dia a dia na sua relação com o dinheiro. Investimentos, finanças comportamentais, empreendedorismo, liderança, dicas práticas e muito mais. Clique no botão abaixo, assista e assine o canal gratuitamente para receber os novos videos diretamente no seu e-mail.

Assista grátis Ok