Costumo escrever por aqui que guardar dinheiro também requer propósito. Ninguém faz isso se não tiver planos e metas. Ou melhor, pode até começar a juntar, mas à menor tentação ao longo do caminho, já terá se desviado dele.

Minha mãe conta que, quando era criança, ela queria uma irmã. Como minha avó dizia que para isso era preciso dinheiro, afinal, “crianças dão gasto”, ela começou a juntar moedas em um cofrinho. Grande propósito, não?

Outro dia, o Vitor, o filho muito querido de uma amiga minha, começou a fazer pulseirinhas para vender. Cada dinheiro ganho com a venda das pulseiras era guardado com gosto. O objetivo do Vitor? Ficar milionário.

Mas antes disso, ele também disse que daria uma boneca para a Júlia, sua irmã, e outra para a Mari, sua prima. O propósito do Vitor, portanto, havia sido traçado! E o seu? Para quê você pretender guardar dinheiro?

Leia também: Ganhar Mais: O que Fazer para se Tornar Referência e Enriquecer

Você tem dinheiro para uma emergência?

Recentemente vi alguns dados assustadores. Você sabia que 90% dos brasileiros não têm R$ 1.500,00 aplicados para cobrir situações de emergência se necessário?

Não é triste imaginar que ao menor sinal de necessidade, estas pessoas todas terão que fazer empréstimos, vender objetos ou se virar de uma hora para a outra para conseguir um extra?

E, se pensarmos direitinho, guardar dinheiro pode ser algo tão simples, iniciado com tão pouco! “Ah, mas eu não tenho dinheiro para guardar.”

Faça as contas!

Saiba que se você guardar R$ 10 por semana já serão R$ 520,00 por ano. Se dobrar para R$ 20, 00, o valor guardado sobe para R$ 1.040 por ano. E se conseguir juntar R$ 30,00 por semana, pronto, já serão pelo menos R$ 1.560,00 guardados ao final de 12 meses.

E você incrivelmente já fará parte dos 10% da população que tem esta quantia guardada para usar em caso de necessidade. Não parece inacreditável pensar assim?

Como definir um propósito para juntar dinheiro?

Definir um propósito requer autoconhecimento. O primeiro, se considerado o que avaliamos em educação financeira, é de fato a formação de uma reserva de emergência.

Os que vêm depois, bem, dependem de cada um e podem variar muito. Para guardar dinheiro com frequência – mesmo que num mês sobre mais e no outro falte, é preciso que você saiba o que pretende fazer com ele no fim das contas.

Vamos a alguns pontos importantes que você deve considerar quando pensar em propósitos financeiros:

Esteja claro com relação ao que quer alcançar

Pense de forma clara e realista. O dinheiro que você pretende guardar hoje terá que tipo de serventia? Comece definindo onde quer chegar. Por exemplo, se em um ano você pretende conseguir R$ 5.000,00 para fazer uma boa viagem nas férias, quanto precisa começar a poupar agora para que isso seja possível? Se você quer ficar rico e viver de renda em 30 anos, quanto precisa começar a guardar e investir?

Assista: CURSO: RECEBI, INVESTI (POUCAS VAGAS)

Estabeleça metas reais

Vá por partes. Não adianta achar que vai conseguir guardar tudo que entra e deixar de viver porque no médio prazo isso tende a não funcionar direito mais, por isso, estipule metas reais. Se você gostaria de guardar R$ 2000,00, mas para isso terá que deixar de lado todos os pequenos prazeres que precisam de dinheiro, então dê um prazo atrás e estique o prazo para conseguir esta quantia. A não ser que a prioridade seja realmente guardar, mesmo que com sacrifício.

Não queira conseguir tudo ao mesmo tempo

Qual a sua lista de prioridades relacionada ao dinheiro que pretende guardar? Reformar a casa, comprar um carro e renovar o guarda-roupas ao mesmo tempo dificilmente vai funcionar. Priorize. Você pode, por exemplo, definir o que servirá para o curto prazo e também o que servirá para o longo.

Use uma ferramenta que ajude a ver o dinheiro crescendo

Já ouviu falar naquela frase “O olho do dono engorda o gado?” Poderíamos adaptá-la um pouquinho para que sirva também para quem está começando a guardar dinheiro. Pode ser que no começo seja um pouco mais difícil e você até duvide que valerá a pena. Mas conforme for vendo o dinheiro crescendo, acredite, será cada vez mais legal guardar. Para isso, que tal usar algum aplicativo que o ajude a enxergar rapidamente o que anda acontecendo com suas economias? Certamente deve ajudar a manter o foco!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários