Home Economia e Política Seguro desemprego 2022 sobe 10,16% [Solicitar pela web]

Seguro desemprego 2022 sobe 10,16% [Solicitar pela web]

por Redação Dinheirama
0 comentário

O seguro desemprego 2022 foi reajustado em 10,16%, de acordo com o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). Assim, o trabalhador com carteira assinada demitido sem justa causa, receberá o valor máximo de R$2.106,08.

Só para exemplificar, em novembro de 2021, quase 1,5 milhão de trabalhadores com carteira assinada foram demitidos. Esse dado é do Ministério do Trabalho e Previdência, de acordo com as Estatísticas Mensais do Emprego Formal (Novo Caged).

Por outro lado, o piso deste benefício segue o salário mínimo. Ou seja, subiu para R$1.212 no início deste ano. Esses valores do seguro desemprego já estão valendo para quem tem saque desde o dia 11 de janeiro.

A saber, o cálculo das parcelas utiliza a média das últimas 3 remunerações antes da demissão.

Entretanto, se você quer saber mais sobre quem tem direito ao benefício e como consultar, agendar ou solicitar, confira o conteúdo abaixo.

Seguro desemprego web

Em resumo, ele é um benefício dos trabalhadores da CLT. Em outras palavras, para quem tem carteira de trabalho assinada. Dessa forma, ele serve como uma assistência financeira temporária para quem foi demitido sem justa causa.

Atualmente, de acordo com o Ministério do Trabalho, existem cinco modalidades para pagamento do seguro desemprego:

  • Formal;
  • Pescador Artesanal;
  • Bolsa de Qualificação Profissional;
  • Empregado Doméstico; e 
  • Trabalhador Resgatado.

O pagamento do benefício acontece de três a cinco parcelas, a depender de dois fatores. Em primeiro lugar, do número de meses trabalhados. Em segundo lugar, quantas vezes o trabalhador pediu o seguro.

Aplicativo para solicitar o seguro desemprego

O melhor aplicativo para solicitar, acompanhar e conferir o seguro é, sem dúvida, o app Carteira de Trabalho Digital. Aliás, ele está disponível gratuitamente nas melhores lojas de aplicativos:

Quem tem direito ao seguro desemprego?

Têm direito ao seguro desemprego os trabalhadores contratados pelo regime da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Ou seja, que possuem carteira de trabalho assinada e que foram demitidos sem justa causa.

No entanto, o benefício é suspenso se o trabalhador tiver outro vínculo empregatício. Além disso, o pagamento também será interrompido se o trabalhador começar a receber algum benefício de prestação continuada da Previdência Social.

De fato, enquanto estiver recebendo o seguro desemprego, o trabalhador não pode receber qualquer outro tipo de renda.

Mas a partir de quanto tempo o trabalhador pode solicitar o valor? A saber, é preciso fazer o pedido entre o 7º e o 120º dia da demissão, para os trabalhadores formais. No entanto, os empregados domésticos possuem o prazo entre 7º e o 90º dia para dar entrada no seguro desemprego.

Como e onde solicitar o seguro desemprego?

Assim que ocorre a demissão, o trabalhador recebe um documento com o número do Requerimento do seguro desemprego.

Para que possa dar entrada no pedido de seguro desemprego, o trabalhador pode utilizar os seguintes canais:

Valor do seguro desemprego 2022

Confira abaixo o valor das parcelas do seguro desemprego em 2022.

Salário médioValor da parcela do seguro desemprego
Até R$ 1.858,1780% do salário médio ou salário mínimo (o que for maior)
De R$ 1.858,18 até R$ 3.097,2650% sobre o que ultrapassar R$ 1.858,17, mais valor fixo de R$ 1.486,53
Acima de R$ 3.097,26parcela fixa de R$ 2.106,08
Fonte: Ministério do Trabalho e Emprego

Regras do benefício

Para que o trabalhador tenha direito ao benefício, ele precisa comprovar que recebeu salários de uma empresa da seguinte forma:

1ª solicitação

Neste caso, é necessário ter recebido, pelo menos, 12 pagamentos nos 18 meses imediatamente anteriores à demissão.

2ª solicitação

Por outro lado, nessa situação é preciso ter recebido, pelo menos, 9 pagamentos nos 12 meses imediatamente anteriores à demissão.

A partir da 3ª solicitação

Por fim, nesse cenário, você deve ter recebido, pelo menos, 6 pagamentos nos meses imediatamente anteriores à demissão.

Quantas parcelas eu vou receber?

Conforme dissemos acima, a quantidade de parcelas do seguro desemprego depende de dois fatores.

  • Quantidade de meses trabalhados;
  • Quantidade de solicitações ao benefício.

1ª solicitação

  • 4 parcelas: para quem trabalhou entre 12 e 23 meses nos últimos 36 meses;
  • 5 parcelas: para quem trabalhou 24 meses ou mais nos últimos 36 meses;

2ª solicitação

  • 3 parcelas: para quem trabalhou entre 9 e 11 meses nos últimos 36 meses;
  • 4 parcelas: para quem trabalhou entre 12 e 23 meses nos últimos 36 meses;
  • 5 parcelas: para quem trabalhou 24 meses ou mais nos últimos 36 meses;

A partir da 3ª solicitação

  • 3 parcelas: para quem trabalhou entre 6 e 11 meses nos últimos 36 meses;
  • 4 parcelas: para quem trabalhou entre 12 e 23 meses nos últimos 36 meses;
  • 5 parcelas: para quem trabalhou 24 meses ou mais nos últimos 36 meses;

Consulta ao seguro desemprego

A forma mais simples de consultar se você tem direito ao benefício é, certamente, por meio do aplicativo da Carteira de Trabalho Digital.

No entanto, se você quer consultar a liberação da parcela, saiba que ela ocorre sempre 30 dias depois da requisição. Ou ainda 30 dias do saque da última parcela.

Neste caso, é possível acompanhar o pagamento por meio do mesmo aplicativo ou pelo app Caixa Trabalhador. 

Além disso, quem não indicar uma conta no requerimento do benefício e não tiver conta poupança na Caixa, recebe o valor pelo app Caixa Tem.

Conclusão

Agora que você já sabe como consultar e solicitar o seguro desemprego pela web, que tal aprender como consultar PIS pelo CPF? Acesse o conteúdo que a redação do Dinheirama preparou para você.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.