25 ago Ações e Derivativos

Análise Fundamentalista básica: os índices de liquidez de uma empresa

Entenda os índices de liquidez propostos pela Análise Fundamentalista. A capacidade e o nível de endividamento de uma empresa são importantes indícios de sua gestão e sucesso.

por Pablo Santos
há 4 anos

Análise Fundamentalista básica: os indices de liquidez de uma empresaAs teorias de análise fundamentalista vão sempre começar com uma boa aplicação de conceitos de contabilidade e finanças tradicionais. Falando de contabilidade, iniciaremos um breve resumo sobre os índices de balanço, também conhecidos como índices financeiros, que são calculados com variáveis do próprio balanço patrimonial da empresa publicado de acordo com as regras de contabilidade vigentes e sob supervisão da CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

São parâmetros que servem para dar uma idéia melhor de como avaliar os números daquele negócio, mas que, sozinhos, não representam muita coisa. Vamos começar analisando a liquidez da empresa, que é a capacidade de pagamento das dívidas de curto ou longo prazo. Também é chamada de solvência. Para citar os principais indicadores de liquidez recorro ao excelente livro “Valuation: Como Precificar Ações” (Ed. Globo), do economista Alexandre Póvoa:

Liquidez Corrente (LC)
Cálculo: Ativo Circulante / Passivo Circulante
Este índice nos dá uma idéia de como está liquidez de curto prazo da empresa, já que as rubricas de Circulante do Balanço Patrimonial contabilizam ativos/passivos com prazo de até 12 meses. Logo, se a empresa contabilizou receber o valor de $ 5 milhões em até 12 meses e deverá pagar $ 1 milhão no mesmo período, a LC será 5 mi / 1 mi = 5. É uma capacidade 5 vezes maior de pagamento do que a de adquirir dívidas de curto prazo.

Liquidez Seca (LS)
Cálculo: (Ativo Circulante – Estoques) / Passivo Circulante
Este índice é parecido com o anterior, mas exclui os estoques da conta, provavelmente supondo que eles não serão liquidados tão facilmente numa suposta situação de exigência. É um índice mais rigoroso. No nosso exemplo anterior, supondo-se que dos $ 5 milhões de ativo circulante, $ 4 milhões sejam de estoque, o nosso índice LS seria (5 mi – 4 mi) / 1 mi = 1. Num primeiro momento pode ser desanimador uma queda tão drástica, mas tudo é questão de uma boa análise e também da gestão financeira da empresa.

Liquidez Geral (LG)
Cálculo: (Ativo Circulante + Ativo Realizável LP) / (Passivo Circulante + Passivo Exigível LP)
Este índice relaciona as capacidades de curto prazo e Longo Prazo (LP) da empresa. As rubricas de Longo Prazo de um balanço patrimonial contêm itens de prazos superiores aos 12 meses. Portanto, ao apresentar um índice abaixo de 1, a empresa, em teoria, não teria condições de arcar com suas obrigações, levando-se em consideração ambos os prazos, curto e longo.

Entretanto, sabemos que com uma boa gestão e previsão do capital de giro, a empresa vai liquidando suas obrigações de curto prazo e, possivelmente e se necessário, renegociando os pagamentos de longo prazo que não vai conseguir cumprir.

A pergunta sempre muito comum é: qual é o índice ideal de liquidez de um negócio? As literaturas antigas dizem que o ideal é acima de 1, pois, assim, existiria “folga” ou capacidade de pagamento, mas isso não é necessariamente obrigatório. Vai depender muito do negócio, que pode gerar/exigir um volume de caixa maior do que as obrigações correntes. Também vai depender do segmento de atuação da empresa, dos níveis de estoque exigidos e das políticas da empresa, bem como de sua gestão.

O livro “Valuation: Como Precificar Ações” (Ed. Globo), de Alexandre Póvoa, é uma referência bastante acessível para a maioria dos interessados em começar a investir observando e analisando fundamentos e indicadores financeiros. Com linguagem mais acessível e muitos exemplos, é leitura essencial na biblioteca do investidor interessado em value investing. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • http://www.vidaboainvestimentos.blogspot.com Vida Boa Investimentos

    Voce gosta da maneira como o Warren Buffett precifica as empresas?? Ou seja, descontando o Fluxo de Caixa ao valor presente? Se sim, qual a taxa de desconto voce considera ideal? Abraços

  • http://leituraenegocios.blogspot.com Pablo Santos

    Olá Vida Boa,
    gosto sim da maneira de Warren Buffett. Faço aqui um convite à leitura dos meus outros artigos no Dinheirama!
    E sobre a taxa de desconto ideal: indico também a leitura do livro citado neste artigo (Valuation – Alexandre Póvoa), pois é um assunto muito intrigante para mim. Mas, falando por cima, depende de muitas variáveis e deve ser diferente em cada empresa, e até mesmo em cada análise feita para essa empresa, ou seja, ano após ano. Depende do estágio de maturidade do negócio, do custo de capital próprio e de terceiros, da expectativa de crescimento e de indicadores macroeconômicos.

    Abraço e, havendo mais dúvidas, pode perguntar!

  • Pingback: Análise Fundamentalista básica: os indices de liquidez de uma … | Conteúdo Original

  • http://profile.yahoo.com/7YFDMJU7A7Y3PUDT6B2ER3AALA Gabriel Rodrigues

    Bacana o artigo, parabéns! Foi de valia.