A dúvida que persiste é de quando conseguiremos enxergar a tal luz no fim do túnel. Por enquanto, apesar das declarações oficiais de membros do governo, seguimos tateando no escuro sem encontrar saídas confiáveis.

A equipe econômica de Henrique Meirelles e o próprio ministro foram cooptados a participar do governo seguindo um projeto de ajuste da economia e elaboração de reformas importantes para fazer o país retornar ao rumo correto, se é que algum dia trilhamos isso (talvez no governo de FHC e uma parte do primeiro mandato de Lula). Porém, a equipe econômica foi atropelada pelo lado político caótico, onde boa parcela do Congresso seguiu no fisiologismo tentando se safar dos envolvimentos com a operação Lava Jato e seus filhotes. Caímos assim.

Temer nas mãos do Centrão

Já o presidente Michel Temer viu sua popularidade despencar a níveis históricos singulares e seu governo com as piores notas. Como se não bastasse isso, ainda foi pego em atitude no mínimo duvidosa no episódio de Joesley Batista da JBS e, para evitar que a denúncia da PGR seguisse seu curso até o STF teve que abrir o “saco de bondades” para compra de votos de parlamentares.

A denúncia foi efetivamente rejeitada, mas o presidente não “ganhou a guerra”. Seguiu ainda mais refém de parlamentares do grupo dito “centrão”, que agora querem que Temer puna os infiéis, exatamente para que sobrem cargos de ministros e do segundo escalão.

A conclusão óbvia é que seguirá tendo que manter o saco de bondades aberto e com custos cada vez mais elevados. A pergunta que cabe é se é dentro desse ambiente, é possível esperar que as reformas sejam feitas?

A disputa atual está focada entre membros da equipe econômica que relutam em mexer na meta em R$ 20 bilhões (tirando de um déficit de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões) e a postura dos políticos do núcleo duro do presidente que querem até mais, e o pior, que seria elevar ainda mais o déficit de 2018.

O presidente precisa aquinhoar políticos e isso certamente custa caro. Ocorre que a mudança de meta para pior traz como efeito direto o downgrade em nossa classificação de risco pelas principais agências de rating. Espanta investidores estrangeiros e reduz a perspectivas de atração de receitas extraordinárias que viriam de concessões e privatizações. Outro efeito nada desprezível seria a elevação da dívida pública, agregando novos riscos para a economia e avaliação externa.

Equipe econômica desconfortável

Aparentemente a correção de rumo da economia está indo para o espaço e isso tem deixado a equipe econômica que vinha colocando suas impressões digitas no programa absolutamente desconfortável. Defecções agora na equipe seria o que de pior poderia acontecer, quando o governo perderia definitivamente qualquer condição de governabilidade.

Partindo do princípio de que isso não irá acontecer, ficarão restando as reformas. A da Previdência é a mais crucial de todas. Sem ela não há salvação, dados os valores envolvidos. Mas, existem outras importantes, como a Tributária para agregar mais produtividade e competitividade e, a Política, para tentar mudar o perfil de nossos políticos do qual a sociedade está farta.

Há ainda situações emergenciais como a aprovação do novo Refis (não nas bases propostas pelo relator da Comissão) e a TLP que parecia simples, mas virou outro cavalo de batalha. Sem isso, ainda que emagrecidas, não chegaremos a nenhum lugar.

Se conseguirmos minimamente produzir mudanças nesses itens, os agentes econômicos podem mudar de postura e deflagrar um início de recuperação. Os mercados de renda variável poderão dar respostas ainda mais rápidas.

Ficamos com a Clarice Lispector: “enquanto não acontece, eu fico imaginando”.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Amália torres

    Como disse Aluísio Nunes no governo Dilma ” quanto pior melhor , vamos sangrar o país,parar tudo.”