Quem nos acompanha com regularidade vai se lembrar que mantemos otimismo com o desempenho dos mercados de risco faz algum tempo, praticamente desde junho e quando o Ibovespa estava na casa dos 60.000 pontos.

Isso coincide com a melhora de diversos indicadores de conjuntura que já mostram recuperação pelos últimos quatro ou cinco meses. Com relação à inflação o quadro foi ainda melhor, em queda desde mais de 10%, até chegar na projeção de 12 meses em 2,5%.

Curiosamente será a primeira vez em muitos anos que o Bacen (Banco Central) terá que mandar carta para o ministério da Fazenda justificando inflação menor que a meta projetada. Nos últimos anos, o Bacen teve que explicar estouro da meta por diferentes razões, mas a principal foi pela inação com políticas econômicas erradas do governo Dilma.

A recuperação econômica Global

Isso posto e considerando também a recuperação econômica global, os mercados de risco melhoraram desempenho, ao ponto de diferentes bolsas mostrarem forte expansão. Nos EUA os principais índices (Dow Jones, Nasdaq e S&P) estão batendo recordes históricos quase que diariamente.

Em outras bolsas da Ásia e Europa temos patamares de índices que não ocorriam por alguns anos. Agora mesmo a bolsa de Tóquio cravou seu melhor momento desde 2015.

Com taxas de juros muito baixas e em vários casos negativas, já projetávamos movimento de migração de recursos da renda fixa para a variável praticamente desde o primeiro trimestre do ano, mas só ficamos mais otimistas quando a economia começou a demonstrar sinais mais consistentes.

As reformas são fundamentais

Agora esse quadro ficou completamente delineado, mas exige que o país continue a perseguir reformas estruturais, especialmente a da Previdência e Tributária. Somente assim conseguiremos manter acessa a chama de mercado captais fortalecido e ajudando no processo de capitalização de empresas.

A Anbima divulgou recentemente que o volume de emissão realizada por empresas brasileiras até o mês de setembro somou R$ 176,3 bilhões, com aumento de 32% sobre igual período do ano anterior. As emissões de ações nos nove meses de 2017 alcançam R$ 86, 3 bilhões e nesse mês de outubro tivemos mais duas operações (Eneva e Rumo Logística). O melhor de tudo é que essas operações estão vindo mesmo para mercado, com os investidores institucionais subscrevendo 65,7% do total.

Debêntures, oportunidades para o investidor

Pois bem, daqui para o próximo ano esse movimento tende a ser ampliado, principalmente quando consideradas as debêntures de infraestrutura que não possuem tributação sobre os ganhos auferidos, que os investidores tanto gostam e que produzem bons retornos para aplicações de menor risco.

Também citamos que a captação por fundos de investimento até setembro ficou em R$ 221 bilhões, contra R$ 83 bilhões em igual período de 2016 (+166%), sendo que somente no terceiro trimestre foram captados R$ 90,1 bilhões.

Tudo isso é fluxo carreado para o mercado e que vai pressionar o sistema de precificação de ativos. Como ainda não temos indústria de IPOs e franca atividade, os mercados sobem e recordes são superados.

2018 um ano onde as eleições estarão em destaque

No entanto, haverá um momento em que os fluxos para mercados de risco e lançamentos ficará mais equilibrado, e aí sim será fundamental que a economia esteve funcionando com maior desenvoltura para dar sustentabilidade para patamares mais elevados de preços.

É por isso que repetimos que é fundamental perseguir reformas de todo ordem, mesmo considerando que o ano de 2018 será complicado e muito afetado por eleições gerais. Além das reformas tão necessárias será importante irmos conhecendo os candidatos que disputarão eventual segundo turno e qual o comprometimento deles com a continuidade de reformas mais profundas e rápidas.

Nossa torcida é para que tudo se desenvolva sem grandes estresses. Mas enquanto isso nossos amigos podem encontrar boas informações e orientações em nosso site (www.modalmais.com.br) e com nossos profissionais.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários