Cadastro positivo: juros menores para os bons pagadoresSe você contrai um empréstimo ou financiamento e não honra as parcelas, algo óbvio acontece: seu nome vai parar no chamado cadastro negativo, ao lado de inúmeros outros devedores. A partir daí, financiar-se novamente e contrair novas dívidas fica mais complicado. E se você sustenta um financiamento sem atrasos, honrando as parcelas com disciplina, o que acontece? Nada. Essa realidade pode mudar.

O Senado aprovou, no dia 1º de dezembro deste ano (2010), um projeto de lei – 263/2004 – que cria o cadastro positivo, um banco de dados que reunirá financiamentos feitos nos últimos anos que não tenham registro de parcelas em atraso. Um conjunto de nomes de bons pagadores inteiramente à disposição das instituições financeiras e bancos. Para que o projeto avance ainda falta a sanção do presidente Lula.

Medidas semelhantes já existem em todos os países do G20, grupo das vinte maiores economias[bb] do mundo. Mesmo Rússia, Índica e China, economias emergentes que ao lado do Brasil compõem o chamado Bric, já adotam o cadastro positivo. Antes tarde do que nunca.

Pagar em dia significará pagar menos?
Parece razoável pensar que os empréstimos para os bons pagadores passarão por revisão nos juros e valores. Os registros de pagamento dos clientes serão também explorados na hora da compra. Nos EUA, as pessoas físicas e as empresas têm uma espécie de nota de crédito que determina descontos, juros e características do empréstimo. É o chamado Credit Score. Bons pagadores pagam menos e têm mais prazo.

É o clássico trade-off nas finanças do crédito: com histórico positivo (uma espécie de garantia), o perfil do consumidor se altera e as chances de o banco receber aumentam muito. Inadimplência baixa significa custos operacionais mais baixos. Com menos risco[bb] atrelado ao empréstimo, a instituição cobra menos. Ganha menos (ainda vai ser muito), mas quase não vê inadimplência.

A medida é interessante, mas ainda carece de esclarecimentos:

  • Como ficará a regulamentação? O projeto não tem uma data específica para entrar em vigor e ainda não detalha questões de privacidade relacionadas às informações dos consumidores.
  • Que tipos de empresas poderão fornecer dados para compor a análise de crédito? Setor imobiliário, serviços financeiros, varejo, quais serão as bases para o banco de dados do cadastro positivo?
  • Bons pagadores de serviços básicos (água, luz, gás etc.), mas que nunca fizeram empréstimos, terão seus dados anexados ao cadastro positivo? Como?
  • Como fica o Código de Defesa do Consumidor (CDC) se aprovado o projeto de lei do cadastro de bons pagadores? O cadastro positivo faria parte do CDC[bb], como prevê a lei, mas não com detalhes de sua regulamentação e direitos do consumidor?

As informações oferecidas até agora não respondem em detalhes às perguntas acima. O Senado optou pelo projeto de lei simplificado, que não trata da regulamentação. O projeto mais completo havia sido aprovado pela Câmara, mas está parado.

O cadastro positivo agitaria o mercado de crédito
De maneira geral, o cadastro positivo é uma medida importante para economias em crescimento. Diferenciar bons e maus pagadores significa interpretar melhor os riscos nas operações, área das mais dispendiosas nas instituições financeiras. No bom português: bons pagadores deixarão de pagar a carga gerada pelos maus pagadores. Porque em finanças não há “almoço grátis”: quem paga, paga por quem não paga.

Outro ponto a considerar é o dinamismo que passa a existir quando se confrontam dois bancos de dados tão diferentes. Quem não paga versus quem paga. O grupo que tem melhores condições de compra e portas abertas para realizar seus negócios tende a valorizar essa posição. Assim, tende a se endividar com cuidado, sempre considerando suas reais possibilidades de pagar. O outro grupo tende a querer migrar, melhorar, passar para o outro grupo.

Em um país com juros ao consumidor[bb] ainda tão altos, a medida é bem-vinda. Chegou tarde, mas em tempo para aliar-se ao crescimento econômico merecido a que temos direito. No entanto, consumidor, sociedade, empresários e órgãos de defesa do consumidor ainda precisam compreender melhor como se dará o funcionamento do cadastro positivo a ser sancionado. Estou de olho. Qualquer novidade, volto a escrever sobre o tema.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários