A taxa de desemprego do país continua subindo, atingindo 10,9% no primeiro trimestre deste ano segundo números divulgados na manhã desta sexta-feira (29) pelo IBGE. É a maior taxa já registrada pela chamada Pnad Contínua, pesquisa de desemprego lançada no primeiro trimestre de 2012.

Houve aumento em relação à última verificação, no trimestre móvel encerrado em fevereiro, quando o desemprego atingiu 10,2%.

O número absoluto de desocupados —pessoas sem emprego, mas que buscam colocação— encerrou o primeiro trimestre deste ano em 11,089 milhões, alta representativa de 22% em relação ao último trimestre de 2015.

Isso significa que, na passagem do último trimestre do ano passado até agora, mais de 2 milhões de pessoas que não buscavam trabalho antes, começaram a buscar uma colocação no mercado de trabalho.

Inadimplência no mercado de crédito bate recorde

A inadimplência no Brasil teve novo avanço em março no segmento de recursos livres, a 5,6%, batendo o recorde da série histórica do Banco Central iniciada em 2011, em meio à crise econômica e política do país.

Em fevereiro, a taxa havia ficado em 5,5%. Recentemente, a autoridade monetária havia informado que o aumento dos calotes neste ano traria consequências para o balanço dos bancos, com aumento das provisões e achatamento de margens, cenário que deverá afetar especialmente as instituições públicas.

Cunha recebeu 52 milhões em propina diz delator

Na negociação para uma delação premiada, o ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal, Fábio Cleto, afirmou existir pagamentos de propina a seu padrinho político, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB).

Cunha teria cobrado R$ 52 milhões de propina em troca da liberação de verbas do fundo de investimentos do FGTS para o projeto do Porto Maravilha. A PGR investigava uma possível ligação de Cleto com o esquema, quando ele entrou em contato em busca da delação.

Temer define equipe e chama José Serra

Dentro das negociações para formação de um novo provável governo, o vice-presidente Michel Temer definiu a base de sua equipe econômica, que terá o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles no comando do ministério da Fazenda, o senador Romero Jucá no Planejamento, o ex-ministro Moreira Franco na secretaria de Infraestrutura e com o senador José Serra (PSDB) como ministro das Relações Exteriores.

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a missão do quarteto seria reerguer a economia, que caminha para mais um ano de crise. Serra terá como meta fortalecer as exportações, por meio de acordos comerciais com os principais mercados do mundo. A avaliação na equipe de Temer é de que a política externa das administrações Lula-Dilma foi equivocada, por priorizar os países emergentes.

Mercado Financeiro

Cada vez mais consolidado, o afastamento da Presidente Dilma Rousseff, continua sendo monitorada com atenção pelo mercado financeiro. Hoje (29), a defesa da presidente programou no senado o depoimento de ministros que trarão a visão de que as pedaladas fiscais não representam crime de responsabilidade.

O Ibovespa, às 11h57 operava em alta de +0,25% com 54.447 pontos, enquanto o dólar apresenta desvalorização de -1,19% sendo negociado por R$ 3,46.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários