Home Investimentos IBOV: conheça tudo sobre o Ibovespa

IBOV: conheça tudo sobre o Ibovespa

por Conrado Navarro
0 comentário

É provável que você tenha visto a sigla IBOV em algum lugar, certo? Ela significa Ibovespa, em outras palavras é um indicador do desempenho da Bolsa de Valores brasileira.

Em resumo, ele avalia o desempenho médio das cotações dos ativos de maior negociabilidade e representatividade do mercado de ações brasileiro.

Em outras palavras, o Ibovespa representa o movimento do mercado de ações brasileiro. Por isso, é a principal referência para avaliar sua performance.

O que é o Ibovespa?

A saber, o Ibovespa é o principal indicador de desempenho das ações negociadas na bolsa. Nesse sentido, ele reúne as empresas mais relevantes do mercado de capitais brasileiro.

Desde que foi criado, em 1968, ele se consolidou como referência para investidores aqui e ao redor do mundo.

Ibov Ibovespa - Dinheirama
Crédito: Divulgação/B3

Como funciona o IBOV?

Antes de mais nada, é importante saber que o índice é uma carteira teórica de ativos. Além disso, essa carteira passa por uma uma reavaliação e rebalanceamento a cada quatro meses.

Em sua composição estão ações e units das empresas de capital aberto listadas na B3 que atendam a determinados critérios.

Desse modo, o IBOV representa cerca de 80% do total de negócios e volume financeiro do mercado de capitais brasileiro.

Quais ações compõem o IBOV?

Conforme dissemos acima, não é qualquer ativo que pode compor o Ibovespa. Ou seja, apenas as ações e units que atendem a certos critérios, que vamos detalhar abaixo.

Em primeiro lugar, temos que lembrar que não estão incluídos nesse universo:

  • BDRs e ativos de companhias em recuperação judicial ou extrajudicial, regime especial de administração temporária e intervenção, por exemplo;
  • Assim como os ativos que sejam negociados em qualquer outra situação especial de listagem.

De acordo com a B3, serão selecionados para compor o Ibovespa os ativos que atendam cumulativamente aos critérios abaixo:

  1. Estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto 85% (oitenta e cinco por cento) do somatório total desses indicadores (de acordo com Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da B3);
  2. Em segundo lugar, ter presença em pregão de 95% (noventa e cinco por cento) no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores;
  3. Em terceiro lugar, ter participação em termos de volume financeiro maior ou igual a 0,1% (zero vírgula um por cento), no mercado a vista (lote-padrão), no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores;
  4. Por fim, não ser classificado como Penny Stock (definição no Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da B3).

Há também a possibilidade de uma ação que tenha sido objeto de uma Oferta Pública Inicial (IPO) durante o período das três carteiras anteriores integrar o índice, desde que:

  • A Oferta Pública de distribuição de ações ou units, conforme o caso, tenha sido realizada antes do rebalanceamento imediatamente anterior;
  • Possua 95% (noventa e cinco por cento) de presença desde seu início de negociação;
  • Além disso, atenda cumulativamente aos critérios 1, 2, 3 e 4 da lista anterior.

Os ativos serão excluídos do índice:

  • No momento em que deixarem de atender a dois dos critérios de inclusão acima indicados;
  • Quando estiverem entre os ativos que, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade, estejam classificados acima dos 90% (noventa por cento) do total no período de vigência das 3 (três) carteiras anteriores (conforme Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da B3);
  • Ao serem classificados como Penny Stock (conforme Manual de Definições e Procedimentos dos Índices da B3);
  • Durante a vigência da carteira, passem a ser listados em situação especial.

Composição do Ibovespa atual

A carteira do IBOV em 05/08/2021, por exemplo, estava assim:

Como investir no Ibovespa?

O Ibovespa em si é um índice, portanto ninguém investe nele diretamente. Quem quiser investir no Ibovespa precisa ter as ações que o compõem, com o mesmo peso, por exemplo.

Mas imagine comprar todas as ações e a cada quatro meses fazer as mudanças para acompanhar a alteração do índice. É provável que isso fique um pouco complicado e caro, certo?

No entanto, existe uma forma de investir na composição do IBOV por meio do que chamamos de ETF (Exchange-Traded Fund). Em outras palavras, um fundo de índice.

A ideia é permitir que o investidor consiga ter em carteira o comportamento do índice, mas a partir de aportes iniciais bem mais acessíveis.

De fato, quando você investe em um ETF de Ibovespa, você passa indiretamente a ter em carteira todos os ativos do índice.

Ibov Ibovespa - Dinheirama
Crédito: Pexels

BOVA11

Em resumo, o BOVA11 é um ETF da Black Rock, a maior gestora de recursos do mundo, e é oferecido desde 2008.

O objetivo do BOVA11 é justamente replicar o comportamento do Ibovespa, conforme já explicado.

Nesse sentido, há cobrança de uma pequena taxa de administração de 0,30% ao ano. Entretanto, isso é bastante razoável para diversificar e ter o equivalente ao Ibovespa em carteira.

BOVV11

O BOVV11 funciona de maneira semelhante ao BOVA11, mas seu gestor é o Banco Itaú (ITUB4). 

A saber, este índice foi lançado e é negociado desde 2016 e sua taxa de administração também é de 0,30% ao ano.

Embora os dois acima sejam os mais conhecidos, existem outros ETFs de Ibovespa, como:

  • BBOV11, criado em 2020, cujo gestor é o Banco do Brasil, por exemplo.
  • E, por fim, também o IBOB11, criado em julho de 2021 pelo Banco BTG Pactual. 

Como comprar Ibovespa fracionado?

Para que você possa investir de forma fracionada, basta comprar as quantidades mínimas negociáveis dos ETFs mencionadas acima.

Além disso, você ainda pode escolher fundos de investimento indexados ao Ibovespa, com cotas oferecidas a valores acessíveis.

Dúvida comum: BOVA11 ou B3SA3?

Conforme expliquei mais acima, o BOVA11 é um ETF que replica o comportamento do Ibovespa.

Já o ticker B3SA3 representa a ação da bolsa de valores em si, ou seja, B3. IBOV é um índice, enquanto B3 é uma empresa.

A confusão, no entanto, era mais frequente quando a B3 ainda se chamava Bovespa. Certamente muita gente não entendia a diferença entre Ibovespa e Bovespa.

Hoje, entretanto, ficou mais simples: B3 é a empresa por onde compramos e vendemos ações. Por outro lado, Ibovespa é um índice que engloba as ações de maior relevância do mercado.

Ou seja, ao comprar uma ação B3SA3, você está investindo na empresa que gerencia a nossa Bolsa de Valores. 

Contudo, ao comprar um BOVA11, você está investindo num compilado das melhores ações da nossa Bolsa.

IBOV hoje

A cotação do Ibovespa hoje, de fato, reflete o movimento de compra e venda dos investidores e suas negociações no mercado de capitais.

Assim, as corretoras credenciadas e os serviços de informação (conhecidos como broadcast) que são autorizados pela B3 oferecem os dados em tempo real ou com delay.

Ibovespa futuro

A saber, o Contrato Futuro de Ibovespa possibilita que o mercado negocie as expectativas futuras do mercado de ações.

Nesse sentido, a ideia é que o investidor possa negociar sem ter que comprar todas as ações que compõem o índice. Mas que ainda assim consiga ter uma posição a ele associada.

Dentre as vantagens do Contrato Futuro de Ibovespa, estão por exemplo:

  • Em primeiro lugar, parte de uma estratégia de proteção (hedge);
  • Em segundo lugar, a possibilidade de replicar o comportamento do índice, sem ter o desembolso financeiro e os custos de transação do mercado à vista;
  • Além disso, tem a liquidez sem precisar negociar ações individualmente;
  • E por fim, a possibilidade de realizar arbitragem entre o mercado à vista com ações ou ETFs.

Ibovespa histórico

Sem dúvida, o site oficial da B3 oferece informações completas sobre o histórico do IBOV. Além de arquivos específicos com detalhes do índice ao longo dos anos, por exemplo:

Ibov Ibovespa - Dinheirama
Crédito: Divulgação/B3

IBOV na pandemia

Sem dúvida, o ano de 2020 foi histórico por diversas razões. Principalmente por conta da pandemia, que trouxe enormes desafios e muitas perdas.

No caso do mercado financeiro, de janeiro de 2020 até 23 de março, o IBOV de fato caiu de 120 mil pontos para perto de 63 mil.

A saber, no dia 23 de março, o índice chegou bem perto dos 61 mil pontos. Mas fechou nos 63 mil – uma retração de quase 50% em relação ao início do ano.

Em julho do ano passado, entretanto, os sinais melhoraram e o índice já estava na casa dos 90 mil pontos. Em 2021, máximas históricas foram testadas, mas a volatilidade persiste.

O patamar de 120 mil pontos, alcançado em janeiro de 2020, foi retomado e muitos novos investidores entraram no mercado. Movimento este que segue com força.

Mini índice Bovespa

Aqui mesmo no Dinheirama, já publiquei um conteúdo especial dedicado ao Mini Índice Bovespa e como operá-lo.

Conclusão

O IBOV é o principal índice do mercado de ações brasileiro e denota o movimento de nossas principais ações como um todo.

Conhecer melhor o mercado de capitais é essencial para criar uma estratégia de investimentos coerente e abrangente.

A diversificação é uma das principais regras do investidor inteligente, portanto investir em ETF de Ibovespa é uma decisão acertada.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.