A inflação, um dos pesadelos que fez parte do cotidiano dos brasileiros durante as décadas de 80 e 90, voltou a preocupar as famílias e a produzir reflexos graves na economia do Brasil, principalmente de 2010 para cá.

O Brasil adota o chamado “sistema de metas de inflação” desde 1999. Nesse sistema, o Banco Central estipula um percentual de inflação para o ano e se compromete (em tese) a cumprir a meta fixada. Para o ano de 2016, a meta de inflação é de 4,5% sendo que existe uma tolerância de 2% para baixo ou para cima da meta.

Leitura recomendada: Inflação passou dos 10% ano (os temidos dois dígitos)! E agora?

Ao longo dos anos, foram raros os anos em que a inflação oficial convergiu com o centro da meta de inflação, sendo que a partir de 2014, no final do primeiro mandato da Presidente afastada Dilma Rousseff, a inflação alcançou os dois dígitos, algo que havia acontecido pela última vez em 2002 (acompanhe o gráfico abaixo).

Inflação

 O que veremos daqui para frente

A expectativa geral do mercado é que nos próximos anos a inflação comece a perder força. Para que isso aconteça, o principal é conseguir promover um ajuste fiscal eficiente. A partir do governo Dilma I, o nível de gastos do governo cresceu vertiginosamente.

A equipe econômica do Presidente interino Michel Temer propôs limitar os gastos públicos por um período de 20 anos. A proposta é que a despesa não possa ter crescimento acima da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a partir de 2017 – envolvendo a União, o Legislativo, o Tribunal de Contas da União, o Judiciário, o Ministério Público, e a Defensoria Pública da União.

O debate em torno do tema é fundamental, visto que é indispensável que os gastos públicos possam ser feitos de forma controlada e com planejamento.

Leitura recomendada: Economizando na crise: você sabe qual é o seu índice de inflação?

Entenda como é calculada a inflação oficial (IPCA)

A equipe de Macroeconomia do Banco Itaú preparou um infográfico fantástico, explicando em detalhes como o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) é calculado.

O material extremamente lúdico e direto ajuda na compreensão de como a inflação corrói o poder de compra das pessoas, sobretudo da camada mais pobre da sociedade. Acompanhe:

Infográfico

Vídeo recomendado: Seu Dinheiro na Crise: Para onde vão os Juros e a Inflação? 

Obrigado e até a próxima!

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários