A maior certeza sobre as emergências é que elas acontecem! Justamente para isso existe a reserva de emergência, não para te deixar tranquilo o resto da vida sossegado, e sim para ter recursos ao enfrentar emergências de saúde, desemprego e outros problemas que podem acontecer.

A construção de uma reserva de emergência envolve também utilizar de seguros para problemas como óbito, invalidez e acidentes. Vale sempre considerar um seguro como parte do fundo considerando não só você como as pessoas que dependem de você.

Onde devo alocar o dinheiro? Para começar, seu fundo precisa prioritariamente de Liquidez, rentabilidade e segurança. Porém, a rentabilidade é sempre o foco.

Tesouro Selic ou CBD de liquidez diária são as melhores alternativas. Em comparação com a poupança o Tesouro Selic oferece maior rentabilidade, segurança e liquidez equivalente. No caso dos CDBs o ideal é buscar um produto com rentabilidade partindo de 99% do CDI.

Ao utilizar a sua reserva de emergência é importante reconstrui-la aos poucos, seja realocando menos patrimônio em outros investimentos e mais no seu fundo ou então focar na reconstrução antes de diversificar seus investimentos novamente.

Quanto é uma reserva de emergência ideal? Simples: No mínimo 3 meses, o ideal 6 meses de seu custo de vida mensal e acima disso já fica excelente para ter tranquilidade.

Reserva de emergência : Porque devo construir e como começar?

Como construir, onde investir, porque fazer, existe número mínimo de meses para guardar? Descubra as respostas e comece agora mesmo a construir a sua.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários