Tadeu comenta: “Navarro, li muitos textos e opiniões sobre a melhor hora para comprar dólar, mas gostaria de saber também sua opinião. Diante da alta no valor frente ao real e das perspectivas econômicas para 2015, devo comprar mais agora do que ao longo do próximo ano? Pretendo viajar dentro de 24 meses e estou indeciso. Obrigado”.

Você provavelmente tem um amigo ou colega de trabalho que diz saber qual a “melhor hora” de comprar dólares. Ele insiste em dizer que conhece alguém que mexe com câmbio e que sinaliza sempre se haverá uma mudança na tendência dos preços de compra e venda praticados no momento. Ele está mentindo, cuidado!

O seu amigo não sabe qual será o preço do dólar na semana que vem, no mês que vem ou no ano que vem. Ele pode acompanhar relatórios de consultorias, negociar no mercado futuro, especular com moeda, mas nada disso pressupõe acertar a cotação do dólar amanhã ou depois.

O que existe são fatos econômicos (fim da intervenção na economia norte-americana, eleições presidenciais, queda de preços de commodities etc.) traduzidos em expectativas e tendências, por sua vez interpretadas por agentes envolvidos com o uso da moeda (importadores, exportadores, investidores, especuladores e governo).

O pequeno investidor e o consumidor comum, interessados na moeda estrangeira mais como uma maneira de estruturar sua próxima viagem, muitas vezes sentem-se impelidos a tentar acertar a “melhor hora” para comprar dólar e, não raro, acabam pagando mais por comprar na véspera do passeio. A “melhor hora” transforma-se na última hora.

Leitura sugerida: Entendendo Dólar Comercial, Turismo e Paralelo

Não existe “melhor hora”, existe planejamento!

Tenho escrito “melhor hora” (sempre com as aspas) porque ela simplesmente não existe. Se você pretende viajar, precisa atentar-se a três aspectos fundamentais, que devem ser organizados com o apoio e participação de toda família:

  • Pacote de viagem. A antecedência é fundamental para planejar bem a viagem, o que inclui definir questões como tempo total do passeio, estadia, passeios e itinerário no local de destino. O ideal é que uma viagem para o exterior com a família seja organizada com pelo menos 12 meses de antecedência, tempo suficiente para lidar com questões como arranjo de férias e planejamento financeiro;
  • Recursos em reais para a viagem. Ao optar por realizar o planejamento com tempo (pelo menos 12 meses antes, como já falei), fica mais fácil lidar com o pagamento do pacote (condições comerciais, eventual parcelamento etc.), bem como separar parte da receita, todo mês, para compra de dólares e criação de uma reserva em reais para pagamento de eventuais despesas no cartão de crédito quando da viagem;
  • Dólares para a viagem. A compra antecipada e constante de moeda permite que as reservas necessárias para a viagem sejam feitas sem desespero e de forma organizada. O ideal é comprar dólar em intervalos regulares, não deixando para comprar apenas na véspera da viagem e nem tentando adivinhar quando a cotação estará mais favorável.

Leitura sugerida: Como é calculada a cotação do dólar das faturas de cartão de crédito

Afinal de contas, qual a melhor hora para comprar dólar?

A melhor hora de comprar dólar é quando você tem condições de fazê-lo sem prejudicar seu orçamento. Se você deixar a compra de dólar para a última hora, correrá o risco de não conseguir comprar o montante desejado (ou porquê a cotação não será favorável ou porquê você não tem todo o dinheiro em reais necessário para isso).

Assim, o mais fácil e inteligente é comprar dólar de forma constante, em intervalos regulares. Defina um período, separe os recursos de suas receitas e compre a moeda estrangeira respeitando a estratégia definida. Seu objetivo é ter um preço médio de compra de dólar mais interessante que aquele praticado na compra em uma determinada data.

Os parâmetros da viagem serão definidos por você e sua família, levando em conta objetivos do passeio e sua condição financeira. Vejamos um exemplo:

  • Prazo até a viagem: 18 meses;
  • Quantos dólares a família pretende levar: US$ 5.000,00;
  • Preço da viagem (pacote, hotel e etc.) a ser pago em reais: R$ 7.000,00;
  • Total mensal que pode ser destinado para o planejamento da viagem: R$ 1.000,00.
  • Estratégia para viabilizar a viagem: poupança de R$ 600,00 mensais para negociar o pagamento da viagem à vista em 12 meses (6 meses antes da viagem) e compra quinzenal de US$ 150,00 de hoje até uma semana antes da partida.

Conclusão

Não acredite naquele amigo que diz que sabe a “melhor hora” para comprar dólar. Ele não sabe. Ninguém sabe. Prefira agir de forma planejada, precavida e inteligente: compre dólar de pouco em pouco, de forma constante e em intervalos definidos. O preço médio de compra dessa forma tende a ser mais baixo que o da compra única.

Além disso, não deixe para pensar e planejar a viagem “em cima da hora”. Tudo que é feito com pressa ou de maneira pressionada tende a ser feito de forma equivocada. Planeje a viagem com antecedência e garanta que você e sua família serão capazes de se divertir muito sem se endividar na volta ao país. Não é melhor assim?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários