Vamos falar sério sobre inflação e juros?O IBGE divulgou, na semana que passou, a inflação oficial medida pelo IPCA para o mês de março. Como previsto, ela extrapolou o teto da meta de 6,5%, atingindo 6,59%. Essa foi a segunda vez que isso aconteceu no governo Dilma, depois da taxa em 12 meses de novembro de 2011 que chegou a 6,64%.

O ministro Mantega comemorou o feito como sempre, dizendo que a taxa mensal de março foi a menor do trimestre, aparentemente satisfeito com a situação e seguiu vendendo otimismo. Mantega disse que o país está caminhando para crescer mais em 2013 (presume-se mais em relação ao pífio crescimento de 2011 e 2012), e que as desonerações de 2013 atingirão R$ 70 bilhões, subindo para R$ 88 bilhões em 2014.

Certamente, ninguém, e nenhum economista, nega os esforços que estão sendo feitos. Contudo, na visão de muitos, inclusive a nossa, de forma errada. Medidas pontuais e de curto prazo agem sobre a economia também de forma idêntica. Claro que existem alívios no curto prazo, mas isso não serve para domar a persistente inflação.

Só para lembrar, nos dois últimos anos tivemos taxas de 6,50% e 5,84% e não lembramos mais desde quando a meta está congelada em 4,5%, com variação para mais ou menos de 2,0%.

A inflação persiste em patamares altos por diferentes razões. O diagnóstico de desequilíbrio entre oferta e demanda se torna mais grave quando avaliamos outros aspectos. O emprego melhor trouxe mais renda e elevou o consumo. A escassez de mão de obra com especialização mínima elevou salários. As taxas de juros baixas e crédito abundante pressionaram mais.

Do outro lado, a produção industrial cresceu somente 0,30% em 2011 e encolheu 2,70 em 2012. Os investimentos também caíram como participação no PIB. Em 2010 representaram 19,5%, em 2011 19,3%, para encolher para 18,1% no ano passado. Ainda no ano passado, a formação bruta de capital fixo encolheu 4%. Nem é preciso lembrar que investimento é o pilar do crescimento futuro.

Outro fato que não podemos esquecer é que o Brasil carrega enorme cultura inflacionária e muitos gatilhos não foram desarmados. Preços de aluguéis, tarifas públicas e correção salarial são alguns dos vícios que integram esse conceito. Dai derivam tentativas de repasses de preços, independentes de o mercado permitir ou não. Essa indexação/repasse pode limitar efeitos de desonerações ou outras artimanhas como a redução do custo de energia.

Em que pese a difusão da inflação ter sido menor em março que no mês anterior (69% de 72%), em onze áreas pesquisadas pelo IBGE a inflação já está em dois dígitos. Mais que isso, excluídos preços administrados, o IPCA já estaria próximo de 8,2%, o maior índice em 10 anos. Estamos jogando pela janela quase tudo que conquistamos nesses últimos anos, incluindo os dois governos Lula.

A teoria manda que o banco central cuide da inflação, mas existem suspeitas sobre sua perda de autonomia, já que juros baixos viraram política de governo e de ministros. Já deveríamos estar ampliando a taxa de juros básica, posto que as chances do governo cortar gastos expansionistas beira zero. Com o processo sucessório aberto prematuramente, fica difícil aumentar juros, reduzir o emprego ou limitar programas sociais.

Uma coisa parece certa: baixo crescimento com inflação alta não ganha eleição se for bem aproveitada pela oposição. Porém, como bem disse Delfim Neto (achamos que foi ele), se o governo conseguir manter a inflação em algo como 6,0% e o crescimento de 2013 em 3,0%, a presidente Dilma estaria reeleita. O governo parece estar tentando administrar exatamente algo como isso.

Se quisesse realmente domar a inflação, o Banco Central já estaria aumentando juros, o governo estaria atraindo investidores com medidas de longo curso (e não pontuais), reduzindo gastos de custeio e estimulando a concorrência (reduz preço), e não protegendo a indústria nacional.

E como ficam os investimentos em uma hora como esta? Em que investir? Leia gratuitamente o eBook “Cenários e Investimentos para 2013” (clique para download) feito por mim e pela Consultora de Investimentos Sandra Blanco e confira algumas opções para o seu capital.

Foto de freedigitalphotos.net.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários