08 jun Finanças Pessoais

Princípios e atitudes do investidor inteligente

Equilíbrio, disciplina, controle? O que o investidor inteligente é capaz de fazer para garantir bons ganhos e investimentos melhores que a média? Aprenda a investir seu dinheiro.

por Conrado Navarro
há 5 anos

Princípios e atitudes do investidor inteligenteAdemir comenta: “Navarro, é muito comum notar familiares, colegas de trabalho e até mesmo amigos que recebem bons salários, mas não sabem bem o que fazer com o dinheiro. Consomem, gastam com o dia a dia mais do que o necessário e sempre reclamam que não dá para investir e que o salário é dos piores. Mas isso acontece com quem ganha um salário mínimo e também com gestores e diretores. Equilibrar é assim tão difícil? O que faz de um investidor alguém especial? Disciplina? Obrigado”.

Investir pressupõe ter dinheiro sobrando. Sejamos sinceros: por aqui, o raciocínio relacionado ao ato de fazer sobrar dinheiro não favorece a cultura do investimento. A autodefesa contra o sistema traz à tona a figura do “se”. Ora, se está sobrando, por que não consumir um pouco mais? Por que não dar entrada naquela tão sonhada TV LCD[bb]? Por que não comprar uma e outra peça de roupa e valorizar a aparência? Se sobra, então é porque eu posso mais.

Equilíbrio… Mas, e se?
A palavra resume bem o que é necessário para que um simples cidadão possa se transformar em um poupador e, então, em um investidor. Ironica e felizmente, equilíbrio também diz respeito ao “se” (frequente em quase todas as nossas decisões). Se eu deixar de comprar a TV agora, posso guardar o dinheiro para comprá-la com desconto depois do Mundial. Se eu evitar tantas baladas, talvez tenha dinheiro para a viagem de navio que tanto gostaria de fazer. O que muda?

Se não somos bons com o “se” que nos faz consumir, também não somos com o “se” que deveria nos levar à reflexão. Logo, o equilíbrio – que pressupõe disciplina – não é a chave. Ajuda, mas não resolve. A diferença mesmo quem faz é o comprometimento e o amor. Comprometimento com a melhora, com a possibilidade de crescer, agregar valor e construir patrimônio. Amor próprio, que reflete-se na autoestima e na capacidade de, ai sim, tomar partido e avaliar com mais inteligência as alternativas disponíveis.

Iniciada minha contribuição, listo abaixo dez princípios e atitudes que considero especiais em investidores[bb] inteligentes e que sabem fazer seu dinheiro realmente trabalhar:

1. Não considera títulos de capitalização como investimento. Pagar caro para que uma simples poupança seja acumulada e, ainda assim, apresente retorno menor que o da caderneta de poupança não faz parte do dia a dia de investidores conscientes. Para entender melhor este tipo de produto, leia o artigo “A verdadeira face dos títulos de capitalização”.

2. Não transfere a responsabilidade de gerenciar suas finanças para outra pessoa ou instituição. As melhores alternativas de investimento são aquelas que ele compreende e é capaz de associar às suas metas pessoais, profissionais e familiares. Ponto. As indicações (do amigo, do gerente etc.) são analisadas com o devido respeito e atenção, mas a decisão é sempre consciente e parte de um processo. O mesmo acontece com o dinheiro do cotidiano.

3. Mantém um orçamento atualizado e que contempla gastos, receitas e investimentos. Controla, mede e avalia para que possa usar as ferramentas financeiras como fator de libertação e independência. Sabe se está exagerando e quando pode exagerar. Conhece seus limites e os respeita.

4. É coerente com a realidade familiar. Vive o padrão de vida possível, com plena consciência de que evoluir significa ter, antes de mais nada, um meio de vida sustentável e compatível. Não guarda por guardar, mas porque quer garantir possibilidade de consumo e qualidade de vida hoje e sempre. O futuro não é apenas romântico, mas parte de sua programação financeira. Sugiro a leitura do artigo “A complexa e delicada questão do padrão de vida”.

5. Assume o papel de cidadão e negocia com firmeza. Ao entrar em uma loja, sabe que o interesse deve ser muito maior por parte do vendedor. Assim, prefere não demonstrar euforia e emoção e avalia os produtos/preços de forma racional, fria. Planeja a compra com antecedência, exige desconto e prefere pagar à vista. Leia também “Negociação = Planejamento, disposição e informação”.

6. Tem objetivos claros que faz questão de respeitar. Dica recorrente, presente em todo trabalho de bons planejadores financeiros, definir objetivos significativos faz com que o investidor exercite a automotivação. Quando o que ele quer tem valor, é relevante para si, ele é capaz de deixar outros pequenos desejos, supérfluos ou não, na fila de espera. Mais sobre o tema no artigo “O grande segredo de ter metas financeiras”.

7. Valoriza a qualidade de vida. Vive de acordo com suas possibilidades, mas com momentos de lazer, tempo para a família, hobbies e prática de esportes. E faz questão de destinar parte de seus recursos para o cultivo da qualidade de vida, consciente de que inesquecíveis são os momentos, as pessoas e os acontecimentos, e não um produto ou bem material. A polêmica completa você encontra no texto “Há relação entre riqueza e qualidade de vida?”.

8. Faz uso da matemática financeira básica para tomar decisões. Primeiro, sabe que não existe o tal “juro zero”. Segundo, sabe usar simuladores simples para avaliar uma compra financiada, parcelada e a contra-partida da compra à vista com o apoio do tempo. O que é melhor? Gosto muito do exemplo usado pelo amigo e autor best seller Gustavo Cerbasi em relação à compra da casa própria quando ainda somos jovens:

Os jovens que compram seu imóvel quando ainda ganham pouco acabam por comprometer excessivamente o orçamento familiar com uma prestação maior do que pagariam pelo aluguel de um apartamento mais simples e adequado para o momento. Falta dinheiro para seu lazer, para seus planos de curto e médio prazo. (…) Com um orçamento apertado por uma pesada prestação, qualquer imprevisto leva o jovem a contrair pequenas dívidas – A vantagem da compra própria, por Gustavo Cerbasi em 07/06/2010 – Folha de S. Paulo.

9. Comemora pequenas vitórias e aprende com seus erros. A vida não é só sombra e água fresca, mas tem seus momentos de grande alegria. Os desafios trazem consigo o sentimento de realização e também experiências frustrantes. O investidor de sucesso aceita essa realidade e convive com ela de forma cordial, com humildade e muita vontade de aprender. Aprende porque quer, não porque precisa.

10. Diversifica, investindo em produtos conservadores e alternativas mais agressivas. Como define bem seus objetivos de curto, médio e longo prazo, aloca seu capital em investimentos[bb] de características próprias, sempre alinhando-os com seu horizonte de tempo e interesse. Assim, mantém uma boa reserva de emergência, deixa a maior parte de seu dinheiro em produtos conservadores, mas também participa do mercado de ações (fundos, home broker etc.).

Todos podemos ser investidores inteligentes
Porque se for importante para você, você é capaz de fazer. Se for valer a pena, você segue adiante. Se realmente representar uma possibilidade de novos rumos na profissão, você arrisca. Porque se for por você e por aqueles que ama de verdade, você é capaz de aprender e fazer diferente. Engraçado, o “se” apareceu novamente. Pois é, o investidor inteligente tem no “se” seu maior trunfo: as respostas são consequência e o que realmente importa são as perguntas. Causa e efeito. Afinal, se dependesse de mim, você seria rico, feliz e cercado de boas decisões. Se…

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro

Educador financeiro, tem MBA em Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor dos livros "Dinheiro é um Santo Remédio" (Ed. Gente), “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec) e "Dinheirama" (Blogbooks), autor do blog "Você Mais Rico" do Portal EXAME e colunista da Revista InfoMoney. No Twitter: @Navarro.

Leia todos os artigos de Conrado Navarro
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • Pingback: Tweets that mention Princípios e atitudes do investidor inteligente | Destaques | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos -- Topsy.com()

  • Geórgia

    Acho que estou aprendendo rápido a me tornar uma investidora, rs rs rs…

    Lembrei-me da primeira e única vez que fiz um título de capitalização, nunca mais o banco me pegou nesta “roubada”!!

  • Sandra Antunes

    Este é um dos melhores artigos que já li aqui no Dinheirama e em geral sobre investidores, atitude e comportamento em relação ao dinheiro! Sem fórmulas, percebe-se a experiência do Navarro e dá pra perceber que se trata de coisas simples, mas que não valorizamos. Porque é fácil dizer que precisamos gastar menos do que ganhamos e que investir é para todo mundo. Mas não é só isso! Parabéns pela humildade e lucidez Navarro, você vai longe! Seus artigos são sensacionais. Comecei a ler agora e já vou ficar sempre por aqui.
    Abraço.

  • Rosana

    Perfeito esse artigo!
    Gostei muito do que escreveu sobre o amor-próprio, em quanto e como isto está relacionado com uma boa qualidade de vida e um patrimônio significativo.
    Quando eu não conhecia (e também não me interessava tanto) por assuntos relacionados à finanças pessoais, achava que a maioria das pessoas estavam certas, que o dinheiro sempre é pouco, que nunca dá nem para o mínimo necessário. E o que fazer? Somente reclamar e lamentar a má sorte, era o caminho mais correto… Era o que eu via e ouvia. Consequentemente, era o que eu fazia.
    Hoje, apesar de conviver com pessoas que pensam assim, vejo que esse raciocínio é totalmente ilógico para mim. Tenho sempre aprendido muito aqui no Dinheirama, e fico feliz em ver que existem pessoas que pensam diferentemente da maioria, que almejam um futuro melhor para si mesmas e que fazem algo para que isso aconteça. E fico mais feliz ainda por ter encontrado essas pessoas aqui!
    Abraços e muito sucesso,

  • http://www.edmarjunior.eti.br Edmar Junior

    Muito bom artigo Conrado, vai constar entre os meus favoritos, parabéns!

  • marcio alexandre

    Excelente artigo Conrado,cinto que estou no caminho certo.obrigado Dinheirama!

  • http://www.valoresreais.com/ hotmar

    Parabéns pelo artigo, Navarro!

    Esses são ingredientes fundamentais para conseguir ter sucesso nos investimentos!

    E obrigado pela citação do artigo que escrevi!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Carmen

    Como dizia, diz e dirá para sempre o imortalizado poeta: se todos fossem iguais a você, que maravilha viver…

    Parabéns pela constante preocupação com a nossa qualidade de vida.

    Beijos.

  • http://www.baixar-revistas.com Breno

    Otimo post, estou sempre tentando seguir essas dicas, quero um carro a um bom tempo mais pretendo pagar a vista por isso ainda nao o tenho, mais tenho certeza q assim q tiver nao vo ficar preocupado com juros e essas coisas, a parte que tu falo tbm de vibrar pelas vitorias msmo que sejam pequenas tbm acho muito importante

    vlw Navarro