Finanças Pessoais: como melhorar suas tomadas de decisãoEm finanças pessoais, é sempre interessante que se busque tomar boas decisões com base nas informações existentes. Mas a questão é: como sei se estou fazendo a melhor escolha? De forma a nos ajudar a solucionar esse dilema, os estudiosos no assunto possuem alguns conceitos que podem melhorar o processo de tomada de decisão, seja em investimentos, futuro profissional, ou qualquer outra escolha importante.

Nesse contexto, vou lhes apresentar uma definição simples e muito relevante, mas pouco utilizada na hora de se decidir algo. Trata-se dos custos irrecuperáveis, definidos como custos que ocorreram no passado e que não são mais possíveis de serem recuperados.

Entendendo os custos irrecuperáveis
Quando tomamos uma decisão no presente, podemos usar experiências do passado e/ou nossas perspectivas quanto ao que vai acontecer no futuro (filosófico, não?). Mas a questão a ser abordada neste texto é que, muitas vezes, eventos ocorridos no passado influenciam negativamente a tomada de decisão do presente, prejudicando o processo de escolha e causando reflexos ruins no futuro. Os custos irrecuperáveis se inserem nesse contexto, em que as pessoas deveriam tomar suas decisões sem levar em consideração custos que não têm mais volta.

Um exemplo clássico é o do ingresso de cinema. Imagine que você está com o ticket em mãos, comprado antecipadamente. Se, ao iniciar o filme, você notar que vai ser um péssimo entretenimento, seria uma boa decisão levantar-se da poltrona e procurar fazer algo mais interessante. Porém, muitas pessoas decidem assistir ao filme até o final, levando em consideração o preço pago pelo ingresso, que é um custo irrecuperável.

Perceba que, enquanto ir embora causa apenas o arrependimento de ter gasto o valor do ingresso, ficar no cinema significa dois desprazeres: o dinheiro gasto e aturar o filme ruim.

Exemplos dos custos irrecuperáveis nas finanças pessoais
1) Maria possui dívidas no cartão de crédito que não param de crescer. Também é proprietária de uma motocicleta, adquirida por um financiamento que está na metade das parcelas. Se vender o veículo hoje, ficará livre do financiamento e o dinheiro que era destinado à parcela será usado para quitar a dívida do cartão. Porém, Maria pensa: “Já que comecei a pagar a moto, agora seria uma pena vendê-la e perder o dinheiro investido”.
Conclusão: ao considerar o custo irrecuperável das parcelas já pagas, talvez Maria perca a moto e também não consiga pagar a dívida do cartão.

2) O filho de João, que está no quinto semestre de uma faculdade de engenharia civil, diz ao pai que já tem consciência de que esse não é o curso adequado para seu perfil. Hoje, mais maduro, o filho argumenta que gostaria de seguir outra carreira. Eis que João retruca: “Já paguei metade do curso, agora terá que terminar. Depois você começa outro curso”. Veja que João tomou sua decisão com base em um custo que não tem mais como recuperar.
Conclusão: ao invés de apenas perder os cinco semestres de mensalidades já pagas, João também perderá as futuras mensalidades e o precioso tempo do filho, que depois de dois anos e meio já poderia estar na metade de outra faculdade.

Avalie melhor suas decisões
Os exemplos relatados fazem parte de uma cultura arraigada em nossa população. Tomar decisões com base em custos irrecuperáveis é extremamente comum, fazendo com que muitas pessoas não consigam sair de uma situação financeira ruim. A maioria das pessoas não aceita perdas, tomando decisões hoje que apenas aumentarão o desconforto financeiro no futuro. Lembre-se: não tente consertar um erro com outro.

Boa sorte em suas finanças e vida pessoal. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Vinicius

    Muito interessante o artigo. Quantas vezes não levamos isso em conta…

  • Davi Aragon

    É o STOP fazendo parte do cotidiano de todos…

    abs

  • ricardo

    Parabens pelo artigo,alias como todos os outros,muito interessante nunca tinha pensado desta maneira sobre algumas atitudes que tomamos,para nao darmos o braco a torcer teimamos no erro.

  • Obrigado pelos comentários galera.

  • ANDERSON

    Davi Aragon

    TIVE O MESMO RACIOCÍNIO RSRS

    É o STOP fazendo parte do cotidiano de todos…

    abs

  • Vanderlei Brustolin

    Realmente faz sentido, quem nunca teve ou tem atitudes
    como os exemplos acima ?

  • Elisson, muito bom o artigo! Gostei muito do exemplo 1 em especial! Não havia pensado quando criei um artigo de mesmo assunto: http://www.blogdoinvestidor.com.br/2011/06/o-custo-irrecuperavel-sunk-cost-nas-decisoes-de-investimento/

    Abs e sucesso!

  • Pingback: Finanças Pessoais: como melhorar suas tomadas de decisão … : Link Mundial()

  • Olá, Professor Elisson!

    eu não conhecia essa definição de custos irreparáveis. Com certeza ajudará bastante a forma como foi colocado. Gostei muito!