O que é Controle Financeiro?

Basicamente, em uma definição bem simplista, controle financeiro é colocar em uma planilha, aplicativo ou no papel todas as suas rendas e todos os seus gastos referentes a um certo período de tempo.

Quando falamos de controle, este pode ser prévio, concomitante, ou posterior.

Controle financeiro prévio é o controle daqueles ganhos e gastos que você projeta para o próximo(s) mês(es) ou próximo(s) ano(s).

Concomitante é o controle que você vai fazendo no decorrer do mês, conforme vai realizando suas receitas e suas despesas.

Controle posterior é verificar aquelas rendas e gastos que já ocorreram anteriormente. Por exemplo, no mês ou no ano anterior.

E planejamento financeiro?

Já o planejamento financeiro envolve projeção dessas rendas e despesas para o futuro. Pode ser para o próximo mês, para os próximos 12 meses, 5 ou 50 anos.

É semelhante ao controle prévio, contudo, no planejamento você pode mudar a realidade e os cenários futuros, fazendo melhores escolhas no presente. Planejamento financeiro pode ser divido em curto, médio e longo prazo.

Alguns chamam o que foi dito anteriormente de orçamento familiar, outros de planilha de controle de gastos, entre outras definições. Mas o fato é que todas essas definições têm relação ou são ferramentas que auxiliam o Controle e o Planejamento Financeiro Pessoal.

Aplicativo gratuito recomendado: Controle suas finanças na palma da mão com o DinheiramaOrganizze

Por onde começar?

Comece controlando seus rendimentos e despesas do mês anterior e preenchendo uma planilha de controle financeiro. Para isso, uma dica é você imprimir seu extrato bancário e ir verificando cada movimentação e lançando em uma planilha.

Posteriormente, projete lançando nesta planilha os ganhos e gastos mensais que você teve no mês anterior e que você já sabe que terá nos próximos meses.

Preencha esses valores para os 11 meses seguintes (ex.: salário, aluguel, condomínio, energia elétrica, água, diarista, financiamento, mensalidade escolar, dízimos e doações, cartão de crédito, clube e academia, etc…).

Pronto! você já começou a criar seu próprio controle financeiro e a tomar as rédeas de suas finanças. Quanto tempo devo gastar controlando minhas finanças?

Depois de feito o primeiro passo, que é preencher a planilha como descrito acima, você pode gastar de 10 a 30 minutos por semana para verificar sua planilha de controle financeiro e fazer os lançamentos de ajustes, conforme forem ocorrendo seus gastos (controle concomitante).

Leitura recomendada:Aprenda a usar o controle financeiro para eliminar dívidas

Planejando as suas finanças

Após o primeiro passo, que é ter uma noção de seus gastos por pelo menos 12 meses (curto prazo), você pode copiar estas informações para os próximos 48 meses (médio prazo).

Assim você terá uma visão de pelo menos 5 anos (médio prazo) fazendo o controle prévio de suas finanças. Com essa visão você pode começar a fazer planos para sua vida pessoal.

Conforme o passar dos anos, o registro de tudo que você ganhou e gastou nos últimos meses/anos (controle posterior) também auxiliará a planejar o seu futuro (controle prévio).

Comece com pequenos planos

Como exemplo, você pode planejar poupar R$ 300,00 por mês, nos próximos 24 meses (curto prazo), para fazer uma viagem inesquecível.

Ou então poupar R$ 500,00 por mês, nos próximos 120 meses (longo prazo) para construir uma reserva de emergência.

Outra forma de se planejar é rever suas despesas e suas receitas. Talvez seja uma boa ideia mudar para uma casa ou apartamento menor e pagar um aluguel mais barato. Começar uma faculdade ou um curso técnico para conseguir um emprego com uma remuneração melhor.

Preencha sua planilha projetando esses gastos de aluguel mais barato, o valor mensal para pagamento da faculdade, entre outros.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Na hora de planejar utilize sua criatividade!

Verifique também como ficariam suas finanças no longo prazo se o seu salário aumentar com um novo emprego. Com esse início de planejamento você terá uma visão muito boa de suas finanças.

Isso também pode te dar aquela motivação a mais para conseguir um emprego melhor.

Para quem é casado, uma boa dica é compartilhar isto com sua esposa ou esposo e começar a fazer planos juntos. Outra dica que eu sempre indico é aplicar o princípio contábil da prudência nas projeções financeiras.

Sempre projete suas rendas com certa precaução. Ter prudência é programar sua renda esperando que você possa receber um pouco menos do que você “acha” que vai receber, pois pode acontecer alguma surpresa indesejável.

Tenha prudência também ao projetar suas despesas

Faça isso com certa folga e preveja os reajustes inflacionários. Também não se esqueça dos reajustes que constam em contratos. Estes normalmente ocorrem anualmente.

Por exemplo, ao lançar o valor da conta de energia elétrica para os próximos meses, nunca baseie-se somente pelo último mês. Veja os gastos dos meses anteriores e coloque um valor para os próximos meses um pouco maior, já prevendo a inflação.

Outro exemplo é o plano de saúde, que nos últimos anos tiveram reajustes acima da inflação. Preveja isso em seu orçamento. Ex.: se a inflação está 10% a.a., preveja que seu plano irá aumentar 20% a.a. Se o aumento for menor, você poderá poupar e investir para outros projetos.

Além desses, há várias outras despesas que têm reajustes e que devemos programar isso na nossa planilha. Estes gastos não são imprevisíveis! Aliás, a maioria dos gastos não são imprevisíveis como a maioria das pessoas pensam.

Exemplos de gastos que têm reajustes de tempos em tempos: aluguel, condomínio, seguro, assinaturas de TV, internet e telefone, clubes e academias, mensalidade escolar, mensalidade da faculdade, alimentação, medicamentos, etc…

Gosta de vídeos? Aprenda mais: TV Dinheirama – Você no comando do seu dinheiro

Além disso, conforme você vai contratando algum serviço ou realizando alguma compra, você já pode ir alimentando a sua planilha naquela hora que você reservou durante a sua semana (controle concomitante). É simples, fácil e você não irá gastar muito tempo.

Mais um exemplo que você pode ver com antecipação em sua planilha, com base em sua experiência, é que terá que trocar os pneus de seu carro daqui a 18 meses.

Faça um orçamento para verificar o valor a ser gasto e já lance isso em sua planilha (controle prévio). Repito! Aqui temos mais um gasto que não é imprevisível, pois podemos prevê-lo facilmente.

Com isso você criará um ótimo hábito

Saberá aonde está indo seu dinheiro e qual o motivo de não sobrar nada ou até faltar no final do mês. E depois de um tempo, você começará a gostar e até se interessar por suas finanças.

Lembre-se, tratando de finanças pessoais, não tem nada engessado que você não possa alterar. Planejamento financeiro é uma coisa dinâmica!

Pronto! Agora você já sabe como começar a controlar e planejar suas finanças. E com o tempo você irá se aperfeiçoar. Não tem mais desculpas! Nem mesmo aquela de que não tem tempo ou que não sabe fazer esse tipo de coisa.

Muito menos dizer que assunto de finanças pessoais não é pra você, pois esse assunto é para todos. Quanto antes você entender isso, melhor pra você! Abraços e até a próxima!

Bruno Cardoso
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Renata M. Tristão de Andrade

    Sou prova viva de que uma planilha muda nossa vida!