A rotina do trabalhador brasileiro não é nada fácil, inclusive para alguns encontrar um emprego já se tornou um enorme desafio.

Acordar com o céu ainda escuro, se arrumar o mais rápido possível, beber um gole de café e engolir um pãozinho frio enquanto assiste alguma notícia na televisão, mas sem tempo de prestar atenção.

A cena acima descreve bem o cotidiano da maioria da população. Aliás, isso é o que esperam de você e essa é a ideia de um empregado padrão e satisfeito.

Palestras gratuitas recomendadas: Conrado Navarro e convidados falam sobre finanças pessoais e empreendedorismo

O despertar da consciência

Os dias passam cada vez mais depressa, as notícias mudam o tempo inteiro, é difícil acompanhar a nova moda e conseguir um tempo para o que realmente você quer fazer, na corrida do dia a dia.

Muitas pessoas apontam um único problema: dinheiro.

À primeira vista parece óbvio que esse seja o problema, mas, na verdade, o dinheiro é a solução. O dinheiro não é culpado de nada, mas como nós o administramos é onde “mora” o erro.

Quando você compreende que o dinheiro deve trabalhar por você (e não apenas você por ele), nesse momento ocorre a transformação da sua mente.

eBook gratuito recomendado: Educação Financeira no Ambiente de Trabalho

Mudar não é fácil

Somos educados para participar de uma maratona sem fim, a chamada corrida dos ratos. E nela não existem vencedores no final.

Perseguir o dinheiro sem propósito, objetivos ou metas, faz com que você fique eternamente como um escravo desse sistema, porque suas contas aumentam em uma proporção maior que o seu salário e as suas horas no dia se encurtam cada vez mais.

Abandonar essa mentalidade é difícil e, se fosse simples, todos seriam investidores ou empreendedores bem-sucedidos, um mundo perfeito. Isso é utopia e não é disso que estamos falando.

É importante entender que ao fazer o dinheiro trabalhar para você, se ganha tempo, e isso é o que você possui de mais valioso. O tempo, diferente do dinheiro, não tem devolução quando é gasto de forma incorreta e sem atenção.

Fale sobre dinheiro

Fazemos parte de uma sociedade tão liberal e avançada, mas ainda não conseguimos falar sobre o dinheiro com naturalidade (até parece que isso é uma espécie de crime).

Você pode iniciar qualquer papo em uma roda de amigos, desde fofocas até política, mas se puxar o assunto de investimentos, salário ou economia, corre o risco de ficar falando com as paredes.

Esse é um hábito que os brasileiros cultivam ainda hoje e que devemos mudar, porque é essencial entender a importância das finanças em sua vida. Isso pode até salvar relacionamentos e famílias, muitas vezes a partir de uma simples conversa.

Aplicativo gratuito recomendado: Controle suas finanças na palma da mão com o DinheiramaOrganizze

Livre-se do abstrato

Muitas pessoas com quem converso em palestras ou eventos me abordam falando de livros, vídeos, cursos e vários conteúdos que consomem de investimentos ou finanças. Acho isso bem interessante, mas elas são iludidas.

Sei que vou ser criticado por falar isso, afinal ninguém gosta de saber a verdade porque a mentira é mais confortável, mas o meu papel como educador financeiro é o de ensinar (e não enganar).

As pessoas que estudam teorias, literaturas, artigos e nunca colocam em prática, ficam para sempre na zona da abstração, ou seja, elas geram expectativas tão altas sobre o assunto que não colocam em prática, mesmo quando não é nada complexo, como tirar o dinheiro da poupança e aplicar em um título público para receber o dobro dos rendimentos.

O estudo é realmente bem importante, tanto que criei o curso Criando Futuro (clique para detalhes) para investidores iniciantes e pessoas que nunca investiram, mas até mesmo lá falamos que se você não fizer as tarefas e colocar em prática o que ensinamos, nada vai acontecer.

Pague-se primeiro

Uma das dicas que posso dar para que você se liberte do dinheiro de forma que ele se torne o seu “emprego” é: separe uma parte do seu salário para investir, logo que receber.

Essa quantia pode ser 10%, 20% ou até 50%, o quanto conseguir poupar sem comprometer a sua qualidade de vida. Ah, sim, sacrifícios são necessários no começo e só você sabe as suas prioridades.

O pequeno (e difícil) passo de separar o dinheiro para se pagar primeiro é um gesto tão forte que todos os maiores empreendedores e investidores do planeta iniciaram a sua fortuna agindo dessa forma e esse foi um capítulo inteiro do livro best-seller “O Homem Mais Rico da Babilônia”.

eBook gratuito recomendado: Invista e Construa o Futuro dos seus Filhos

Um passo de cada vez

Toda mudança de pensamento vem com dúvidas, obstáculos e tentações, não vou dizer para você que será bem fácil e que todos vão apoiar as suas decisões.

Pelo contrário, as pessoas não gostam que você faça as coisas diferentes do que elas estão acostumadas a fazer, mesmo que isso não afete em nada a vida delas. Apenas saber que você encontrou um jeito melhor e mais rápido de alcançar os seus sonhos, isso vai incomodar bastante gente.

Dê um passo de cada vez, faça um objetivo, com metas menores para conseguir cumprir e lembre-se da regra de ouro: conhecimento sem prática é apenas conhecimento.

Bruno Papi
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Excelenteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

  • Henrique Carcereri

    Ótimo post Bruno! Este é realmente o trabalho do Educador Financeiro! Por quê não falar sobre dinheiro? Usamos ele todos os dias!

    • É isso aí, Henrique!

      Se todos falassem de dinheiro como falam de futebol ou novela, os brasileiros estariam muito melhor financeiramente.