A falta de planejamento financeiro pode trazer uma consequência desastrosa: as dívidas incontroláveis, que arruínam o orçamento e o bem-estar familiar. Infelizmente, esta é a realidade de muitos brasileiros atualmente.

Mas organizar as finanças pessoais pode se tornar uma tarefa simples, desde que haja um pouco de disciplina e dedicação. A seguir, separei algumas estratégias que podem ajudar. Confira:

Não perca: Hangout exclusivo dia 22/6 às 20h sobre a caderneta de poupança. Mais informações aqui ou botão abaixo:

1. Encare os números

É impossível organizar o orçamento sem saber como você está gastando o seu dinheiro. Por isso, é muito importante manter um registro contínuo das despesas. As finanças pessoais são sempre um espelho de quanto tempo (e energia) dedicamos ao tema.

Escolha o método com o qual você tem mais afinidade: pode ser uma planilha, uma agenda ou um aplicativo de finanças, o importante é não se esquecer de manter os dados atualizados.

2. Identifique os supérfluos

Com as despesas registradas, é possível reconhecer os supérfluos e enxergar quanto do seu orçamento é comprometido com eles. Sabendo disso, avalie como cortá-los e destine o que for economizado para um fundo de emergência.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

3. Evite parcelar

Os juros do cartão de crédito continuam altíssimos, mesmo depois da nova regra do rotativo. As anuidades e demais taxas também.

Se você é daqueles que trabalham para pagar o cartão de crédito, considere a possibilidade de ir diminuindo aos poucos o valor da fatura até se tornar independente desse recurso. Pagando à vista, você ainda pode negociar um desconto nas compras.

4. Comece a poupar e fazer reservas

Todos nós estamos sujeitos a emergências que podem se tornar grandes despesas. Gastos médicos, reparos em casa e no automóvel são algumas das situações mais comuns, e precisamos estar preparados para não ter de recorrer ao cheque especial, cartões de crédito e empréstimos.

Se estabelecer uma reserva for uma dificuldade para você, utilize alguns recursos como o depósito programado em poupança, oferecido pelos bancos, ou as aplicações automáticas disponíveis também nas corretoras. Assim, você guarda dinheiro “sem perceber”.

eBook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

5. Procure opções de investimento

Muitas aplicações rendem mais do que a poupança e podem ser aliadas para quem quer administrar o dinheiro com inteligência. Se o seu perfil é mais conservador, investir em renda fixa é uma possibilidade.

Para os que estão dispostos a correr riscos, vale pesquisar sobre o mercado de ações. O importante é garantir que o seu dinheiro renda e, com ele, traga o que você planeja a curto, médio e longo prazo.

Dora Ramos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Ótimas dicas Dora. São passos simples e essenciais para colocar as finanças em dia.

    Um grande abraço!