Reflexões sobre a falta de tempo, o trabalho e vocêO tempo tem sido objeto de discussão há muitos séculos. O filósofo Kant o concebia como a constituição de sensações resultantes do nosso estado de consciência; Einstein falava que passado, presente e futuro são ilusões. O tempo, na minha concepção, é um recurso norteador de ações e uma das referências em nossa existência.

Dentro das inúmeras possibilidades de atuação cotidiana, em muitos momentos o tempo passa a ser um opressor de todos nós. Como no filme “Alice, no país das maravilhas”, agimos tal qual aquele coelho: sempre correndo, atrasados e com a certeza de que “é tarde, é tarde, é tarde!“. Quando essa agitação e correria chegam às atividades de trabalho, a questão fica mais complexa, pois compromete toda a estrutura do sistema.

A questão da administração do tempo é um dos desafios para as empresas. É muito comum a pressa na execução das atividades por conta dos pedidos “para ontem”. Clientes esperam serviços rápidos e com qualidade, gestores querem alto desempenho e os funcionários acabam estressados em meio a tantas cobranças!

Como acredito que um dos fatores para melhorar a administração do tempo dentro das empresas passa inevitavelmente por como cada funcionário lida com o seu próprio tempo, trago nesse artigo informações um pouco filosóficas para essa questão.

A “doença do tempo”, no olhar do escritor John Wagner Lii – autor do excelente livro “Comportamento Organizacional: Criando Vantagem Competitiva” (Ed. Saraiva) -, é um dos desafios contemporâneos, em especial na dimensão pessoal. Os sintomas dessa “doença”, decorrentes da dinâmica da vida moderna, são:

  • A falta de tempo para si e para desempenhar seus papéis;
  • O medo de perder tempo e a culpa de não dar conta de tudo que lhe é designado;
  • O excesso de tempo e a dificuldade em aproveitar os momentos livres.

Alguém se identifica com um desses sintomas? Eu me encontrei em todos! Wagner Lii nos dá uma pista para vivermos melhor essa realidade fast:

“A reflexão é a base do autoconhecimento e da construção de uma visão de realidade mais livre. O planejamento é a chave para organização pessoal e para o cumprimento de compromissos consigo e com os outros. A atenção ao presente é a única maneira de viver com qualidade, pois é só presente que se vive”.

Continuando a discussão do fator tempo, o mesmo autor o categoriza com o objetivo de provocar nas pessoas uma mudança de padrão:

  • O tempo apressado e a vida saturada: a velocidade de informações e o acesso fácil a elas acabam levando o indivíduo a buscar múltiplas tarefas. Isso provoca a saturação do tempo com muitas atividades e a dificuldade em estabelecer prioridades. Dica: não se torne vítima do tempo e repense seus objetivos de vida;
  • O tempo fragmentado e a vida superficial: a pressa torna-se vício e a vida passa a ser vista muito superficialmente. Puras e rasas imagens. Um modo de funcionar onde a vida sem urgência perde a graça. Agir rápido acaba sendo melhor do que agir adequadamente. O foco é o culto ao instantâneo. Dica: recupere a capacidade de perceber, de olhar com tranqüilidade e a não funcionar somente no automático;
  • O tempo sincronizado e a vida amarrada: trabalhar em equipe é essencial para as empresas, mas essa habilidade interpessoal[bb] acaba colocando em risco a liberdade. Dica: observe a linha tênue entre a sua colaboração e a sua subjetividade;
  • O tempo repartido e a vida quebrada: a vida está dividida em horários, muitos horários. Isso leva os indivíduos a tornarem-se escravos de tantos compromissos, um agir no futuro que compromete o presente. Dica: atenção às prioridades;
  • O tempo, o consumo e a vida vazia: alguns valores da sociedade de consumo levam os indivíduos em seu tempo livre a serem “obrigados” a comprar. Dica: o lazer precisa ser algo a se aproveitar e não algo para ser consumido. Atenção às finanças pessoais.

O importante é saber que com respeito à subjetividade e um planejamento pessoal do tempo, podemos nos tornar cidadãos mais críticos e centrados. A busca pelo equilíbrio através do autoconhecimento é base para uma administração do tempo mais eficaz. Ter consciência que em certos momentos precisamos “ir mais rápido” e em outros podemos “ir com mais calma” pode ser um caminho para uma vida mais leve e feliz.

Convido você, caro leitor, para participar dessa troca de idéias. Conte-nos como encara o tempo e como lida com as pressões do dia-a-dia. Sucesso e até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários