Outubro é mês de celebrar com as crianças. Dar um passeio diferente, fazer uma festinha, comprar um brinquedo muito desejado, tudo isso pode.

O problema é que o entusiasmo e os pedidos especiais desse período criam um aumento expressivo de gastos extras quando somados às despesas tradicionais. Por isso, esse é um bom momento para criar familiaridade entre a criança e o dinheiro, cuidando para que eles não se tornem consumidores compulsivos.

A maior fragilidade dos pais na educação financeira é atender a qualquer pedido dos pequenos em situação de compra, mesmo que isso comprometa o orçamento familiar. Dessa forma, é prioridade garantir que os filhos saibam da real situação financeira e os seus limites.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Diálogo direto com as crianças é fundamental

A estratégia é sentar com eles e compartilhar as principais informações do orçamento atual, sempre respeitando sua idade e capacidade de entendimento. Deixar de falar abertamente sobre o tema ou de esclarecer limites é dar espaço para que aflorem ilusões na criança.

É no período de desenvolvimento que os filhos devem aprender a diferença entre preço e valor. Ensiná-los a pesquisar antes de decidir pela compra e incentivá-los a criar uma poupança para comprar algo desejado ou realizar um sonho também são pontos cruciais.

eBook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

Mesada uma ferramenta de aprendizado

Esta é a função da mesada, que visa vincular despesas ao valor disponibilizado para que a criança ou adolescente exercite cada escolha de investimento e aprenda a poupar.

Um bom exemplo são casos em que a criança recebe um valor fixo para comprar o lanche escolar. Este valor, entretanto, não pode ser muito alto, pois isso provoca o comportamento irresponsável diante dos gastos.

Além disso, é importante lembrar que o exemplo é uma ótima forma de educar. Se os pais exercitam uma postura consciente com relação aos gastos no dia a dia, fica mais fácil passar esse conceito aos filhos.

Criar uma boa preparação para gerir seu próprio dinheiro implica distinguir e explicar as perdas do consumo por impulso, como comprar algo desnecessário e posteriormente deixar o objeto em um canto da casa, sem utilidade.

eBook gratuito recomendado: Pai, Dinheiro!

O planejamento sempre em primeiro lugar

O mesmo acontece quando se adquiri um produto por seu valor sazonal, ou seja, porque está na moda, sem mesmo perceber se gosta ou não daquela mercadoria. Por isso, é indicado abusar no planejamento das escolhas e incentivar a conversa sobre gastos.

Vale ressaltar, contudo, que não há uma regra que se aplique a todas as famílias, pois tudo dependerá da maturidade dos filhos e da capacidade financeira dos pais.

Até a próxima!

Dora Ramos
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários