Conversei com a Heloísa Capelas, do Centro Hoffman, recentemente. E num papo sincero de algumas horas, regado por um bom café, falamos sobre pontos fundamentais relacionados ao desenvolvimento humano.

A Heloísa é conferencista, autora de “O Mapa da felicidade”, e “Perdão: a revolução que falta”. Também é especialista em desenvolvimento do potencial humano e diretora do Centro Hoffman, através do qual ministra o Processo Hoffman, cuja próxima turma – e última do ano – será em Petrópolis (RJ) em novembro.

O Processo Hoffman é uma metodologia que reúne conhecimentos de uma série de áreas diferentes para ajudar os participantes a identificarem crenças limitantes e barreiras emocionais. E o que tudo isso tem a ver com o leitor do Dinheirama?

Leia também:

O passado e nossa relação com o presente

Você sabia que nosso passado, mais especificamente aquele que existiu até os nossos 12 anos, tem tudo a ver com quem somos hoje, inclusive quando se trata de nosso comportamento relacionado a dinheiro?

Sabia ainda, que a forma como ganhamos (ou não) atenção de nossos pais pode influenciar na forma como curamos as nossas carências hoje (em compras talvez)? E que é preciso perdoar o nosso passado e as pessoas que nos criaram para seguir bem melhor?

Separei 10 pontos importantes do papo com a Heloísa para que possamos refletir juntos. Vamos lá?

1- A infância nos influencia

Aqui no Dinheirama sempre falamos sobre a herança financeira que carregamos, sobre as crenças e preconceitos que acumulamos, e não é novidade que tudo que somos hoje foi construído ao longo do tempo, certo?

A Heloísa explica que da concepção até os 12 anos, tudo que aconteceu na infância nos construiu. “Nascemos com 30% do cérebro e o resto só fica pronto por volta dos 12 anos, portanto, tudo que ocorreu tem influência, como o fato de você ter tido irmãos, ser o filho mais velho ou o caçula, ter sido criado por avós, tios, e etc. entre outros exemplos”, diz ela. A boa notícia é que sempre é possível ter conhecimento do que carregamos e “deixar para trás” os pesos que não precisam nos atrapalhar na jornada.

2- Aprendemos por repetição

Nós aprendemos por cópia e repetição. Uma criança nasce pronta para amar e ser amada e, se é amado, vai desenvolver um vínculo de amor com quem a amou. “O amor incondicional é de filhos para pais segundo Bob Hoffman, criador do Processo, porque uma criança está desconectada de preconceitos e amarras e precisa de amor para sobreviver”, explica Heloísa. Ou seja, mais do que nunca vale ressaltar o quanto as nossas ações servem de exemplo para as crianças que nos rodeiam também.

Se você está obtendo um pouco mais de conhecimento sobre a questão, procure colocar em prática as ações que gostaria que fossem repetidas. Não adianta dizer uma coisa e fazer outra, combinado?

3- O amor condicionado estraga, assim como o mimo excessivo

O amor que está condicionado a uma série de coisas é muito comum e faz toda diferença na vida de alguém. “Se você só recebe amor a partir de uma série de condições, quando adulto também começa a fazer isso. É o tal do “Eu te amo se você seguir tudo que eu falo”.

Existe também o amor do mimo, que gera adultos credores, que querem ter tudo na mão sem esforço. Muito cuidado com o tipo de amor que você tem repassado por aí, e avalie se você não pertence a uma destas categorias citadas também. Sempre é tempo de melhorar!

4- As inteligências precisam estar em equilíbrio

Para Bob Hoffman, existem 4 inteligências: a física, a espiritual, emocional, e a intelectual. Nascemos somente com as duas primeiras, sendo que as outras ainda precisam de neurônios para funcionar.

A emocional, por exemplo, cresce até a alfabetização, a partir daí, toda atenção é voltada para a inteligência intelectual. “Uma criança de 6 pode chorar, uma de 10 já não pode, aprende que é melhor guardar as emoções”, explica Heloísa.

O equilíbrio dessas partes é essencial para uma vida plena. Ainda assim, 70% de nossas escolhas são emocionais (usando exatamente aquela inteligência que parou lá no passado), assim como a maior parte dos investimentos. “Não é com a cabeça como as pessoas pensam. É importante a gente se conhecer e saber onde tudo começou, porque está fazendo determinadas coisas”, afirma.

5- Podemos mudar ou melhorar a qualquer minuto

Em teoria, estamos prontos aos 12 anos de idade. Mas que mentira, não é? Provavelmente você, assim como eu, jamais se acharia pronto nesta idade. Mas a questão é que já temos nosso sistema nervoso funcionando, só que apenas entre 7% e 10% de consciência, segundo explica Heloísa.

É por isso que nos autoconhecer é tão importante para a tomada de decisões melhores. “O interessante é que podemos mudar a qualquer momento. A plasticidade cerebral permite mudanças um minuto antes de morrer”, lembra Heloísa.

6- Escolho o que fazer a partir do que sei

Um ponto importante que talvez você já tenha entendido é que ninguém é o que é sem razão.

Tudo que vivemos nos define! Mas uma vez que se tenha entendimento sobre isso, o positivo é que a vida adulta não deve nos formar a não ser que queiramos, que escolhamos. “Ou entro em processo de vingança por conta de tudo que me aconteceu ou escolho transformar, perdoar, seguir em frente em uma melhor versão”.

7- Cuidado com expectativas em cima do outro

Outra questão importante está relacionada a quanto você se sente alvo de expectativas ou joga expectativas nos outros. “Vejo mães dizendo seriamente: “meu filho é tudo para mim”, e  tenho pena da criança, pois se alguém é tudo para o outro, não pode ser nada para si mesmo. Em muitos casos, gera-se rebeldia ou passivos que não fazem nada da vida, pois estão na mão da mãe”.

Cuidado, portanto, com o quanto você decide os caminhos das crianças que estão ao seu redor sem ligar para a vontade delas na vida. E avalie também o quanto você teve liberdade de seguir os próprios caminhos e se não está na hora de fazer isso, ok?

8- Entre 35 e 55 é a idade do questionamento

A Heloísa Capelas explica que entre os 35 e 55 anos vivemos a idade dos maiores questionamentos. “Tem pessoas com 35 que já casaram, tiveram filhos e sucesso profissional. Aí elas se questionam se a vida é só isso. É uma população que já fez o que queria, ou fez e não está dando certo.

Há muitos profissionais frustrados e com a vida familiar destruida, ou mulheres que já não têm mais a função maternidade e não sabem o que fazer.

Qual o começo agora? Além disso, entre 35 e 55 é a fase em que o próprio sistema hormonal faz com que tomemos decisões erradas. Já depois dos 55 olhamos o mundo de cima, sabemos que as coisas passam. Enquanto estamos no meio não conseguimos enxergar”, diz ela.

9- Qual a sua missão individual de vida?

Qual a sua missão? Você tem coragem de fazer certas escolhas para avaliar se está no caminho certo? A Heloísa explica que só dá para saber se fizemos boas escolhas lá na frente. “E se não der certo? Enquanto não fizer jamais vai saber.

Se der errado, volte e peça perdão. As pessoas querem um caminho seguro para seguir, mas isso não existe. O que é seguro? Muitas pessoas, por exemplo, trabalham com os pais em um império construido antes, mas são infelizes.  Tudo tem um preço, muitas vezes é uma gaiola de ouro”, define.

10- Aceite o que está ruim. Seja grato pelo que está bom

Finalmente, dentro destes 10 pontos que separei para o artigo, há um muito importante, sobre a gratidão. Heloísa ressalta que precisamos lembrar que não existe uma dor geral na vida, mas apenas uma parte ruim de cada vez.

É preciso ter inteligência emocional para aceitar e viver o que está ruim, sendo grato pelo restante. “A não-inteligencia o que faz? Se eu perdi um amor, detono minha relação com meus pais, não rendo mais, perco o emprego, tenho insônia, destruo toda minha vida. É preciso ver que se trata de algo circunstancial.

Choro aqui e rio ali, até que aquela parte cicatriza. Tenho que reconhecer que estou triste, mas graças a Deus tenho outras coisas: tenho que respirar, conversar, trabalhar. A vida é isso, isso é inteligência emocional, trata-se de conseguir conhecer e gerenciar minhas emoções. Aí a gente consegue dar conta do que tem que passar e o caos vira aprendizado”, conclui.

*Para saber mais sobre o Processo Hoffman: https://processohoffman.com.br/

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários