Bolsa de Valores: Como ficar longe de uma corretora ruimAlgumas corretoras da bolsa de valores brasileira, a BM&F Bovespa, logo de cara mostram o quão boas são. Com preços competitivos, milhares de clientes pelo Brasil afora, vários prêmios da mídia e plataformas gráficas avançadas, não é difícil entender o motivo de tanto sucesso. Só que para cada corretora de qualidade, sempre existem umas três de péssima qualidade.

E nesse post convidado, dedicado especialmente aos leitores do Dinheirama, eu compartilharei algumas dicas para que um investidor[bb] esperto como você aprenda a evitar uma corretora ruim com uma facilidade maior.

A) Julgue pela aparência
Em primeiro lugar, nenhuma corretora dirá que os seus serviços são ruins. Por isso devemos prestar atenção aos sinais e aos pequenos detalhes. O mais óbvio deles é a aparência do site da corretora. Uma corretora ruim raramente dedica muito tempo à criação de um site decente e intuitivo.

Logo, quando um investidor iniciante for procurar por informações, até uma encontrar uma simples tabela de preços de corretagem se tornará uma missão de guerra devido a péssima disposição dos elementos do site e um relaxo por parte dos responsáveis.

Um site desorganizado costuma indicar uma empresa desorganizada e, consequentemente, imprópria para os seus investimentos. Então preste atenção na clareza das informações, facilidade de encontrar FAQ’s, preços e formulários de contato.

Certifique-se também de que o site da corretora (ou pelo menos a página de abertura de conta) possui um certificado SSL válido (ícone de um cadeado na barra de endereços ou barra de status inferior).

Agora, os outros sinais infelizmente não são tão óbvios. Como por exemplo, o sinal do home broker.

B) Faça um “Test Drive” no home broker
Qualquer investidor que se preze abre uma conta numa corretora da bolsa de valores[bb] só depois de dar uma boa testada na plataforma home broker oferecida pela empresa, nem que seja apenas um “test drive” de alguns minutos.

Depois, caso a plataforma seja muito ruim ou se os corretores nem deixarem você testá-la, é natural que o seu “alarme mental” comece a apitar: “Opa, não gostei e tem algo de errado aí!”, “Wow, se eles não me deixam nem testar, então DEVE se tratar de um produto de baixíssima qualidade!” e por ai vai.

Será que você deve arriscar? Não. Sendo assim, se os corretores querem ver o seu dinheiro antes de te mostrarem como é o produto, use o seu bom senso e procure uma corretora mais honesta, que te deixa “brincar” na plataforma para ver como ela funciona, que oferece bônus e, em resumo, se esforça para conquistar seus clientes (você).

Para terminar, se a plataforma utilizada for uma dessas populares como a Apligraph, certifique-se de que a corretora está usando a versão mais atual do sistema ou, pelo menos, uma que não seja ofensivamente ultrapassada.

C) Conheça a reputação da corretora
A terceira dica é prestar atenção em como a empresa trata os outros clientes, já que uma corretora decente é conhecida pelos elogios dos seus clientes e não pelas suas reclamações. Para descobrir o que o mercado acha da corretora X ou da Y, a melhor ferramenta é, previsivelmente, a Internet.

Pesquise em fórums na Internet o que as pessoas acham da corretora em que você considera abrir uma conta. Você não tem ideia de como uma simples pesquisa, de apenas 15 minutos, pode tirá-lo de uma furada e apontá-lo para um caminho mais seguro e profissional.

Preste atenção nos problemas que os usuários reportam e, mais importante, se eles foram rapidamente resolvidos ou apenas deram dor de cabeça aos usuários. É claro, tome cuidado com opiniões suspeitas. Se uma corretora é recomendada demais, é possível haja alguma manipulação, então fique de olho e, novamente, use o seu bom senso!

D) Teste o atendimento
Minha última dica para você evitar uma corretora ruim diz respeito ao atendimento da tal corretora. É óbvio que ligar numa filial e perguntar como é a qualidade do atendimento não resolve o problema, pois nesses casos a resposta sempre será a mesma: “Nós somos os melhores… DO MUNDO!!!”.

Porém, não custa nada ligar na corretora e pedir informações. Ao ligar, preste atenção na velocidade do atendimento, conte quanto tempo você fica ouvindo aquelas típicas musiquinhas de espera ou, então, pergunte quanto tempo leva para a corretora devolver seu dinheiro quando você estiver disposto a retirá-lo.

Tente descobrir também quanto tempo levaria para você ser transferido para um corretor da mesa no caso de querer vender alguma ação a descoberto ou para o caso de algo acontecer com sua Internet[bb] e você precisar vender ações com urgência. Não pule este passo, pois é importantíssimo saber se a corretora tem a capacidade de ajudá-lo nos momentos mais sérios.

Enviar um e-mail pode funcionar muito bem e com certeza é mais fácil, porém no dia em que demorarem para responder, você irá se arrepender de não ter testado o atendimento através do ultrapassado telefone.

Meu conselho final é: siga cuidadosamente esses passos e adicione os seus próprios se achar necessário. Dessa maneira, quando você abrir uma conta numa corretora, as chances de fazer uma ótima escolha em vez de entrar numa fria serão muito maiores.

E como um investidor que usa uma boa corretora não sente nem um pingo da dor de cabeça daquele que escolheu sem pensar, não deixe isso para depois. Use seu tempo e escolha hoje uma boa corretora para não se arrepender amanhã. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários