Hoje falaremos aqui de um tema bastante procurado: os dividendos. Basicamente, os dividendos são parte dos lucros da empresa atribuídos aos seus acionistas.

Quando as empresas apresentam lucro, o Conselho de Administração, em assembleia, determina se irá investir este valor (referente ao lucro) no negócio ou pagar os dividendos aos acionistas. Por lei, as empresas de capital aberto são obrigadas a distribuir pelo menos 25% dos lucros.

Em grande parte dos casos, empresas que apresentam ou têm um histórico de resultados mais consistentes (ou previsíveis) costumam distribuir uma parte maior de seus lucros em função de uma necessidade menor de realizar investimentos na empresa.

Como exemplo, temos as companhias do setor de energia elétrica, que costumam realizar seus gastos em manutenção visando a melhoria na gestão da companhia, mas longe de realizar um investimento pesado como em empresas de outros setores, como varejo ou indústrias.

Uma questão interessante e que nos perguntam frequentemente é referente à frequência de distribuição dos proventos pelas empresas. A resposta mais correta é que não há uma regra para isso; as empresas negociadas em bolsa distribuem aos seus acionistas dividendos de forma mensal, trimestral, semestral e anual.

Algumas empresas antecipam valores referentes ao ano seguinte e propõem uma distribuição em valores prefixados, como tem ocorrido com a Vale, que pagou nos últimos anos um valor fixo, determinado nos meses de abril e outubro – ainda assim não existe garantia de que a empresa manterá tal regra.

Em geral, as empresas costumam deliberar o pagamento em assembleias com a presença do Conselho de Administração, após apresentação dos resultados trimestrais.

Neste ano, criamos um material gratuito com dicas para quem quer começar a investir em ações, e os dividendos são parte destas lições. Clique aqui para acessar gratuitamente o material.

Indicadores para entender os dividendos

Falando dos indicadores mais utilizados no mercado, são dois os mais empregados para descrevermos o “mundo” dos dividendos: o Dividend Yield (DY) e o índice payout. O DY refere-se a divisão do valor corrente da ação pelo valor distribuído por ação. Seu resultado se dá em % anual.

Por exemplo: o valor das ações da Petrobras (PETR4) está em R$ 8,20 e a somatória do dividendo por ação nos últimos 12 meses foi de R$ 0,82. Portanto, o DY no período foi de 10%. Para informação, quanto mais alto este índice, maior o valor do dividendo pago.

Já o índice payout refere-se ao % distribuído do lucro líquido obtido pela empresa no respectivo período. Por exemplo: Pão de Açúcar apresentou lucro de R$ 100 milhões em um respectivo período e seu Conselho de Administração deliberou distribuir R$ 30 milhões aos seus acionistas em forma de dividendos. Portanto, o payout no período foi de 30%.

Para quem indicamos ações visando dividendos

As ações consideradas boas pagadoras de dividendos são mais indicadas para investidores que queiram acumular patrimônio. Há quem, após receber estes pagamentos, decida recomprar ações (da mesma empresa ou de outra negociada em bolsa) e também os que preferem contar com os dividendos como parte de seu fluxo de caixa pessoal. Em geral, os aposentados costumam se encaixar mais nesta segunda posição.

Se você quer investir em ações com segurança e de forma lucrativa, não deixe de baixar e ler o material gratuito que criamos sobre a bolsa de valores (clique aqui para download).

Carteiras recomendadas

Dentro do mercado financeiro, as instituições financeiras, como corretoras e bancos, costumam indicar carteiras recomendadas de dividendos mensais, trazendo assim opções aos seus postulantes e inclusive apontando um amplo campo estudado por analistas de mercado.

Na Corretora Rico, onde trabalho e sou responsável pela análise de empresas e cenários, a carteira de dividendos mensal já tem 4 anos (48 meses) e possui uma taxa de retorno formidável de 58% no período, contra um retorno negativo de 14% do Ibovespa, o principal índice da bolsa brasileira, o que dá uma certa tranquilidade ao investidor novato em bolsa e o faz querer entender mais sobre o tema.

A apuração da rentabilidade em cada mês se inicia desde o 1º negócio da ação no mês e vai até o último movimento do ativo naquele mesmo mês. Portanto, assim como em qualquer profissão, entendimento, estudo e acompanhamento do mercado ajudam a trazer consistência nos resultados e são a prova de que esses fatores podem trazer bons frutos ao investidor que opta por empresas pagadoras de dividendos.

Nota: Esta coluna é mantida pela Rico.com.vc, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “Investing”, Shutterstock.

Roberto Indech
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários