Lançar uma startup é, para todas as intenções e propósitos, uma das coisas mais difíceis que você provavelmente fará em sua vida. É um salto gigante de fé e que envolve um constante processo de aprendizagem enquanto o seu negócio existir.

Sem mencionar que a paixão por sua startup tende a desgastar com o passar do tempo, principalmente diante de todas as pesquisas, planejamento e ações de marketing online que você precisará fazer antes do lançamento.

E sem pensar, você provavelmente ficará preocupado se você perder ou esquecer de incluir algo crítico nos seus planos.

Neste artigo, eu juntei algumas coisas simples que devemos fazer (e evitar) para ajudar a navegar pelo mundo das startups. Começar um novo negócio é sempre um risco, mas isso é o que faz ser tão divertido e gratificante no final.

1. Faça sua pesquisa

Muitas pessoas geralmente pensam que uma boa ideia é tudo para começar um negócio. Mas ideias são tão comuns e há chances, mesmo se você pensar que tem uma ideia verdadeiramente única, de alguém ter pensado na mesma coisa antes.

Facebook? Sites de relacionamentos e Friendster eram muito melhores que a média.

Amazon? eBay veio primero.

A questão é que essas ideias são fáceis de encontrar. Mas a execução é algo que pode levar uma ótima ideia ao nível de um grande negócio. E para a execução acontecer, você precisará de uma pesquisa de mercado, e quais basicamente respondem essas perguntas?

  • Há mercado para meu negócio?
  • Você entende seu mercado alvo? (Eu falo sobre isto em detalhes no meu artigo Entendendo o Psicológico do Consumidor).
  • Quais são meus produtos e serviços?
  • Quais problemas meu negócio soluciona?
  • Existe mais alguém fazendo isto?

Sem uma pesquisa precisa, você não pode fazer uma fiel previsão da disposição do mercado, o que pode conduzir ao desastre nos primeiros meses da existência de sua startup.

2. Não suba em popularidade

Uma das maneiras mais rápidas de uma startup falhar em seus primeiros meses é perseguir a mecânica do produto em vez de responder à demanda e explorar a razão para o produto existir.

Se você pensa que a mecânica do produto de um aplicativo de compartilhamento de fotos vai funcionar em um aplicativo de compartilhamento de vídeo e quer criar sua startup em torno dessa premissa, você está tomando um risco enorme.

Apenas não pense tanto em popularidade e não copie as últimas tendências. Em vez disso, faça sua pesquisa focada no que os consumidores precisam, usando os resultados para desenvolver uma maneira de sanar suas necessidades.

A necessidade deve determinar o produto, não o oposto. Em outras palavras, você não deve fazer suposições baseadas em um modelo de produto seguro e criar um novo produto esperando que seja o mesmo.

Leitura recomendada: Valuation e startups: o que é, como funciona e a importância disso no seu dia a dia

3. Tenha um parceiro

Fundadores únicos quase sempre acharão impossível obter financiamento. Não é uma coincidência a razão de startups bem-sucedidas serem formadas por no mínimo 2 fundadores.

  • Apple? Steve Jobs e Steve Wozniak;
  • Facebook? Mark Zuckerberg, Dustin Moskovitz, Eduardo Saverin e companhia;
  • Snapchat? Evan Spiegel, Bobby Murphy e Reggie Brown;

Em um dos meus artigos mais antigos, o Novo Guia Para Encontrar o Parceiro Ideal de Negócios, eu enfatizei como a força de trabalho sempre será um desafio grande para as startups, que estão geralmente sem dinheiro e deste modo não tem os recursos para contratar pessoas talentosas.

Assim, um parceiro de negócio é uma solução natural, pois você pode ter alguém para compartilhar o trabalho sem se preocupar em pagar – pelo menos até você obter financiamento.

Em muitos anos de negócios, eu tenho aprendido em primeira mão porque muitas parcerias de negócios fracassam, com razões se estendendo por diferenças pessoais, comunicação pobre, confrontos, diferentes objetivos e falta de tempo.

4. Não vicie-se em feedback positivo

Muitos fundadores de startups estão prontos para ficarem exaustos pelo potencial dos seus clientes, pares e riscos capitalistas, mas o que muitos deles não esperam é ter uma tonelada de feedback positivo.

Enquanto é sempre bom ouvir feedback positivo, eu tenho visto como presidentes de startups caem em armadilhas de confirmação de preconceitos, especialmente nos primeiros estágios de sua startup.

O que acontece é que o presidente, que naturalmente ama feedback positivo, sobrevaloriza as coisas boas que pessoas têm que dizer sobre sua empresa, o que afeta suas decisões e julgamentos.

Porém, a menos que o feedback positivo na verdade se traduza em vendas ou financiamento, tudo o que você tem são palavras. Palavras gentis, mas palavras que não possuem nenhum efeito.

Intriga X apelo

Se um capitalista de risco ou um interessado olha para o seu produto, diz que ele é emocionante, mas na verdade não investe em sua empresa e nem paga pelo seu produto, você tem algo que é intrigante, mas não o suficiente para garantir dinheiro.

Você verá este cenário muitas vezes no mundo das startups: prometer empresas com ideias animadas, que falharam por falta de foco; ou criar um produto caro, mas que na verdade não resolve problemas (e não vende).

Ebook gratuito recomendado: Freelancer: Liberdade com muito trabalho e resultados

5. Seja cuidadoso nas contratações

Como um proprietário de uma startup, é importante manter os ouvidos abertos para os talentos que apenas estão esperando para serem explorados.

Contudo, talento é apenas uma das partes da equação. Ética de trabalho, treinamento e uma visão compartilhada são fatores importantes na hora de escolher um membro para seu time. Então, como começar?

Referências oferecem uma ótima maneira de medir a confiança do candidato. Quando olhar para o currículo, procure sempre uma referência de um antigo chefe ou um empregador anterior.

Lembre-se que a reputação da sua startup é uma das suas principais barganhas, então é importante para um candidato ter pessoas que possam assegurar este fato.

Você pode encontrar mais pistas para contratar funcionários no meu artigo 6 Características que Todo Funcionário Deve Ter.

6. Não subestime o valor da assistência jurídica

Uma batalha jurídica é provavelmente a coisa mais desastrosa que pode acontecer na sua startup. Mesmo se você for completamente inocente, isso não mudará o fato de que um processo pode durar de meses e até anos.

Essa é uma distração que pode prejudicar o potencial da startup, tirar dinheiro que poderia ser usado em P&D ou Marketing. Simplesmente entenda que ações judiciais são caras, demoradas e exaustivas. Acredite em mim, eu aprendi isso da maneira mais difícil.

Então, mesmo que você ache que não precisa de ajuda agora, tenha um advogado confiável no seu time assim que possível. Quando as coisas desandarem, pelo menos você terá alguém de prontidão para te representar e ajudar a proteger seu negócio, suas ideias e seus bens.

7. Invista nas ferramentas certas (não economize)

Startups precisam fazer investimentos severos mesmo nos primeiros estágios, por isso o financiamento é tão importante.

Em investimentos, eu não estou me referindo a suprimentos do escritório, mas ferramentas tecnológicas: usuários, marketing SaaS, CMS, software e outras ferramentas similares.

Como você deve saber, estas ferramentas custarão alguns centavos, mas isso não é dinheiro jogado fora. E se você limitar estas ferramentas, os problemas que elas causarão poderão prejudicar sua empresa e custar muito dinheiro lá na frente.

Se o preço de uma ferramenta parecer bom demais para ser verdade, então é mais provável que seja mesmo assim. Atenção, sempre!

8. Não seja tão ansioso para se mudar para um escritório

Muitas das maiores corporações do mundo tiveram um humilde começo. Eu não estou falando de “garagem humilde”. Então não há nenhum motivo para ser inseguro sobre não ter um endereço de escritório.

E além disso, quem precisa de um escritório quando podemos ir longe? Quando seus recursos e a entrada de dinheiro estão baixas, você precisa tomar medidas drásticas para assegurar a sobrevivência da sua startup.

Se você olhar para a relação custo-benefício de um escritório, parece não ser uma necessidade; se você fizer as mudanças certas na sua empresa em termos de processos de negócios, contratações e cultura da companhia, as coisas podem se encaixar melhor.

Na verdade, escritórios são supervalorizados, especialmente quando você pode fazer muito com apenas um computador conectado à internet.

Claro, a questão de um caminho sem escritório dependerá da natureza do seu negócio e de suas necessidades únicas. Se você valoriza a interação cara-a-cara com o consumidor e sabe que isso tem um efeito no seu retorno, então ter suas própria sede talvez faça sentido. Talvez.

Leitura recomendada: Coworking: as vantagens de trabalhar em um escritório compartilhado

9. Foque em vendas

Muitos proprietários de startups às vezes perdem a perspectiva do todo, gastando muito tempo em design, website e outras coisas em vez de sair e fechar uma venda. Estas coisas custam dinheiro e, a menos que você tenha um bom cliente para construir seu lucro, você logo esvaziará suas reservas.

Isto pode parecer um senso comum, mas às vezes é algo que deve ser mencionado. Você deve vender antes de qualquer coisa.

10. Não tenha medo de sair e conhecer pessoas

Como um proprietário de uma startup, é absolutamente necessário sair e “sujar as mãos”. Se você está certo sobre precisar de um financiamento, você terá que sair e criar relações com pessoas importantes para sua empresa.

Converse com seus clientes em potencial e descubra o que eles querem quando compram seu produto ou serviço. Pergunte sobre suas necessidades e aprenda como fazer eles felizes.

Você também deve interagir com influenciadores da sua indústria e mesmo com seus concorrentes. Você precisa fazer sua presença conhecida! Você não pode permitir-se ficar num buraco, codificando por todo o dia.

11. Esteja pronto para fracassar

Abrace a possibilidade da sua startup falhar. 90%, ou 9 de 10 startups falham, então as estatísticas não estão exatamente a seu favor.

Mas não deixe isso destruir seu sonho. O segredo é aprender como fracassar – eu sei, isso soa algo que o Dr. Miyagi diria.

Mas é verdade! Fracassar rápido é melhor que fracassar por um período prolongado. Se você está indo pelo caminho errado, é melhor “colidir com a parede” em velocidade máxima. Depois disto, você se levanta, limpa sua sujeira e segue em frente.

A melhor coisa que você pode fazer para sua startup é se preparar para o fracasso, aprender com as experiências e seguir para o próximo passo.

Lembre-se, startups são sobre tentativa e erro. Então, em vez de andar na linha o tempo todo, você precisa aceitar que fará coisas erradas. Apenas tenha certeza de que você não está cometendo os mesmos erros novamente.

Workshop recomendado: Finanças pessoais e empreendedorismo – Workshop lançamento Dinheirama

Conclusão

O objetivo deste guia não é dizer o que você deve e não deve fazer, mas sim ajudar a evitar os erros mais comuns que outros empreendedores cometem.

Isto não deve impedir você de arriscar porque você está com medo de cometer erros, afinal ninguém cresce com uma mentalidade assim.

Todo empreendedor tem cometido e continuará cometendo erros – é assim que o mundo das startups funciona. O segredo, contudo, é aprender com estes erros de startups para minimizar o dano que eles podem trazer ao seu negócio.

Você tem algo em particular que você gostaria de recomendar para as startups?

Neil Patel
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários