Inadimplência encerra 1º trimestre em altaVocê planejou seu orçamento com cuidado antes de realizar as compras de Natal? Sim? Não? Pois, segundo as informações divulgadas pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), as dívidas com as compras de Natal e os pagamentos de impostos contribuíram para que a inadimplência encerasse o primeiro trimestre em alta.

Pelos números divulgados na última terça-feira (9), a taxa de inadimplência do consumidor aumentou em 10,58% em março, na comparação com o mesmo período do ano passado. O crescimento também representa aceleração em relação ao segundo mês do ano, quando o aumento havia atingido 6,65%.

De janeiro a março, a inadimplência cresceu 9,68% em relação ao primeiro trimestre de 2012. Mesmo com esse aumento, o presidente da confederação Roque Pellizzaro Junior não acredita que a inadimplência esteja fora de controle. Segundo ele, o desempenho das vendas continua aquecido e isso contribuiu para o aumento, além do tradicional crescimento nas dívidas em atraso no mês de março.

“Historicamente, a inadimplência tem picos em março, por causa das dívidas do Natal e de compromissos obrigatórios no início do ano, como IPTU e IPVA. Mas parte desse aumento também está associada à expansão do consumo e das vendas. Se as vendas aumentam, parte dela necessariamente se refletirá em aumento da inadimplência”, apontou.

Para Pellizzaro, o índice de recuperação de crédito (pessoas que pagam as dívidas em atraso) é um dos fatores que mostram que a inadimplência não está fugindo do controle. O índice cresceu 7,96% em março ante o mesmo mês do ano anterior. No primeiro trimestre desse ano, a alta acumulada soma 7,47% em relação ao mesmo período de 2012.

A estabilidade do mercado de trabalho e o aumento da renda média, segundo o presidente da confederação, trazem um ambiente de confiança para que os brasileiros consigam quitar as dívidas e a inadimplência não fuja do controle.

“A inadimplência está crescendo, mas associada à recuperação de crédito, está em níveis aceitáveis. Não vejo risco de que a inadimplência dispare”, acrescentou.

Evite a inadimplência

Como você bem deve saber, a inadimplência não é saudável para suas finanças. Endividamento é um assunto bastante delicado dentro de finanças pessoais. Ele requer uma atenção especial para você fazer seu orçamento.

O Dinheirama já publicou uma série de artigos que aborda não só o tema de endividamento, como também como limpar seu nome e planejamento financeiro que evita inadimplência. Separamos alguns textos que podem ajudá-lo a lidar melhor com seu orçamento:

Cartão de crédito para pagamento de contas: um péssimo negócio – Entenda como o mau uso do cartão de crédito para pagamento de contas pode ser um péssimo negócio para suas finanças pessoais.

Como renegociar dívidas através da internet – A tecnologia está aí para facilitar nossas vidas e agora é possível renegociar suas dívidas através da internet. Entenda como essa ferramenta pode ajudar seu planejamento.

Como acabar com as dívidas em cinco passos – Dívidas são problemas financeiros que angustiam e podem trazer conflitos familiares. Ricardo Pereira mostra como acabar com as dívidas em cinco passos.

Renegociação de dívidas: trocar dívida cara por dívida barata – Veja como a renegociação de dívidas é um processo necessário para sair do buraco.

Fonte: iG. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários