A sua startup fracassou e você julga que fez “tudo certo”? Pois neste artigo irei desmistificar alguns mitos sobre empreendedorismo e você entenderá porque seguir o script considerado perfeitamente correto pode ser o real motivo para o seu negócio não ter engrenado.

Na definição mais clássica, startups tem como características principais serem empresas de base tecnológica, que seguem um modelo de negócios repetível e escalável, possuem elementos de inovação e trabalham em condições de extrema incerteza.

Ao longo dos últimos anos, das startups que pude acompanhar, as que deram mais certo foram justamente as que não se comportaram como “startup”. E você pode estar se perguntado: “O que seria se comportar como uma Startup?”.

De acordo com a Associação Brasileira Startups (ABStartups) nove em cada 10 não sobrevivem. Não é coincidência ou falta de sorte. Subestimar os riscos e superestimar os retornos podem ser o princípio desse arriscado jogo.

Apesar de a internet nas últimas décadas ter permitido que as dificuldades de escala dos negócios e barreiras geográficas fossem superadas, a dinâmica do empreendedorismo não se alterou, ainda sobrevive aquele que inovar e oferecer os melhores produtos e serviços.

Pode parecer óbvio, mas por incrível que pareça, é justamente isso o que muitas startups não estão fazendo. Ao acreditar estarem na “vanguarda” da forma de criar negócios, fazem de tudo, menos negócios.

Leitura recomendada: Não cometa estes 5 erros se quiser ter sucesso como empreendedor

Listo abaixo 5 tópicos que ilustram alguns dos comportamentos que podem ser fatais na condução de novos negócios:

1. Acreditar em atalhos, modelos ou fórmulas mágicas

O próprio conceito de uma startup induz o empreendedor a acreditar que aquele é o modelo de mais fácil para atingir o rápido crescimento. Em outras palavras, enriquecer em pouco tempo.

O viés heurístico da representatividade, tratado no ramo das finanças comportamentais nos ajuda a entender a dinâmica desse “canto da sereia”.

Ao se deparar com uma listagem de casos de sucesso, e os pontos em comuns entre eles, um jovem julga que a probabilidade de ocorrer algo similar é elevada, pois não levam em conta os inúmeros casos de fracassos que não foram noticiados.

Este viés se refere ao julgamento baseado em estereótipos, em que não se avalia a representatividade do tamanho da amostra. O que significar dizer que as pessoas julgam os eventos pela sua aparência e semelhança, não pela probabilidade de realmente acontecerem.

2. Eventos e cursos em excesso

Muitos empreendedores têm passado mais tempo em eventos e cursos de empreendedorismo do que focados no dia a dia do negócio, e em fazer o negócio dar certo e gerar receitas.

A desculpa é que nesses ambientes é possível construir um poderoso networking e ter acesso a incríveis insights e “sacadas” (termo do momento). No entanto, as melhores informações são obtidas na tentativa e erro, na prática do mercado, junto a clientes, fornecedores e parceiros.

A melhor maneira de absorver informações de outros empreendedores não é assistindo sua palestra, mas analisando sua vida real e seus resultados. A observação empírica pode trazer mais insights do que centenas de horas de argumentos.

O palco aceita tudo, a vida real não. Da mesma forma que para construir um networking poderoso e efetivo é preciso ter contato com pessoas chave em diferentes setores, e não se limitar ao “mundo do empreendedorismo”.

Leitura recomendada: 10 coisas sobre empreendedores que você precisa saber

3. O paradoxo da estrutura enxuta

Ao contrário do conceito clássico de startup, é nítido o desejo constante por ampliar a equipe e tornar os processos cada vez mais burocráticos e engessados.

Fotos em redes sociais para demonstrar o crescimento da equipe, ou mesmo da reunião do conselho de administração (isso mesmo, por incrível que pareça há startups que não faturam 1 real, mas que possuem uma organização de governança corporativa de fazer inveja a muitas multinacionais) são cada vez mais comuns, e uma espécie de demonstração de força.

O outro lado da moeda é que qualquer investidor experiente só pensaria em uma coisa, a alavancagem operacional (custos fixos) está exagerada, e o ganho de escala pode estar sendo prematuro.

Muitos estudos demonstram justamente que os ganhos de escalas das empresas consistentes mostram inclusive uma certa estabilidade no número de colaboradores e até mesmo uma redução nas rotinas operacionais (ou seja, elas têm ganhos de produtividade, produzem mais, com menos).

4. O papel do Mentor

A figura do Mentor em alguns casos é utilizada mais como uma grife para a startup do que propriamente os conselhos e recomendações que ele pudesse conceder.

Atuo como Mentor de alguns projetos, e posso falar com toda convicção que meus conselhos não são nada perto do que a experiência empírica de um mundo não linear pode ensinar.

Se já dei algum conselho válido foi justamente recomendar foco em reduzir as desvantagens do negócio e deixar a incerteza e a volatilidade trabalharem a favor.

Leitura recomendada: 9 regras essenciais para o líder empreendedor

5. Investidor anjo, o “All In” dos empreendedores

Quando o investidor anjo se torna o “All In” do empreendedor. Assim como ocorreu na bolha ponto.com, muitos projetos estão subestimando os riscos e superestimando os retornos, e apostando na figura do “investidor anjo” para se salvarem.

Os recursos que deveriam ser utilizados para validar um modelo de negócios, acabam sendo utilizados para cobrir custos fixos e adiar o fim do negócio, com a esperança de atrair uma nova rodada de investimentos.

Dezenas de rodadas de aportes não são garantia alguma de sucesso, como ensinou bem o estouro da bolha .com em 2000, a empresa precisa faturar e lucrar se quiser sobreviver.

Encerro com a frase do início: das startups que acompanhei de perto, as que deram mais certo foram, justamente, as que não se comportaram como startup.

Conclusão

Empreendedorismo exige encarar o mundo real, não perder tempo com modelos e fórmulas mágicas, muito menos desejar “reinventar a roda”, ou seja, querer reconhecimento por oferecer soluções que já existem no mercado, sem qualquer real inovação.

Os verdadeiros empreendedores demonstram humildade e dúvidas, coisas que esperamos de pessoas que estão lidando com a incerteza.

Foto “Integration”, Shutterstock.

Richard Rytenband
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários