As Startups, os empreendedores e os "Recursos dos Deuses"Pouco tempo atrás tínhamos muito mais projetos do que recursos disponíveis para financiar negócios inovadores. Hoje são muitos prêmios, investimentos, subvenções, financiamentos e fundos à disposição dos empreendedores, sejam eles de bancos, governos, grupos privados e iniciativa particular. São investidores: Angel Money, Seed Capital, Venture Capital e Private Equity. São tantos recursos e disponibilidade que os empreendedores estão se tornando especialistas em plano de negócios, “planilheiros”, “orçamenteiros” de despesas e projeções de faturamento. Em 2010, somente no Brasil foram investidos US$ 3,1 bilhões.

Claro, apesar do dinheiro não ser fácil de conseguir e precisar passar (quase sempre) por uma banca de analistas e técnicos competentes, muitos desses negócios “apoiados” não chegam ao mercado. Justamente porque os empreendedores passam a sobreviver apenas destes recursos arrecadados pelos projetos que conseguiram aprovar e alguns se acomodam. Então, em pouco tempo lá estão eles de novo apresentando projeto para novos aportes ou para uma nova fonte de recursos.

Para qualquer investimento deveria ser obrigação a geração de caixa mensal mais imediata (mesmo que pequena ou insuficiente). Vejo a geração de receitas como um dos requisitos principais para financiamentos de startups, já a partir do seu primeiro momento, protótipo ou versão.

O ideal e o propósito do empreendedorismo[bb] estão ficando de lado. Na minha opinião, um empreendedor deve buscar recursos para colocar seu plano em ação e nunca para se acomodar (mesmo que não seja intencional).

Obviamente que as pontas negam esta afirmação. Se perguntar para os fundos, será difícil concordarem com o fato de estarem investindo apenas em planilhas; se perguntarmos para os empreendedores, eles vão dizer que “não”, que “estão focados em fazer o negócio acontecer”. Como investidor anjo, com a experiência de ter investido em vários projetos, posso afirmar que se não for bem amarrado o acordo, acontece exatamente isso que estou dizendo.

Pensando nisso é que minha proposta como investidor[bb] para entrar em um novo negócio, apresentado por um empreendedor, tem alguns pré-requisitos. Veja se você concorda com eles:

  • Brilho nos olhos;
  • O empreendedor do negócio tem que ser o próprio desenvolvedor do projeto;
  • Entro no máximo com 40% de participação;
  • Ter condições de se sustentar independentemente do negócio;
  • Payback máximo de 3 anos, mas a geração de caixa deve ser no curto e médio prazo;
  • Números de pró-labore dentro da realidade de mercado;
  • A projeção de faturamento deve ser pé no chão, considerando o worst case scenario (pior caso possível);
  • As despesas devem ser bem elencadas e pensadas. O empreendedor deve tentar não deixar nada de fora para evitar surpresas;
  • Dedicação integral do empreendedor e foco;
  • Não dou “balão de oxigênio” imediato para garantia de um resultado prometido;
  • Se o negócio ainda está no papel, precisa da mesma forma ser bem dimensionado em relação ao tempo de desenvolvimento e geração de caixa.

Fico muito triste quando percebo uma empresa Startup que não tem nenhum cliente e nada pronto, mas tem várias assinaturas de fundos ou instituições. Seus projetos (na realidade) dificilmente sairão ao mercado ou do papel, simplesmente porque o projeto é lindo do ponto de vista do plano de negócios e das planilhas, mas inviável na prática.

E isso acontece por vários motivos, seja porque é apenas um lindo sonho de ser a “pólvora” ou ter o sucesso do “FaceBook”, seja porque perdeu o “timing”, seja porque o empreendedor não terminou de desenvolver o produto, seja porque se acomodou com o recursos de origem mensal garantida (confundindo com salário) ou simplesmente porque o mercado mudou e a idéia precisa ser ajustada ou renovada, mas de preferência, claro e sempre, com um novo aporte financeiro.

Comparar alguns empreendedores a funcionários públicos (nada contra eles) que tem garantia de “salário” pode ser até exagero da minha parte, mas o que estou vendo no mundo das Startups é muita gente encostada, aguardando uma oportunidade de conseguir o “Recurso dos Deuses“ (cash, grana, dinheiro, investimento). Será que estamos transformando nossos empreendedores em “funcionários públicos”?

Meu avô, no passado distante, dizia: “Ganha dinheiro quem trabalha sentado”. Hoje a realidade é outra. Ganha dinheiro[bb] quem trabalha muito, andando ou correndo atrás. É o clássico “Tire a Bunda da Cadeira” ou simplesmente #TBC. Pense nisso e vamos discutir mais e melhor o assunto? Deixe sua opinião no espaço de comentários e fale comigo também no Twitter: @JoaoKepler.

Foto de sxc.hu.

João Kepler
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários