dinheirama-post-nove-erros-mercado-acoesAs histórias de investidores podem nos ensinar muitas coisas. Algumas estão repletas de sucesso e bons lucros e outras amargam gordos prejuízos. Quando o objetivo é aprender, devemos dar muita atenção a esses acontecimentos, independentemente do resultado – mesmo que seja mais agradável ganhar do que perder. Vão-se os tostões e ficam as lições.

Recentemente, um grande amigo me contou a sua experiência com a bolsa de valores que pode servir para muita gente não repetir as mesmas condutas. Os resultados dos investimentos estão intimamente ligados às condutas das pessoas e sua relação com o risco.

Recorrendo ao acervo das Finanças Comportamentais, podemos entender que elas adotam modelos decisórios baseados principalmente na referência de outras pessoas, nas vivências passadas e também sofrem influências das circunstâncias. O caso deste meu amigo reflete bem estas possibilidades.

Em maio de 2008, o Ibovespa passava dos 70.000 pontos e as notícias na imprensa falavam continuamente na valorização dos papéis. Matérias sobre jovens usuários dos sistemas de home brokers que estavam fazendo boas quantias eram frequentes. A bolsa muitas vezes era assunto na roda de amigos, que sugeriam, opinavam, faziam suas análises e recomendavam suas estratégias.

Justamente neste momento, meu amigo ele recebeu uma quantia de um serviço extra e resolveu aplicar em ações. Sem ouvir nenhum especialista, começou a procurar alternativas pesquisando na Internet. Chegou na Petrobrás, imaginando que o pré-sal seria um grande viés de valorização da companhia.

Depois, leu uma notícia que dizia que a Usiminas iria vender navios para a Petrobrás e também comprou ações desta empresa. Em dois clicks, todo seu dinheiro já estava aplicado. Ele me contou que imaginava comprar e vender regularmente, e que isso seria apenas a primeira operação, mas como todo seu tempo era consumido no trabalho, acabou ficando só nessa.

Depois daquele determinante maio, em função de fatores internos e externos, o Ibovespa começou a declinar. Em outubro do mesmo ano, chegou na casa dos 30.000 pontos e, com ele, as ações da Petrobras e da Usiminas iniciaram uma descida de ladeira acentuada.

Sem querer realizar o prejuízo, esse amigo investidor não vendeu as ações, sempre aguardando uma “melhor oportunidade”. Mas ela não veio e, 64 meses depois, seu investimento vale 27% do valor inicial.

Será que podemos identificar os erros cometidos pelo nosso amigo e com eles aprender? Vamos tentar:

  1. Entrar no momento de pico no mercado talvez não seja a melhor hora. Depois dele sempre vem uma descida;
  2. Seguir a euforia da manada nem sempre é a melhor atitude. Só porque todos estão fazendo, isso não significa que você deva fazer o mesmo;
  3. Não ouvir especialistas e imaginar que sozinho pode ter bons resultados em um mercado altamente especializado;
  4. Decidir somente com base em poucas notícias que saíram na imprensa;
  5. Não considerar a ingerência do governo na Petrobras;
  6. Investir somente em duas ações;
  7. Investir todo o dinheiro extra recebido nesse mercado;
  8. Imaginar que poderia acompanhar seus investimentos sem dispor de tempo para isso;
  9. Permanecer com ações que estão apresentando desvalorização histórica.

Você conseguiu encontrar mais algum erro? Concorda com estes que foram encontrados? Deixe sua opinião no espaço de comentários abaixo e até a próxima.

Foto dollar going down, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários