Mariana comenta: “Navarro, sou novata no assunto de investimentos, embora eu seja uma boa poupadora. Fui abrir minha conta na corretora que você recomendou e precisei responder um questionário sobre meu perfil de investidora. O resultado foi ‘conservador’. Fiquei curiosa sobre esses perfis e não entendi bem quais existem e por que isso é tão importante ao ponto de eu ser ‘obrigada’ a responder esse tal questionário”.

Este assunto do perfil de investidor é um tema interessante e relativamente simples, mas confesso que também sinto falta de esclarecimentos mais adequados sobre isso. Percebi que o tema não aparecia por aqui há um bom tempo e decidi preparar este texto. Vamos lá!

A importância da análise do perfil do investidor

Quando o assunto é dinheiro, todo cuidado é pouco; e quando o dinheiro envolve a participação de terceiros (seja pessoa física ou jurídica), é necessária ainda mais atenção.

Apesar de haver várias iniciativas, como o Dinheirama.com, que têm o objetivo de melhorar a educação financeira da nossa nação, ainda vemos uma grande maioria de pessoas que não sabem administrar suas finanças.

Ferramenta gratuita recomendada: Planilha gratuita de controle financeiro

O resultado dessa falta de informação é que muitas pessoas acabam investindo em alguns produtos financeiros sem entender de fato quais são os riscos envolvidos, e não são raros os casos de prejuízos e “traumas” por agir assim.

Com isso, no caso de perdas ou resultados positivos além das expectativas, essas pessoas costumam culpar as instituições financeiras. Isso é um erro, pois nós somos os responsáveis pela administração do nosso dinheiro. Quem assina o contrato, aperta o botão ou diz “Sim” ao telefone é você; sou eu; somos nós.

De qualquer modo, para minimizar estes problemas, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), que é a entidade que fiscaliza, normatiza, disciplina e desenvolve o mercado de valores mobiliários no Brasil, criou a instrução 539 (clique aqui para saber mais), que fala sobre o dever das instituições financeiras de verificar a adequação dos produtos, serviços e operações ao perfil do cliente.

Esse é o motivo pelo qual todos nós precisamos responder um questionário de análise de perfil de investidor, com o objetivo de diminuir a possibilidade “ficarmos insatisfeitos” com os resultados de um determinado investimento e dizer (ou pensar): “mas eu não sabia…”. Sabia, sim!

Leitura recomendada: Conhecimento: o melhor investimento de todos os tempos

O que são valores mobiliários?

Antes que você fique em dúvida sobre o que significa a expressão valores mobiliários, vou me adiantar, listando abaixo todos eles:

  • Ações, debêntures e bônus de subscrição;
  • Cupons, direitos, recibos de subscrição e certificados de desdobramento relativos a estes valores mobiliários;
  • Certificados de depósito de valores mobiliários;
  • Cédulas de debêntures;
  • Cotas de fundos de investimento em valores mobiliários ou de clubes de investimento em quaisquer ativos;
  • Notas comerciais;
  • Contratos futuros, de opções e outros derivativos, cujos ativos subjacentes sejam valores mobiliários;
  • Outros contratos derivativos, independentemente dos ativos subjacentes; e
  • Quando ofertados publicamente, quaisquer outros títulos ou contratos de investimento coletivo, que gerem direito de participação, de parceria ou de remuneração, inclusive resultante de prestação de serviços, cujos rendimentos advêm do esforço do empreendedor ou de terceiros.

Esta lista foi retirada da lei 6.385, e sei que é um texto chato de ler, mas são informações importantes dentro deste contexto que estamos tratando. Pronto, já foi (risos).

Tipos de perfil de investidor

Agora sim, vamos aos tipos de perfis mais comuns. A maioria das instituições trabalham com apenas três tipos (conservador, moderado e arrojado), mas gosto das análises que incluem mais dois (balanceado e agressivo).

O que diferencia estas 5 classes ou perfis são basicamente a aceitação ou aversão ao risco. Quanto mais disposição de investir em produtos de renda variável, como fundos de ações, bolsa de valores e operações com derivativos, maior o risco e mais agressivo o perfil.

Quanto menos disposição de correr riscos nos investimentos, comprando apenas títulos públicos, letras de crédito ou fundos atrelados ao CDI, por exemplo, mais conservador é o perfil.

Dependendo da combinação entre estes dois extremos, surgem os perfis intermediários. A classificação destes perfis não é algo a ser levado “ferro e fogo”, podendo variar de uma instituição financeira para outra.

Vídeos recomendados: TV Dinheirama – melhore sua vida financeira

Vou apresentar na tabela abaixo uma média entre os perfis, usando termos percentuais e cores (quanto mais verde, mais conservador), para que você tenha uma ideia do que estou falando:

dinheirama-tabela-perfil

Repito: esta tabela é uma média e pode sofrer muitas variações. O seu perfil, inclusive, pode ser um combinação diferente de qualquer uma destas. O importante é você compreender o conceito por trás dessas classificações.

Conclusão

Percebeu que até o mais agressivo dos perfis mantém uma boa porcentagem de seus investimentos em renda fixa? Isso reforça um recado importante para todos nós: tão importante quanto ter lucros, é preservar o patrimônio.

Leitura recomendada: Mais importante do que ganhar é não perder

Assim, independente do seu perfil de investidor, nunca deixe de investir em conhecimento, para que você possa realizar seus investimentos de forma inteligente e podendo sempre utilizar seu dinheiro para melhorar a qualidade de sua vida e também das pessoas que você ama. Abraços e até a próxima!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários