O povo brasileiro possui inúmeras virtudes! Não à toa, os gringos que passam por aqui se encantam com nosso país. Infelizmente, apesar das nossas inúmeras qualidades, possuímos alguns defeitos que prejudicam nossa ascensão no cenário internacional.

Um dos principais defeitos é que não sabemos cuidar bem das nossas finanças. Alguns defendem que há um enorme peso histórico e cultural nesta característica, mas eu acho que a razão é mais simples: nós não nos planejamos financeiramente.

Hoje você irá aprender, em cinco passos simples, a construir um planejamento financeiro capaz de melhorar, de uma vez por todas, sua vida financeira. Acompanhe:

1. Faça um diagnóstico

Todo planejamento que se preze deve começar por um diagnóstico. Da mesma forma que um médico só irá receitar um remédio após descobrir a doença do paciente, nós só poderemos melhorar nossa vida financeira após conhecê-la em detalhes.

É para isso que serve o diagnóstico: para descobrirmos como anda a nossa saúde financeira e, a partir daí, definirmos que “remédio” devemos tomar. Para isso, precisamos apenas responder (descobrir) três questões básicas: qual meu patrimônio atual? Quanto eu ganho? Quanto eu gasto? Respondidas essas três perguntas, você saberá como anda a sua saúde financeira.

2. Defina objetivos

A segunda etapa do planejamento é definir seus objetivos. O diagnóstico diz onde você está, e agora você precisa descobrir aonde quer chegar. Para isso, é necessário definir seus objetivos. Como todos nós temos milhares de objetivos, quando o assunto é dinheiro sugiro que você divida seus objetivos em curto, médio e longo prazo.

Os de curto prazo são aqueles que você pretende realizar dentro de um ano e são mais baratos, como comprar um celular novo, por exemplo. Os de médio prazo são aqueles entre um e cinco anos, como a troca de carro. Por último, mas não menos importante, ficam os objetivos de longo prazo, como a compra de um imóvel ou a conquista da independência financeira.

3. Comece a poupar

Para sair da sua atual situação – diagnóstico – e chegar onde você quer – objetivos – é preciso ter dinheiro sobrando. Por isso, a terceira fase do nosso planejamento é iniciar um plano de poupança.

Mensalmente, você deve destinar uma parte dos seus ganhos para sua poupança, e assim você terá a verba necessária para executar as próximas duas etapas do planejamento. Se você não sabe quanto deve poupar, sugiro que inicie com 10% de sua receita líquida e vá aumentando aos poucos. O ideal seria poupar 30% dos rendimentos.

4. Elimine as dívidas

As dívidas, além de roubar nossa paz de espírito, roubam nossos sonhos! Afinal, deixamos de investir dinheiro para pagar juros aos bancos e financeiras.

Portanto, agora que você tem um plano de poupança, seu primeiro objetivo deve ser quitar suas dívidas, principalmente aquelas com juros mais altos. Assim você terá melhores condições financeiras e psicológicas para construir um futuro financeiro próspero.

5. Invista com inteligência

Agora que você já quitou suas dívidas, pode destinar seu suado dinheiro para algo de valor: sua qualidade de vida, hoje e no futuro! Como o dinheiro poupado não será mais usado para quitar suas dívidas, agora você poderá utilizá-lo para atingir seus objetivos. Você fará isso através dos investimentos!

Se você pretende comprar um novo smartphone, trocar de carro ou ter dinheiro para dar entrada no seu tão sonhado apartamento, não basta poupar, é preciso investir o dinheiro poupado. Dessa forma, você faz com que o seu dinheiro trabalhe para você através do rendimento das aplicações.

Conclusão

Viu como construir seu planejamento financeiro pode ser simples? Em apenas cinco passos você pode mudar sua realidade financeira e proporcionar a si mesmo e sua família o melhor que o dinheiro pode oferecer: realizar sonhos, com qualidade de vida e de forma sustentável. Agora é hora de colocar a mão na massa! Boa sorte e até a próxima.

Foto “Life change”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários