É fato que o mercado de ações parece bastante confuso e arriscado para qualquer pessoa (ao menos à primeira vista). Afinal, o que não falta são luzes verdes e vermelhas a piscar no home broker, indicando altas e quedas vertiginosas, todos os dias, e inúmeras recomendações diárias sobre quais as melhores ações para comprar e vender.

A armadilha do preço das ações

É com razão que a maioria das pessoas tende a ser ludibriada com todo esse estardalhaço. Quem de nós nunca pensou alguma vez: “Tive um palpite várias vezes sobre uma ação, mas não a comprei, e a porcaria da ação dobrou de preço! Aprendi a lição, da próxima vez que tiver um palpite assim vou apostar tudo nele!”. Pois é, sei bem o que é isso…

Infelizmente, essa é uma falsa lição tomada a cabo por muitos marinheiros de primeira viagem nesse mar de cotações e euforias que é a Bolsa de Valores. O resultado disso todos já sabemos: grandes e lamentáveis prejuízos. Gravei um vídeo falando mais sobre isso e acho que você vai gostar de assistir (confira aqui).

O fato é que nossa ambição em conseguirmos ganhos rápidos com o mercado de ações nos faz focar nos preços das ações: pensamos muito no resultado desejado, ou seja, no potencial retorno que gostaríamos de ter.

Nas mãos da sorte e das emoções

Entretanto, o preço de mercado das ações é o produto final dos sentimentos, pensamentos e ações de milhões de indivíduos, todos juntos, em um constante fluxo de ação e reação. Os fatores que influenciam o resultado final dos preços das ações são tantos (e tão complexos), que estão totalmente além da capacidade de qualquer pessoa controlar ou prever.

Seria apelar para a influência da sorte. Isso se torna mais perigoso ainda pelo fato de que somos influenciados pelas nossas emoções ao investir, como mostra a Economia Comportamental. Não é por menos que Benjamin Graham, um dos mentores de Warren Buffett disse: “O maior inimigo do investidor é ele próprio”.

Aprendendo a ver o valor

Investir visando apenas os preços das ações é depositar todo seu risco na sua capacidade de acertar as variações de curto prazo do mercado de ações, o que é muito complexo – para não dizer quase impossível para os pequenos investidores!

Ao contrário disso, quando pensamos em termos do que não está precificado nas ações, ou seja, o quão descolado os preços estão do valor razoável das empresas, nosso risco está apenas na nossa chance de errar esse cálculo da razoabilidade do valor das coisas.

A volatilidade de preços estará, então, a nosso favor! Se comprarmos algo barato, teremos maior margem de segurança no investimento: é como comprar “2 pacotes pelo preço de 1”. O tempo se encarregará de corrigir tais ineficiências e poderemos vender cada pacote pelo seu “preço justo” futuramente.

Esta é a razão que faz o Value Investing (Investimento em Valor) ser uma forma essencial de pensar e agir. Ela é utilizada por praticamente todos os maiores gestores e investidores do mundo. Como diz Warren Buffett: “Preço é o que você paga, valor é o que você leva”.

Conclusão e um convite

É por esse motivo que o investidor inteligente não precisa contar com a sorte para ser bem-sucedido no mercado de ações. Tudo depende de você colocar os preços do mercado a seu favor.

Como diz Seth Klarman, gestor do Baupost Group e discípulo da filosofia de Investimento em Valor: “Um maior risco não garante maior retorno. Ao contrário, risco corrói retorno, causando perdas. O risco por si só não cria retorno sustentável; só o preço pode fazer isso”.

Se você deseja conhecer mais sobre o Investimento em Valor e como pode aplicá-lo de forma simples e inteligente em seus investimentos, convido-o a acessar e assistir a uma série gratuita de vídeos que gravei sobre o tema (clique para acessar). Não deixe de conferir, pois em breve eles não estarão mais disponíveis. Até a próxima. Abraços.

Foto “Trader money”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários