Há alguns dias um dos leitores do Dinheirama nos enviou uma mensagem interessante, que motivou este texto. Afinal, a colocação dele pode ser o pensamento de muitos, e vale uma reflexão sobre o tema.

Ele disse que multiplicar quantidades maiores de dinheiro no mercado financeiro era mais fácil. Desafio mesmo é conseguir aplicar R$ 1.000,00 e obter retornos expressivos.

Existem questões matemáticas interessantes nesta análise. Por um lado, 0,23% de alguma coisa é sempre isso. Por outro, o valor absoluto que este 0,23% representa pode ser bem diferente em função do valor aplicado.

Multiplicando no mercado financeiro

Vamos exemplificar a questão. Gosto de usar exemplos com 1 milhão de Reais, pois esse parece ser um número mágico para muita gente. Dentro de mais alguns anos deixará de ser (se já não deixou). A cada ano que passa, perdemos um pouco do nosso poder de compra (a inflação na prática).

Os 0,23% que usei acima não é um número qualquer. Será útil também para nosso exemplo. Ele é um calculo aproximado da rentabilidade real de um título público Tesouro SELIC no momento em que escrevo este texto.

Sei que você quer entender de onde veio, então lá vai: estou considerando SELIC a +14,25%, impostos e taxas -2,5% e inflação -9%, todos ao ano. Pronto. O resultado é +2,75% ao ano ou +0,23% ao mês. Isso é a rentabilidade real aproximada.

Ebook gratuito recomendadoInvista sem medo em títulos públicos

Voltemos aos valores absolutos: 0,23% de 1 milhão de Reais é R$ 2.300,00. Por outro lado, 0,23% de 1.000 Reais é R$ 2,30 Reais.

Decepcionado? Desanimado? Depende. Vejamos alguns pontos importantes.

Parece pouco, mas é muito (embora não seja o suficiente)

Esses R$ 2.300,00 seria um valor que o milionário poderia retirar todos os meses de sua aplicação, e ainda assim ele continuaria com o milhão e ainda sendo corrigido mensalmente pela inflação (poder de compra preservado).

Olhando por essa ótica, os R$ 2.300,00 é um bom resultado, pois o investidor não teve que fazer absolutamente nada para receber esse dinheiro. É o governo (emissor dos títulos públicos) que está pagando esse “prêmio” para o investidor, por ter emprestado o dinheiro dele.

Essa taxa de 0,23% ao mês (ou 2,75% ao ano) de juros reais é considerada altíssima se comparada aos países de primeiro mundo. E veja que estou usando o Tesouro Selic como exemplo.

Se usarmos o Tesouro IPCA, que no momento em que escrevo paga cerca de 6% + IPCA ao ano, teremos juros reais ainda maiores.

Voltando agora à questão dos R$ 1.000,00, ao aplicarmos os juros reais de 0,23% ao mês, teremos realmente um valor absoluto insignificante, ou seja, R$ 2,30. Insignificante porque quando pensamos em poder de compra, não conseguirmos fazer muita coisa com isso.

Então nosso leitor tem razão. Multiplicar R$ 1.000,00 usando o mercado financeiro é um desafio.

Só fará sentido se vierem outros aportes mensais, regulares, que somados mês a mês e usufruindo dos juros compostos, depois de algumas décadas, se transformarão em um montante expressivo.

Leitura recomendadaO poder dos juros compostos no planejamento de longo prazo

Se este for o cenário desejado, então o desafio tem nome: se chama disciplina.

Multiplicando no comércio

Agora se o cenário for outro, e o desejo é multiplicar esses únicos R$ 1.000,00, esqueça o mercado financeiro (a não ser que você seja um expert em ações e derivativos, e faça operações alavancadas com opções, acertando mais de 80% das vezes de forma consistente).

A saída mais fácil é partir para o empreendedorismo e multiplicar esses R$ 1.000,00 comprando produtos no atacado e revendendo no varejo.

Deixo aqui algumas dicas: roupas (principalmente as femininas), cosméticos, acessórios genéricos para smartphones, tablets e notebooks, produtos eletrônicos baratos, produtos de utilidade doméstica, alguns tipos de alimentos não perecíveis, acessórios para carros, motos, etc.

Em todos os casos, você deve buscar um spread (diferença entre preço de compra e preço de venda) de pelo menos 70%. E o resto é simples: trabalhar muito e abolir a palavra preguiça da sua vida.

Logo no primeiro mês você será capaz de transformar esses R$ 1.000,00 em uns R$ 1.700,00. Terá custos de deslocamento para comprar os produtos em grandes centros, ou poderá utilizar a internet para tentar reduzi-los.

Pensemos que num caso médio a ruim seja possível obter 50% de lucro no primeiro mês. Nada mal, se comparado aos 0,23% do Tesouro Selic.

Não tem mágica, nem segredos

Se o dinheiro é pouco, use seu tempo para multiplicá-lo no comércio. Aprenda a negociar e principalmente a vender. Quando maior seu empenho, maior a velocidade de retorno.

Leitura recomendadaSeja um bom vendedor e nunca fique sem dinheiro

Se você for um trabalhador do tipo “faca na caveira”, dentro de alguns meses “vai faltar braços”, e terá que comissionar outras pessoas para trabalharem com você. Faça isso.

Em alguns anos seu negócio terá crescido muito, e os lucros já serão maiores do que o dinheiro que você precisa para suprir suas necessidades e alguns luxos.

Você também terá aprendido muito, e talvez já tenha até trocado de ramo de comércio, trabalhando com produtos bem diferentes, porém mais lucrativos.

Então, se fizer sentido para você, aí será o momento de você colocar o lucro excedente no mercado financeiro, para que seu dinheiro se multiplique sozinho também. Mas sempre tenha um objetivo em mente para esse dinheiro. Poupar por poupar não faz sentido.

Conclusão

Agora, para finalizar, você precisa entender uma última coisa: a não ser que você já seja um multimilionário, ou um trader profissional que opera frequentemente no mercado de renda variável (bolsa de valores), o mercado financeiro servirá somente para você alavancar a multiplicação do seu dinheiro, mas não para gerar sua renda principal.

Então sempre se lembre dessas duas coisas:

1) É o seu trabalho que fará de você uma pessoa rica. Coloque sempre em seus planos investir em você mesmo, para que você aprenda mais, desenvolva mais habilidades, e aumente o seu valor ou o valor do seu negócio para a sociedade. Assim você será sempre bem pago.

2) Sempre gaste menos do que você ganha, e use a sobra para investir (onde julgar ser melhor). Um abraço e até a próxima!

Canal de vídeos recomendado: TV Dinheirama – novos conteúdos sobre finanças a cada semana

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Leonardo Henrique

    Diferente do que eu esperava ler, mas é a pura verdade. Obrigado pela dica!

    • Giovanni Coutinho

      Olá Leonardo! Eu que agradeço por nos acompanhar! Abraços e sucesso! 🙂

  • JOEDISON WOICKI

    Tenho duas idéias com mercados não explorados, mas não tenho capital. O que faria??? Ramo hoteleiro e desenvolvimento de app, gerenciamento de residência. Aliás uma matéria simples, mas com ótimo conteúdo para leigo que sou.

    • Giovanni Coutinho

      Olá Joedison! Você tem duas alternativas: trabalhar para conseguir levantar o capital necessário, colocando suas ideias em prática aos poucos; conseguir alguém que acredite em suas ideias e financie parte ou todo o projeto. Essa segunda opção é bem mais difícil. Desejo sucesso! Abraços! E não se esqueça da frase de Da Vinci: “a simplicidade é um último degrau da sofisticação”.