Osvaldo diz: “Navarro, tenho acompanhado com mais frequência o noticiário econômico, especialmente as informações a respeito dos investimentos e possibilidades de aumento de patrimônio. No passado não tão distante, o Brasil negociava bastante ouro e hoje parece que este investimento caiu no esquecimento. Como posso investir e comprar ouro sem ter uma fortuna para comprar logo muitas gramas? Vale a pena? Obrigado”.

Com a sofisticação do mercado financeiro, tanto aqui quanto lá fora, a procura pelo ouro, metal precioso com grande valor de mercado, diminuiu gradativamente. Uma contextualização se faz necessária neste sentido: o ouro perdeu seu apelo porque outras alternativas de investimento  mais práticas e rentáveis surgiram. A negociação direta de ações e contratos (home broker), fundos específicos e investimentos programados são alguns exemplos da modernização.

Então veio a crise e o ouro passou a ser novamente objeto de desejo de muitos investidores – desta vez, também por parte de pessoas da classe média e investidores de menor capital. Evidenciar esta realidade é fácil, basta notar que desde a crise de 2008 a cotação do Ouro Spot valorizou-se cerca de 50%, passando de cerca de US$ 600,00 por onça-troy (31 gramas) para US$ 900,00.

Por que comprar ouro?

É consenso de que o ouro não é um investimento qualquer. Não se deve investir em ouro porque está na moda ou porque alguém disse que é interessante. Por se tratar de um tipo de aplicação cuja variação de preço acontece diariamente e em âmbito mundial, é importante conhecer o mercado e suas nuances. A cotação do dólar, por exemplo, pode prejudicar, ainda que temporariamente, os ganhos de investidores brasileiros no ouro. Recomendo que o ouro seja encarado como um investimento para proteção (hedge), especialmente em momentos de turbulência econômica e pensando no longo prazo.

Você sabia que o Brasil tinha volume expressivo de negócios com o ouro até o governo Collor (1990), quando negociou mais de dez toneladas de ouro por dia? Hoje o cenário é outro: segundo dados da BM&F Bovespa, atualmente são negociados cerca de R$ 500 mil em 30 contratos de barras de 250g. Algumas ações podem mudar este quadro e novamente chamar a atenção do investidor  para o ouro.

Aliás, se você quiser comprar ouro diretamente na BM&F Bovespa, precisará de conta em uma corretora de valores e uma boa grana para negociar os lotes-padrão de 250g. Isso significa que você terá que comprar lotes inteiros – um lote (250g), dois lotes (500g) e assim por diante – e não apenas valores menores, como 1g ou 100g.

É possível comprar ouro com pouco dinheiro?

Sim, hoje em dia isso é possível através do chamado mercado de balcão, onde é possível investir em qualquer quantidade de ouro. Há uma rede de corretoras especializadas em negociar o metal e o investidor pode comprar até R$ 10 mil em dinheiro – regra do Banco Central para evitar lavagem de dinheiro. Acima disso, a compra pode ser realizada através de depósito bancário.

As corretoras e distribuidoras de valores criaram diversos produtos a partir dos contratos e barras de 250 gramas, vendendo desde pequenas quantidades (1g a 10g) em cartões até laminados e barras de tamamhos e pesos diferentes, escolhidos pelo investidor. Os produtos, baseados em cotações do dia mais ágio (lucro), são padronizados, certificados e lacrados.

A negociação se dá de forma bastante direta: você escolhe o produto, a quantidade de ouro desejada e faz o pagamento via boleto bancário (limite de R$ 10 mil). O ouro é enviado pelos Correios via SEDEX com AR (Aviso de Recebimento), seguro e entregue em mãos com certificado de garantia e nota fiscal de negociação. Se quiser vender, em geral basta levar o ouro até um balcão de atendimento da corretora escolhida ou enviar o material pelos Correios e ela realizará a avaliação e recompra em até 3 dias úteis.

Quais os riscos relacionados ao ouro?

Os riscos inerentes ao metal têm relação com a relação entre demanda e oferta no mundo e também com o valor da moeda nacional em relação ao dólar. Em relação à compra e venda do ouro, você precisa se preocupar com a segurança em relação ao local onde vai armazená-lo. Ao comprá-lo via BM&F, você pode deixar que ela faça a custódia ou contratar este serviço de um banco sem que o ouro passe fisicamente pelas suas mãos. Em ambos os casos será cobrada taxa de custódia. Se você optar pela compra balcão, terá que guardar o ouro em casa ou levá-lo até um banco e pagar pela custódia.

Se você já é cliente de uma corretora de valores e se interessou pelo metal, entre em contato e pergunte se eles fazem a negociação do ouro em pequenas quantidades. Para conhecer alguns exemplos de distribuidoras especializadas, acesse www.ourominas.com e www.parmetal.com.br. Agora você sabe que ouro também é para todos! Bons negócios e até a próxima.

Dinheirama Shop

Aprenda mais sobre planejamento financeiro e controle de gastos através de nossos livros, DVDs e E-books. Promoções e preços a partir de R$ 5,90. Acesse www.dinheirama.com/loja e confira!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários