Juro zero não existe: não caia (nunca mais) nessa!

Juro zero não existe: não caia (nunca mais) nessa!

Juro zero não existe de fato! Descubra e aprenda que quando você paga à vista precisa ser mais interessante que o valor parcelado.

São muitos os argumentos de vendas para convencer você a levar determinado produto pra casa, e um deles costuma chamar muita atenção: parcelas fixas iguais, sem juros. O famoso juro zero.

A definição do preço e as condições comerciais oferecidas para a compra são decisões da empresa e cabe ao consumidor avaliar se tudo isso faz sentido diante de sua realidade financeira.

A proposta é sempre apresentada de forma tentadora: “O preço do produto é R$ 3.000,00, mas temos uma oferta por tempo limitado em que você paga em 10 vezes iguais, sem juros, de R$ 300,00”. Só mais um dia comum na hora de comprar, certo? Nem tanto.

Quando eu digo “Nem tanto”, quero dizer objetivamente que juro zero não existe, e vamos explorar esta questão juntos no texto de hoje. Inflação, negociação e o Custo Efetivo Total são pontos que precisam ser observados com cuidado e compreendidos por completo para não trazer problemas no orçamento familiar.

Poupança Turbinada Grão: Rentabilidade de 106% da poupança (abertura de conta grátis)

Juro zero não existe: tudo muda, o tempo todo

Volte alguns anos no tempo e tente se lembrar de quanto você pagou em algum item significativo que comprou. Naturalmente, o preço deste item deve ser diferente hoje. Ele está mais caro, certo?

O celular da moda, o videogame preferido, a tão sonhada roupa de marca, quase tudo que você quer comprar custa mais hoje do que um, dois, cinco anos atrás. A escalada dos preços leva o nome de inflação.

Se você tem menos de 35-40 anos, não vai se lembrar tão bem dos Anos 80 e 90 aqui no Brasil, quando vivemos períodos avassaladores de hiperinflação. Para ter uma ideia, nos 15 anos anteriores ao Plano Real, a inflação acumulada corrigida ultrapassou a marca de 13 trilhões por cento. Isso mesmo, um número assim: 13.000.000.000.000%.

Com a chegada da moeda que usamos até hoje, o Real, a inflação passou a ser de cerca 200% nos 15 anos posteriores e é de pouco mais de 500% de 1994 até hoje. Ah, no passado tivemos moedas diferentes em períodos curtos de tempo, mas hoje já temos 25 anos com o Real.

Se os tempos são mais estáveis e favoráveis, isso não muda o fato de que os preços variam com o passar dos meses e anos, o que significa que a inflação continua existindo e mexendo com a definição de preços, taxas e condições comerciais.

Na prática, existe uma realidade matemática simples: nada pode custar a mesma coisa com o passar do tempo porque existem variáveis como a inflação e a percepção de risco que mudam e influenciam os preços. O parcelamento pode se transformar facilmente em um perigo real para seu bolso.

Assista: Porque vale a pena dar uma boa entrada para comprar o que você deseja

Juro zero não existe: negocie o valor à vista

O que você precisa entender bem e aceitar é que quando alguém oferece um produto para pagamento em parcelas “iguais”, o preço total já embute uma margem para cobrir o risco de alguma coisa mudar na economia e dentro da própria empresa ao longo do tempo.

Para o caso de pagamento com cartão de crédito, a empresa recebe o valor total dentro de pouco tempo e o risco passa a ser da instituição financeira. Ela paga uma taxa por isso, é claro, o que abre um espaço para negociação à vista.

Assim, quando você se deparar com uma situação em que o preço parcelado é o “mesmo” do valor à vista, saiba que existe espaço saudável (sem apelação) para negociar um desconto para pagamento no ato, de uma vez só.

O legal disso é que se você conseguir juntar dinheiro para negociar suas compras à vista, vai resolver duas coisas de uma vez: pagar mais barato e criar um bom hábito para a realização de objetivos de vida.

Leia também: Viver sem carro é uma opção que serve para você?

Juro zero não existe: entenda o que é CET

Toda operação financeira que envolve o pagamento no tempo possui juros, encargos e outras coisas embutidas que nem sempre conseguimos enxergar ou compreender no ato da compra.

O Custo Efetivo Total, ou CET, é uma forma padronizada de mostrar quanto realmente custará determinada compra envolvendo empréstimos ou financiamentos. Todas as empresas são obrigadas a informar o CET na assinatura de um contrato.

No CET estão inclusos juros, taxas, encargos, tributos e seguros. Por isso, nem sempre o empréstimo com juros menores é o mais barato ou mais vantajoso. A análise precisa ser do CET e ele deve ser comparado entre as empresas.

Atenção, portanto, às letras miúdas das ofertas, propagandas e contratos. Todo pagamento parcelado exige que o consumidor saiba qual será o CET da operação. Não raro, parcelas iguais ou o famoso juro zero acabam se transformando em um CET de 3% ao ano, por exemplo.

Nas compras do dia a dia pode ser que isso não faça tanto sentido, mas se você pensa em comprar um carro ou dar entrada para financiar um imóvel, é essencial compreender e analisar a CET em diferentes instituições.

Poupança Turbinada Grão: Rentabilidade de 106% da poupança (abertura de conta grátis)

Conclusão

Agora você já compreende que não faz sentido um produto ter seu preço mantido ao longo do tempo, muito embora isso pareça possível e desejável. Mesmo em economias mais desenvolvidas, a inflação existe e tem um papel importante na variação de preços.

A realidade, portanto, é simples: quando você paga à vista precisa ser mais interessante que o valor parcelado. Além disso, não acredite em juro zero. Prefira negociar desconto para pagar menos sem contar com o parcelamento.

Para o seu bolso, o ideal é sempre pagar o preço justo e mais adequado para você, mas isso pode ser perigoso se você pensar apenas no tamanho da parcela. Considere o CET e, sempre que possível, negocie o melhor preço possível para pagar à vista.

Atenção: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

Conheça, navegue e curta! Dinheirama no Facebook

Visite a página do Dinheirama no Facebook! Interação social, informações sobre eventos, chamadas ao vivo com nossos educadores financeiros e convidados, além dos nossos principais conteúdos, que ajudarão você a controlar melhor o seu dinheiro e enriquecer!

Clique aqui Ok