Não são raras as vezes que você deve ter lido ou ouvido sobre a mágica dos juros compostos (eu prefiro “poder”) na construção de patrimônio.

Se eles estiverem a seu favor, em 30 anos, poderão fazer “mágica”. Se estiverem contra, em muito menos tempo, pode ser mais devastador do que um furacão classe 5.

eBook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

O que é esse tal de spread?

De maneira muito simples, é a diferença entre os juros cobrados de seus tomadores e paga a seus credores, e exatamente daí, vem os lucros monstruosos dos bancos.

Na prática: o banco cobra em torno de 10% ao mês para quem usa o cheque especial e paga em torno de 0,6% para quem “aplica” na poupança ou em seus CDBs.

O spread é essa diferença, ou seja, 9,4%. E como no Brasil temos um dos maiores spreads do mundo, é melhor não ser devedor.

Leitura recomendadaInvestir pelo banco ou por uma corretora de valores?

Em números

Agora que você já entendeu de onde os bancos tiram seu lucro, é importante conseguir enxergar exatamente como a coisa funciona.

A seu favor

Veja a tabela:

Juros compostos: a seu favor vai te enriquecer, mas contra você vai te quebrar...

Percebeu como o tempo é um enorme aliado da tal “mágica dos juros compostos”? Com “apenas 10 anos” eles podem fazer toda a diferença para quem quer ter uma boa reserva aos 50 anos.

A diferença entre a primeira e a segunda linha é de 2,5 milhões de Reais! As contas foram feitas considerando juros de 1% ao mês.

Podcast recomendado: Por que os juros ao consumidor no Brasil são tão altos

Juros contra você

Veja o próximo exemplo:

Juros compostos: a seu favor vai te enriquecer, mas contra você vai te quebrar...

Não é fantástico? Deixar um “pouco” de dinheiro “parado” em uma boa aplicação pode ter um resultado incrível se você tiver paciência.  Agora veja o que acontece do outro lado:

Juros compostos: a seu favor vai te enriquecer, mas contra você vai te quebrar...

Agora entendeu porque os bancos ganham tanto dinheiro? Se os juros podem ser incríveis por um lado, eles são avassaladores por outro.

Veja que em apenas 5 anos, um dívida de R$ 10 mil supera em quase 2 vezes aquilo que uma aplicação 5 vezes maior levaria para render em 30 anos.

Com juros não se brinca. É preciso muita disciplina para enriquecer e fazer seu dinheiro trabalhar para você.

Basta um “pequeno desvio”, como 10 anos a menos de investimentos, para ter 2,5 milhões a menos no final. E o pior, apenas uma “escorregada” para que o cheque especial destrua sua vida financeira.

Leitura recomendada: O poder dos juros compostos no planejamento de longo prazo

Conclusão

Não brinque com seu dinheiro. Não faça parte da triste estatística nacional que mostra uma população endividada e sem qualquer reserva financeira.

Não adianta reclamar que os banqueiros estão ricos, mas ajudá-los neste processo. No lugar deles, eu faria a mesma coisa: é uma questão de oferta e demanda, simples assim.

Portanto, enxugue seu orçamento. Adapte seu padrão de vida para que sua renda seja suficiente para pagar as contas e poupar.

E jamais faça a bobagem de se endividar em um país cujos juros estão entre os mais altos do mundo. Esteja do lado daqueles que emprestam e não dos que tomam dinheiro emprestado.

Assim, caro amigo, acredito que sua vida será plena e próspera, livre de dívidas e com os juros trabalhando a seu favor. Grande abraço e nos vemos em breve!

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários