dinheirama-post-voce-ja-construiu-reserva-financeiraSurpresas acontecem. Uma cirurgia que o plano de saúde não cobre, os honorários daquele advogado, um vazamento em casa ou a perda do emprego, não sabemos ao certo o que pode acontecer ou que tipo de serviços poderemos precisar.

Pouca gente se prepara para imprevistos que exigem o desembolso de uma grande quantia de dinheiro e nem todo seguro (ou plano) cobre certas emergências. É aí que surgem as dívidas mais difíceis de pagar. Logo, formar um “colchão financeiro” para eventualidades deve ser uma atitude prioritária, segundo adianta o planejador financeiro Valter Police Junior.

“A reserva de emergência deveria ser, por excelência, o primeiro investimento de qualquer pessoa”, afirma Police. Não adianta pensar na aposentadoria ou investir em ações sem antes guardar uma reserva para as necessidades imediatas – senão, o patrimônio formado para outros fins pode ser ameaçado. “É como se fosse um auto seguro”.

Para o consultor financeiro André Massaro, o padrão de vida da pessoa é um bom parâmetro para saber quanto poupar. Quanto maiores os gastos mensais familiares (não os rendimentos), maior deverá ser a reserva.

Em caso de desemprego, o mais confortável seria ter feito uma reserva com o valor equivalente a 10 a 12 meses de despesas, recomenda ele. “Por exemplo, se a pessoa tem um gasto mensal de R$ 2 mil, ela deve ter uma reserva de pelo menos R$ 20 mil”, diz Massaro.

Para quem é funcionário público, profissional que corre menos risco de ser demitido, o tamanho da reserva pode ser menor se comparada à do trabalhador com carteira assinada “tradicional”, já que esse corre um risco moderado de demissão.

Há também os profissionais liberais, cujo fluxo de caixa varia bastante e requer muita atenção. Os meses nem sempre são iguais (ou ideais), portanto a quantia reservada deve ser em torno de 12 meses de gastos.

De acordo com Massaro, o poupador pode levar um tempo para conseguir montar essa reserva, poderá levar meses ou mesmo anos, mas o que importa é fazê-la e ter essa consciência financeira. O importante, ele ressalta, é começar a guardar pelo menos 10% do que ganha para constituir a reserva financeira.

Aqui no Dinheirama temos algumas dicas de como fazer a sua reserva financeira e de como poupar dinheiro. Você tem pensado no futuro? Você faz reservas para eventuais problemas? Comente abaixo. Até a próxima.

Fonte: IG Economia. Foto people at work, Shutterstock.

Igor Oliveira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários