Controle financeiro pessoal: como você faz o seu?Simplificando ao máximo o conceito de controle financeiro, podemos dizer que ele consiste na tarefa de relacionar as despesas (gastos), as receitas (ganhos) e em seguida calcular a diferença. Seguindo a mesma ideia da contabilidade praticada nas empresas, o controle financeiro pessoal ou familiar deveria ser, em minha opinião, uma tarefa obrigatória em todos os lares brasileiros.

Infelizmente, o hábito de manter um controle financeiro pessoal é ignorado pela grande maioria dos brasileiros, tanto por parte das pessoas que vivem endividadas, como daqueles que conhecem um pouco sobre investimentos[bb] e conseguem manter suas finanças equilibradas. Fico me perguntando se o problema é a dificuldade ou se é só preguiça mesmo.

Mas será tão difícil assim criar e manter um controle financeiro pessoal?
Difícil não é, e tenho certeza que o leitor concorda comigo. Mas, convenhamos, para termos um controle financeiro pessoal é preciso um mínimo de esforço, todo mês, para registrar e calcular nossos gastos, tarefa que deve ser feita com atenção, dedicação e disciplina. Do contrário, essa decisão não oferecerá resultados eficientes.

O fato é que a maioria de nós brasileiros não tem a disciplina como virtude. Quando comecei a trabalhar e ter minha própria renda, eu simplesmente colocava o dinheiro na carteira e pagava as contas conforme elas apareciam. Aprendi a ser assim e estava confortável com essa postura, afinal era mais fácil e não dava trabalho nenhum. Só que, agindo dessa forma, eu não tinha previsão alguma se o salário seria suficiente até o fim do mês – e, na maioria das vezes, não era.

O valor que damos ao controle financeiro pessoal
Somente depois de passar por uma dificuldade financeira, caso que já contei a vocês no artigo “Como a educação financeira transformou minha vida”, é que passei a anotar em uma agenda as despesas que teria ao longo mês. Graças a essa atitude, tive como organizar minhas despesas e ter uma previsão de onde meu dinheiro seria gasto. Além disso, quando necessário, eu sabia exatamente o que cortar para não ficar sem dinheiro antes do próximo salário.

Depois de bons resultados adotando essa atitude, comecei a levar mais a sério esse negócio de controle financeiro pessoal. Em um caderno comum de escola, passei a anotar de um lado da folha as minhas despesas (transporte, alimentação, roupas, lazer etc.) e no outro minhas receitas, como meu salário e eventualmente algum dinheiro[bb] que ganhava fazendo “bicos” como freelancer. Ainda do lado das receitas, na parte inferior da folha eu registrava o saldo do mês, calculando a diferença entre as receitas e as despesas. Veja abaixo:

Caderno de controle financeiro pessoal do Júnior

Dentro das despesas eu relacionava inclusive o valor que depositava em minha conta poupança. Meu objetivo era anotar todas as movimentações financeiras que fazia, de forma que o saldo do mês fosse o mais próximo possível de zero, pois assim eu teria conhecimento exato de onde eu gastava cada centavo do meu salário. Como bom brasileiro que sou, a disciplina não é uma de minhas grandes qualidades; anotar rigorosamente no meu controle financeiro todos os gastos para zerar meu saldo no mês sempre foi (e será) um desafio.

Vale a pena usar sistemas e ferramentas de gestão financeira pessoal?
Durante meus estudos sobre educação financeira, sempre encontrei diversas dicas de ferramentas de controle financeiro pessoal, mas até hoje nenhuma delas funcionou pra mim com meu bom e velho caderno.

Primeiro, tentei utilizar um software gratuito para PC[bb], mas eram tantas as configurações, termos técnicos (“economês”) e dificuldades, que desisti. Realizar um simples lançamento de contas a pagar era um processo muito complicado. Então, abandonei o software. Não que ele fosse ruim, muito pelo contrário, mas era muito complexo para minha necessidade e na época eu não quis investir tanto tempo para aprender a utilizar a ferramenta.

Alguns meses depois conheci alguns serviços de controle financeiro on-line e decidi experimentar. Criei uma conta, configurei de acordo com minha necessidade e passei a lançar minhas despesas e receitas em um dos sistemas. No inicio, foi tudo muito fácil, intuitivo e automatizado. Uma maravilha! No entanto, uma desvantagem começou a atrapalhar meu controle financeiro. Era preciso estar online para acessá-lo e quando isso não era possível eu precisava anotar em algum lugar para depois lançar no sistema.

Depois de algum tempo, percebi que o retrabalho não estava valendo a pena pra mim, pois eu não tinha necessidade dos recursos avançados que o sistema oferecia – somente o que estava no caderno já atendia a minha necessidade de saber o quanto e onde estava gastando meu dinheiro.

Quais são as suas reais necessidades?
Vale ressaltar que ferramentas assim são excelentes alternativas, mas, na época, minhas movimentações financeiras eram muito simples para a complexidade e tantas funcionalidades oferecidas. Para fazermos uma comparação bem surreal, podemos dizer que eu estava alugando uma casa de alto padrão para morar sozinho. Não valia a pena o esforço e então voltei pra meu caderno, onde realizo até hoje o meu controle financeiro.

Sei que existem no mercado excelentes sistemas que proporcionam ótimos recursos, mas há uma coisa que aprendi testando diversas opções: a ferramenta tem que atender à sua necessidade. Muito mais do que você precisa vai exigir esforço extra (desnecessário), o que acabará deixando-o desmotivado.

O controle financeiro evolui e cresce com nossas decisões
No fim do ano passado, quando me casei, o controle financeiro deixou de ser pessoal e passou a ser familiar. O caderno não está suprindo as necessidades que preciso, pois agora tenho mais despesas para gerenciar, investimentos[bb] a pensar e também as receitas/despesas de minha esposa que entram no orçamento familiar.

Repare que o caderno veio muito bem até aqui, mas agora provavelmente deixará de ser usado e dará lugar a uma alternativa mais interessante. O caderno vai desaparecer, mas a mensagem que proponho não: se você ainda não possui um método de controle financeiro pessoal, começar com o caderno pode ser sua decisão mais acertada.

Ferramentas elaboradas podem dificultar o processo inicial (farão do controle financeiro algo mais complexo do que a realidade), desmotivando-o a cultivar esse hábito tão importante para alcançar sua plena saúde financeira. Só passe a considerar sistemas mais completos depois que você já tiver adquirido esse hábito de gerenciar e observar sua situação financeira. Só assim sua experiência fará sentido e tornará o caminho mais natural.

Será que alguns de vocês também usam o bom e velho caderninho para cuidar das finanças? Se você já está habituado com alguma ferramenta ou sistema, como foi a adaptação? Quais foram suas principais dificuldades? Há alguma necessidade ainda não atendida ou excedida por funcionalidades complexas demais? Use o espaço de comentários e deixe suas respostas. Até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários