A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,19% em outubro, após subir 0,23% em setembro.

Considerando a série mês a mês, foi a menor variação desde agosto de 2014, quando o PICA-15 teve alta de 0,14%.

Com o resultado anunciado nesta sexta-feira (21), o IPCA-15 acumula aumento de 6,11% no ano. A taxa acumulada em 12 meses até outubro foi de 8,27%, ante os 8,78% acumulados em 12 meses até setembro.

A deflação de 0,25% no grupo Alimentação e Bebidas no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de outubro fez o indicador ter a menor variação para o mês desde outubro de 2009.

Com a deflação, o grupo Alimentação e Bebidas tirou 0,06 ponto porcentual (p.p.) no IPCA-15, maior impacto negativo no mês.

Segundo o IBGE, os preços no agrupamento dos alimentos para consumo em casa recuaram 0,57%. “A principal contribuição para baixo foi a do leite longa vida (-0,11 p.p.), que ficou 8,49% mais barato”, diz nota divulgada pelo IBGE.

Webcurso recomendado: Tudo o que você precisa saber sobre Tesouro Direto

Aposentadoria faz disparar gastos de cidades e Estados

Assim como ocorre com o governo federal, os gastos com aposentadorias e pensões são o principal esqueleto no armário de Estados e municípios, mostra estudo publicado nesta quinta-feira (20) pelo Tesouro Nacional.

De acordo com o levantamento, o aumento real (descontada a inflação) das despesas com servidores públicos inativos entre 2014 e 2015 foi de 28,41% no caso dos Estados e do Distrito Federal, e de 12,1% para os municípios.

Esse crescimento puxou as despesas com pessoal, maior fonte de preocupação nas contas dos governos locais, na avaliação do Tesouro. Em 2015, diz o estudo, os servidores inativos representaram 24%, em média, das despesas com pessoal dos Estados.

Por conta do teto de gastos orçamento de 2017 já necessita de cortes

Para atender às novas regras previstas na proposta de emenda à Constituição (PEC) que cria o limite para o aumento dos gastos públicos, o Congresso terá de fazer um corte no Orçamento do próximo ano de R$ 14 bilhões.

A preocupação em fechar as contas tem permeado as conversas nos últimos dias entre o senador Eduardo Braga (relator-geral do orçamento) e o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e já chegou até ao Palácio do Planalto.

O Orçamento de 2017 – o primeiro que limita o crescimento dos gastos à inflação do ano anterior – não deixou margem para a tradicional prática dos parlamentares de aumentarem os recursos com emendas para atender suas bases eleitorais.

O orçamento federal de 2017 prevê uma receita líquida de R$ 1,177 trilhão, para uma despesa de R$ 1,316 trilhão – o que representará o déficit estimado de R$ 139 bilhões nas contas públicas.

Mas a dificuldade para fechar os números aumentou após um incremento de R$ 7 bilhões nos repasses previstos originalmente para a saúde.

Resultante de negociações para aprovar a PEC do Teto no Congresso, e de outras despesas não computadas originalmente. É esse incremento que deve agora ser cortado.

Canal de áudios recomendado: DinheiramaCast, o seu podcast de educação financeira

A prisão do ex-deputado federal Eduardo Cunha foi o principal acontecimento da semana. Os advogados de Cunha já admitem a possibilidade de uma delação premiada.

No mesmo dia da prisão o COPOM reduziu a taxa Selic para 14% ao ano e frustrou boa parte do mercado que aguarda uma sinalização mais contundente de um ciclo de queda nos juros do país.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 11h32 em baixa de -0,36% com 63.605 pontos. O dólar registrava alta de +0,7% sendo negociado por R$ 3,16.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários