Guilherme comenta: “Navarro, depois de muito acompanhar seu material, finalmente consegui equilibrar meu orçamento e passei a poupar um valor mensal. Acontece que para alguns objetivos, vi que a caderneta de poupança não é ideal e rende muito pouco. Que alternativa melhor existe hoje em nosso mercado? Obrigado”.

Você certamente sabe dizer quais são as principais vantagens de optar pelo investimento na caderneta de poupança: comodidade, facilidade, isenção de taxas e a não cobrança de Imposto de Renda (IR). Certo? Mas, o que dizer da sua rentabilidade? Qual é o retorno? Ele é bom?

Muitos sabem que a poupança rende 0,5% mais Taxa Referencial (TR), mas insistem em dizer que esse retorno pode ser considerado bom. Estamos falando de pouco mais de 6% ao ano, portanto? Quem disse que trata-se de um bom retorno diante de nosso atual cenário econômico? Como avaliar isso de “bom” e “ruim” hoje em dia?

Com uma inflação beirando o teto da meta, de 6,5% (clique aqui para entender), colocar dinheiro na caderneta de poupança significa, na melhor das hipóteses, manter o poder de compra. Nada mais! E se a definição de investimento passa por aumentar nosso patrimônio (ou seja, garantir retorno real acima da inflação), então a poupança não deve ser considerada.

Atenção aos objetivos do investimento e seu prazo

A partir do trabalho de consultoria, percebi que a maioria dos brasileiros que investe em poupança toma essa decisão porque “sobrou” um dinheiro e também quando não há nenhum plano de investimentos concreto em execução. Ou seja, em geral não existem objetivos claros, nem prazos definidos para aplicação. Assim, a poupança se torna a saída óbvia.

Por isso, sempre defendi que antes de investir devemos ser capazes de associar essa decisão a metas e prazos. O dinheiro que você vai precisar no curtíssimo prazo (dois meses) pode até permanecer na caderneta de poupança, mas a partir daí já existem opções mais interessantes e com maior rentabilidade.

Tesouro Direto: investimento muito melhor que a poupança

Dentre as diversas opções conservadoras existentes hoje em dia, uma chama muito minha atenção: o Tesouro Direto, que corresponde à oportunidade de comprar e vender títulos públicos através da Internet, com liquidez semanal e opções de proteção do capital para o médio e longo prazo (rendimentos reais, acima da inflação).

Emprestar dinheiro para o governo, você já pensou nesta possibilidade? Pois é exatamente isso que oferece o Tesouro Direto, plataforma online de negociação de títulos públicos disponível através de diversas corretoras e agentes de custódia.

“Mas emprestar dinheiro para o governo é furada!”, você pode estar pensando. É bem verdade que a nossa equipe econômica anda tomando decisões bem estranhas, mas financiar a dívida interna de um país como o Brasil é uma das escolhas mais seguras que um investidor pode fazer, especialmente se for através de títulos que devolvam juros mais correção monetária (IPCA).

Os custos para o investimento em títulos são muito mais baixos do que aqueles encontrados nos fundos de investimento, por exemplo: as taxas médias são da ordem de 0,5% ao ano, enquanto nos fundos conservadores as taxas de administração cobradas são de 1% ou mais.

Além disso, há a opção de investimento a partir de pequenos valores (fração de um título): geralmente R$ 80,00 são suficientes para começar. Com a ajuda da corretora de sua escolha, dá inclusive para programar um investimento mensal automático no Tesouro Direto.

Tudo sobre Tesouro Direto

Se você ainda tenha dúvidas em relação a que títulos escolher, como começar, vantagens e desvantagens, agora é o momento ideal para saná-las. Eu já escrevi bastante sobre isso e convido você a se aprofundar no tema usando os links abaixo:

Aproveite os materiais listados acima e estude com afinco essa oportunidade que é muito mais interessante que a caderneta de poupança seja para objetivos de curto, médio e longo prazo. Use também o espaço de comentários abaixo para deixar suas dúvidas e prometo tentar respondê-las. Obrigado e até a próxima.

Foto “Chart”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários