A taxa de juros do nosso país, depois de subir muito em 2015 e se manter elevada em 2016, agora começa a cair. As expectativas do mercado apontam para mais reduções.

Com isso, muitas pessoas estão com dúvidas se continua sendo interessante investir em títulos públicos do programa Tesouro Direto. Sim, continua sendo interessante; e antes que você pergunte, já vamos te dizer: sempre será melhor que a poupança.

No entanto, ainda tem muita gente com dinheiro na poupança porque não sabe sequer o que são os títulos públicos, como comprá-los, entre outras questões.

Entendendo melhor os títulos públicos

Os títulos públicos são instrumentos financeiros de renda fixa emitidos pelo governo federal. O objetivo do governo é obter dinheiro de qualquer pessoa ou empresa para financiar suas despesas.

Em outras palavras, você “empresta dinheiro” ao governo e ele te devolve este montante depois de um tempo com um adicional de pagamento de juros, que é o seu retorno do investimento.

Todos os títulos do Tesouro Direto têm uma data de vencimento, que é a data em que o Tesouro Nacional quita suas obrigações financeiras com os investidores.

É o dia do resgate do valor do título. Mas isso não quer dizer que você não possa sacar seu dinheiro antes. Sim, você pode. E sabemos que o país está em uma situação bastante complicada, mas o Tesouro continua sendo um ótimo investimento.

Leitura recomendada: Invista de um jeito mais seguro que a poupança e lucre mais

Além de ser uma opção de investimento segura, o Tesouro Direto tem outras vantagens:

  • Desde 2015 o Tesouro passou a ter liquidez diária, ou seja, você pode vender no mesmo dia em que decidir fazê-lo.
  • O Tesouro Direto permite programar o investimento, o que ajuda na disciplina para investir. Em contato com o banco ou com a corretora, você pode programar uma espécie de “débito automático”, ou “aplicação automática”.
  • O rendimento do investimento é bom. Como o Brasil ainda tem uma inflação alta, os títulos do Tesouro que acompanham tal índice pagam bem.
  • É bem fácil de aplicar e você pode fazê-lo por conta própria. Você precisa apenas ter uma conta em um banco ou em uma corretora para começar.

Elimine todas as suas dúvidas

O site oficial do Tesouro Direto é bastante claro e explica detalhes sobre seu funcionamento.

Você pode olhar os títulos atualmente disponíveis para compra, como o Tesouro IPCA+ (que antes se chamava NTN-B) ou o Tesouro Selic (que antes se chamava LFT).  Não se assuste com os preços de compra, é possível comprar apenas uma fração dos títulos.

Agora você já sabe um pouco mais sobre os títulos públicos, mas ainda pode haver algumas dúvidas:

  1. Quais são os riscos do Tesouro Direto?
  2. Devo investir pelo banco ou pela corretora?
  3. Por quê o Tesouro é melhor que a poupança?
  4. Qual é o melhor título para eu comprar?

Hoje você vai encontrar essas respostas e algumas outras no relatório especial (e gratuito) sobre Tesouro Direto, que disponibilizamos para você.

Para acessá-lo, basta clicar aqui e seguir as instruções para obter a sua cópia, afinal, construir riqueza depende do seu planejamento e das suas escolhas sobre onde investir e como poupar. Desejamos à você uma vida próspera!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.